quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: SEJA MEU

SINOPSE: Uma noite de sexo casual... Uma boate secreta... Um rosto por detrás de uma máscara. Ana poderia esperar tudo, menos que o belo acompanhante na boate fosse ninguém menos que Nicolas White. Ana Suarez nunca conseguiu dar aquele passo a mais em seus relacionamentos, sempre pulava fora quando as coisas ficavam sérias demais. Algo sempre faltava, Ana é uma editora requisitada no meio Editorial, leva sua vida entre o trabalho e seu affair Jimmy, tentando de todo jeito esquecer o mulherengo que passou por sua vida e amarrou seu coração. Nicolas White, um piloto de avião que queria tudo, menos uma mulher pegando no seu pé, afinal para ele romance e relacionamento eram isso. Um puro pé no saco! Para Nicolas um ótimo envolvimento eram precisos poucos encontros, para ser mais exatos, cinco encontros. Tudo que você precisaria para ter uma vida sexual movimentada e sem mulher no seu pé. Ana provou isso, dois anos atrás ela mesma passou pelas cinco fases de Nicolas White, saindo com um coração partido e um famoso bilhete de despedidas. Safado? Sim. Sem coração? Quem sabe... Destino é como uma viagem, e isso é um assunto que Nicolas White conhecia bem. Será que no meio de tantos romances Ana finalmente viveria o seu?


Ana jamais poderia imaginar ao ir em uma boate secreta a procura de sexo casual  que encontraria  ninguém menos que Nicolas White. Os relacionamentos de Ana Suarez nunca ficavam sérios demais, sempre pulando fora quando via essa possibilidade. Ana é uma editora de sucesso, mas sente que falta algo mais. Sua vida é dividida entre seu trabalho e seu affair com Jimmy, enquanto tenta esquecer o homem que passou por sua vida e roubou seu coração.


O piloto de aviões Nicolas White tem todas as mulheres que quer aos seus pés, mas a última coisa que ele deseja é romance e relacionamentos sérios. Para ele, romances são chatos e cansativos. Tudo que Nicolas precisa são cinco encontros, perfeito para uma vida sexual intensa e sem correr riscos de acabar se apaixonando. Á dois anos atrás Ana conheceu Nicolas White e as suas cinco fases e isso resultou em um coração partido e um bilhete de adeus. Seria Nicolas um safado sem coração?


Estamos sempre à procura de um amor de verdade, de relacionamentos duradouros e de sucesso profissional, mas as vezes não conseguimos ter tudo ao mesmo tempo. Às vezes nos contentamos com sexo casual porque achamos que não encontraremos a pessoa certa. Ana está à procura de um grande amor e Nicolas ao contrário foge de relacionamentos sérios, será que os dois terão um final feliz?


A autora soube conduzir esse início de leitura de forma instigante, ela é fluída, engraçada, com muitas cenas quentes e de amor, tem um pouco de tudo, mentiras, intrigas, traição e reconciliação. Um romance que prende a atenção desde as primeiras páginas, uma trama envolvente que faz a mente alçar vôo... É um livro que ninguém vai se arrepender de ler!!


PARA LER "SEJA MEU" NA AMAZON CLIQUE AQUI!

RESENHA ESCRITA POR: FÁTIMA GISLENE GENOVÉSIO

Tenho 50 anos, mas até me esqueço disso. Meu apelido é Gi, mas também sou a tia Gigi. Leio desde os 14 anos, era rata de biblioteca, e li tudo o que tinha de bom, quando acabou meu pai virou meu fornecedor de livros! Já trabalhei em duas livrarias e fiz feira do livro. Amo indicar livros e fico realizada quando vejo uma criança descobrindo o gosto pela leitura. E tenho muito ciúmes dos meus livros.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

ENTREVISTA COM CAÍQUE APOLINÁRIO E RAQUEL CORTEZ MACHADO, AUTORES DE NA SOMBRAS DA MENTE

SINOPSE: Em um mundo em que seres com super poderes não são incomuns, um investigador telepata precisa conseguir chegar na verdade por trás de uma série de assassinatos cruéis. Aqui onde fantasia, suspense e adrenalina criam fortes emoções, a perseguição do detetive André mostrará um mundo onde a moral e os conceitos de violência são relativos. Para onde se deve buscar salvação, quando as luzes se apagam e a escuridão te rodeia?


Como surgiu a ideia de escrever "Nas sombras da mente"?
Estávamos pensando em um universo de ficção científica, onde pudéssemos abordar superpoderes e tecnologia, se passando no Brasil e, trazendo histórias onde sentíssemos a vontade de trazer nossas reflexões e críticas. Depois de pensar em diversas premissas para abordar neste universo, Caíque em uma noite de insônia começou a desenvolver uma história pensando em conciliar a telepatia e a psicopatia no ambiente penal. Mostrou a história para a Raquel, e a trama foi transformando-se e virou no que você lerá em Nas Sombras da Mente. 


Quanto tempo demorou para a história ficar pronta?
A história seria um conto, mas foi ganhando forma de uma maneira que não poderia ser publicado de forma diferente do que um livro solo. Por conta das intensas revisões e debates sobre a trama, levou cerca de 1 ano e meio para o livro estar pronto.

O que o leitor pode esperar de "Nas sombras da mente"?   
Pode esperar muitas reviravoltas e embates, pois lerão uma história intensa do começo ao fim, em um ambiente pequeno e fechado, mas que trará aquela vontade de abrir as janelas e saber mais sobre este universo.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? 
Autores como William Gibson, George Orwell e Ray Bradbury ajudaram a dar inspiração no momento específico de escrita para este livro.

Se "Nas sombras da mente" pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria?
"Shadow of the Sun", da banda Audioslave. 
Qual personagem de "Nas sombras da mente" vocês mais se identificam? E por quê?
Não temos um personagem em específico no qual mais nos identificamos, mas cada personagem da história tem um ponto de contato com um (ou ambos) de nós. Nas virtudes e nos defeitos.

O que vocês mais gostam na escrita do outro?
Raquel: Gosto do suspense na escrita do Caíque.
Caíque: A maneira como a Raquel percebe o mundo e transpõe isto em palavras, é algo que inspira a todos que leem suas reflexões.

Como vocês dividiram as cenas?

Caíque agilizou a história escrevendo o material bruto, e a Raquel ajudou a lapidar, com suas sacadas criativas (e ortográficas) para transformar a história no que é hoje.

Houve alguma discordância a respeito dos rumos da história ou de algum personagem em específico? Como resolveram? 
Houveram discordâncias principalmente na inclusão de mais personagens femininas, que é um ponto baixo nesta obra. Contudo, ficou acertado que isso seria melhor explorado nas histórias futuras. Logo, os leitores verão uma evolução narrativa no futuro.

Deixem uma mensagem para nossos leitores:

Esperamos que os leitores do Vitamina Livros curtam esta história e que se sintam encorajados a nos mandar feedbacks, interagir conosco nas redes sociais e, principalmente, a lerem mais livros do gênero e a escreverem suas próprias tramas. Todos precisamos ler um pouco mais sobre o próximo, e todos temos algo para contar.

PARA COMPRAR "NAS SOMBRAS DA MENTE" CLIQUE AQUI!

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: ARIANA: UM CONTO QUASE DE FADAS

SINOPSE: Ariana é uma jovem princesa que terá que lutar para reaver o trono roubado de seu pai, por sua madrasta má. Diferente da Branca de Neve, ela não terá anõezinhos bondosos para ajudá-la, nem um príncipe encantado para beijá-la quando tudo estiver perdido. Ela terá que aprender a lutar para reconquistar o que é seu por direito, com garra e determinação.


“Não pode fugir, o Reino precisa de ti, é sua responsabilidade como herdeira de Conrad”

As Primeiras Impressões vão para o livro “Ariana – Um Conto Quase de Fadas”, da Márcia Reis Grillo. Vamos conhecer Ariana Cristina, princesa do reino de Jocelyn. Como acontece nos contos de fadas sua mãe adoece, vindo a falecer no seu nascimento e seu pai, o Rei Conrad, casa-se novamente com Barbara, que faz de tudo para conquistar o trono.


“mas se eles pensam que vou ficar parada aguardando que me tirem o trono, estão muito enganados.”

Após a morte de seu pai, Ariana sofre muito nas mãos da madrasta, cansada de tudo, ela decide fugir para poder amadurecer e assim retornar para poder assumir o trono. No meio de sua fuga, Ariana se veste de homem, corta os cabelos para não ser reconhecida e foge pela mata para procurar abrigo. No decorrer do caminho, acaba encontrando uma cabana onde passa a noite, porém ao amanhecer um rapaz de nome Alexandre encontra a garota, e após insistência leva a para sua casa e sua família. 


“– Quando vai agir como uma princesa Ariana? Pare de correr pelos estábulos com aquele rapaz. Estás noiva, aja como tal!

– Quando você agir como Rainha, eu agirei como uma princesa.
– Não me desafie menina, sabe que vai perder.
– Não me interessa o que pensa sobre mim e sim o que o povo pensa...”


Com essa família, Ariana é bem recebida pela mãe Izabel, Esther a irmã, mas o pai Bonifácio fica desconfiado e aos poucos ela vai conquistando a confiança de todos. Trabalhando no campo ajudando os homens e na casa com as mulheres. 


“Eu me chamo Cristina. Meu pai morreu há pouco tempo e fiquei sem ter onde viver..”

Passam-se meses e recebem a informação de que a Princesa de Jocelyn estava muito doente e não comparecia mais aos eventos, outros comentários que ela tinha morrido, e outros que a Rainha matara o Rei e assim a princesa adoeceu e morreu também.


“– Não se preocupe com o papai, ele não é tão carrancudo como parece.”

Ao fazer as Primeiras Impressões, me prendi na historia, pois é um conto de fadas como que estamos acostumados a ler, o rei casa novamente, a madrasta quer o mal da princesa para assim assumir o trono, entre outros. Porém a princesa percebe que o mal está na maneira que a rainha administra o castelo e opta por fugir para poder aprender a como derrubar a rainha e assim assumir o trono. Ariana, que durante sua fuga assume como nome Cristina, não sendo totalmente mentira, pois seu nome é Ariana Cristina, corre atrás dos seus ideais, não tem preguiça, faz todo o serviço que precisa ser feito e nunca deixando sua educação e modos de lado, consegue aos poucos conquistar todos a sua volta.


“O tempo passava devagar para Ariana, os dias eram longos e parecia que o serviço nunca acabava. Fazer queijo, recolher mel, ordenhar as cabras, ajudar a tosquiar as ovelhas...”

Até o momento que um sobrinho de Bonifácio que trabalha na guarda real vem visitar o tio, com medo de ser descoberta, Ariana é obrigada a fugir novamente. A parte ruim de fazer as Primeiras Impressões, é que ficamos ansiosos por saber o final, eu sempre torço para dar tudo certo e serem Felizes para Sempre (risos).... Convido você leitor a apreciar esse Conto Quase de Fadas e juntos descobrirmos qual será o destino de Ariana.


PARA COMPRAR "ARIANA - UM CONTO QUASE DE FADAS" CLIQUE AQUI!


RESENHA ESCRITA POR: VANESSA RANDO

31 anos, enfermeira, moro em Piracicaba (interior de SP) e os livros são minha vida. Quando não estou cuidando da saúde das pessoas, gosto de entrar em um mundo imaginário e esquecer os problemas da vida real.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

RESENHA DO LEITOR: MADAME ORÁCULO

SINOPSE: 'Madame Oráculo' começa com Joan Foster tramando sua própria morte, abrindo a possibilidade de uma nova vida. E de criar uma nova biografia, em outro país. Mais precisamente a Itália. A trama de 'Madame Oráculo' se dá entre o Canadá e a Europa, cenários em que as muitas mutações sofridas por Joan Foster são apresentadas aos leitores. E é através desta longa jornada, que Atwood traça um retrato de uma mulher que não pôde realizar quase que a totalidade de seus projetos, mas que, ainda assim, continua a se recriar em busca do tal sentido da existência. Nem que seja em uma pequena vila italiana com o sugestivo nome de Terremoto.


"Minha vida é uma confusão, um ninho de ratos com fios emaranhados e pontas soltas. Não havia possibilidade de um final feliz, mas eu queria um perfeito. Algo definitivo como uma tesoura, eu teria que morrer." (pág. 276)

Margaret Atwood começou a escrever em meados dos anos 60 e em 1976 escreveu "Madame Oráculo", que lhe renderia fama além das fronteiras de seu país, o Canadá. Atwood também é autora de "O Conto da Aia", na minha opinião uma das melhores distopias já escritas. A obra caminha entre o drama e o macabro, o humor refinado e divagações psicológicas e melancólicas, tem drama, sarcasmo e uma dose de romance. Narrada em primeira pessoa a trama não percorre uma linha linear de tempo. A protagonista inicia sua narrativa em uma varanda de Terremoto, pequena vila da Itália, descrevendo o cenário ideal para sua morte, a qual fora detalhadamente planejada. Joan Foster é uma escritora anônima de romances góticos, famosa por escrever o livro "Madame Oráculo", livro que foge aos padrões sociais e inicia uma discussão sobre feminismo e relacionamentos. Aclamada por uns, criticada por outros, a vida da escritora pode ser tudo menos simples. Acontece que nossa heroína leva uma vida dupla e no decorrer da leitura passamos a conhecer sua história e os motivos que a levaram a ser quem e como é.


Joan é casada com Arthur, homem metódico, com tendências depressivas e ativista político. Mesmo apaixonada pelo marido, inicia um romance com o "Porco Espinho Real", um artista pós-moderno, pobre e sem sucesso algum na carreira. Mergulhada em remorso, Joan não consegue por fim ao relacionamento com o amante e como se não bastasse, tem que conviver com segredos do passado que a atormentam constantemente, os quais não ousa revelar ao marido. Joan Foster é na verdade Louise K. Delacout. As razões para a mudança de nome e posteriormente a encenação de sua morte, passam por razões práticas, mas também emocionais e psicológicas. Joan teve uma mãe autoritária, um pai ausente, lidou com a obesidade desde criança e na adolescência foi usada e humilhada pelos amigos, além de se submeter a um emagrecimento traumático, exigência para que recebesse uma herança de sua tia. Mas claro que não é só isso. Tudo é muito mais complexo do que parece e nossa protagonista transforma-se numa mulher confusa, com sentimentos contraditórios e muitas vezes nocivos a ela e às pessoas próximas.


Ao planejar a encenação da própria morte, pretendia livrar-se das amarras da vida dupla que levava, como escritora gótica anônima e esposa infeliz. O que busca é livrar-se da personagem criada por motivos alheios a ela e viver a plenitude da mulher que sonha ser um dia: Livre das amarras sociais e emocionais que a subjugaram ao longo de sua trajetória. Repleta de divagações psicológicas e emocionais a obra tem um final surpreendente e cheio de reviravoltas. Nos leva a refletir o quanto estamos dispostos a lutar para sermos nós mesmos e a nos questionar se essa luta vale a pena. Recomendo!


VITAMINAS:



RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES

40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

RESENHA DO LEITOR: TARTARUGAS ATÉ LÁ EMBAIXO

SINOPSE: Depois de seis anos, milhões de livros vendidos, dois filmes de sucesso e uma legião de fãs apaixonados ao redor do mundo, John Green, o autor do inesquecível “A Culpa é das Estrelas”, lança o mais pessoal de todos os seus livros: “Tartarugas Até Lá Embaixo” A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto tenta lidar com o próprio transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, distúrbio mental que o afeta desde a infância –, “Tartarugas Até Lá Embaixo” tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.


Hello pessoal vitaminado! Aqui quem fala é o Pedro de Roche. Hoje estou trazendo para vocês um livro que particularmente te faz pensar dentro do seu próprio ser. Por que enalteci a palavra “pensar”? Porque basicamente é o que se trata essa obra que mistura romance, mistério e humor. O livro pertence ao escritor best-seller americano John Green – autor de outros títulos incríveis como “A Culpa é das estrelas”, “Quem é você, Alasca?” e “Cidades de Papel”. Uma das primeiras coisas que pensei ao pegar essa obra foi: Parece bastante complexa pelos comentários que geralmente ficam expostos nas primeiras páginas de influencers que tiveram contato com ela antes de ser pública ou mesmo depois. Bem, para começar: O que você entende por pensamento? E o que entende por filosofia de vida? E se você misturar esses pensamentos a uma obsessão compulsiva capaz de desestabilizar a sua jovem vida te forçando a ficar preso dentro de si como se vivesse numa “espiral que se afunila”?


Foi assim que a protagonista — Aza Holmes, descreveu o seu TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo). Grande parte dessa obra fala sobre uma garota que sofre pela perda do pai, mas sofre ainda mais por pensamentos invasivos acerca de doenças; sim, doenças. Ela acredita que qualquer ferimento ou contato com bactéria seriam suficientes para o seu corpo deixar de ser seu e pertencer a um exército de bactérias, mas de uma forma bastante controversa, ela acaba se ferindo deliberadamente quando a ansiedade e os pensamentos chegam com força. Essa ansiedade reflete em como ela trata os amigos, a mãe e o mundo ao seu redor. De certo, a protagonista possui uma personalidade muito profunda, carência de atenção e um complexo de pensamentos invasivos, mas lida com tudo com certa maturidade já que em momento algum culpa as coisas ao redor e sim a si mesma. Agora sobre o enredo: A história gira em torno de um misterioso desaparecimento de um bilionário que mora próximo a casa. Esse bilionário é acusado de diversos crimes na cidade, procurado pelas autoridades e uma recompensa é oferecida para quem desse notícias sobre ele.


Então, Aza e sua melhor amiga Daisy — a melhor personagem da obra, começam a investigar esse desaparecimento a fundo. Daisy é a típica amiga que fala demais, sabe? Está sempre junto com Aza, acompanhando-a nas aventuras e nunca sabe quando parar de falar. Ela é escritora de fanfics de Star Wars e uma garota cheia de sonhos igual a gente. Já o cenário — A cidade de White River em Indianapolis, é encantadora, porque durante toda a obra nós não conseguimos escapar dali, queremos entrar e descobrir mais sobre a pequena cidade cheia de monumentos construídos pela família Pickett. Ao decorrer das páginas, nós percebemos que poucos personagens são incluídos, como por exemplo o par romântico de Aza — Davis Pickett, que é filho do bilionário. Ele é introduzido de forma sutil e resumida já que ele e Aza já se conheciam desde criança, porém, com o tempo foram se distanciando até perder contato.


A única parte ruim da obra foi ela ter acabado. É um livro bastante curto e resumido em algumas partes. Em momento algum ele perde tempo fazendo descrições exageradas ou persistindo em assuntos que não são relevantes para que o leitor se situe e de prosseguimento com o fato principal — que é o TOC de Aza. De forma resumida: É um livro que está prestes a ganhar uma adaptação cinematográfica pela qualidade dos personagens, pela história ao redor e pelo escritor renomado que possui uma escrita própria e reconhecível em qualquer obra que tenha escrito. Um livro para quem procura um romance delicado com uma pitada de humor, muita filosofia de vida e pensamentos acerca do quão sensível o ser humano é as mudanças externas, sejam elas do tempo; do espaço ou da relação com outras pessoas e etc. Eu recomendo! Bem, pessoas, é isso por enquanto. Não se esqueçam de curtir a nossa página no facebook e seguir todas as redes sociais, taokei?


VITAMINAS:



RESENHA ESCRITA POR: PEDRO ALVES PEREIRA
20 anos, escritor e técnico de informática. Nascido e criado em são Paulo, grande apreciador de arte e literatura. Escritor de outros 11 livros ainda não publicados. Começou no ramo bastante tarde, engajado a inovar e criar mundos fantásticos que até então não existiam.

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: O RELICÁRIO

SINOPSE: Depois de vinte e oito anos sofrendo a culpa por seu grande amor tirar a própria vida ao descobrir sua traição, o bon vivant Nicholas Guedelha tem a chance de voltar no tempo dias antes da tragédia que impossibilitou seu casamento e impedir a morte de Valentina. Para isso, precisará mudar o passado e descobrir grandes segredos que envolvem a perda da mulher que ama. Conseguirá ele salvá-la e viver esse amor?



Nicholas Guedelha tem seus quase cinquenta anos, mas vive como se mal tivesse chegado aos trinta. Vivendo da fortuna que seu pai lhe deixou de herança, se entrega aos luxos que a vida pode lhe conceder: festas luxuosas, mulheres lindíssimas, coleções de carros caríssimos e poder bancar viagens e passeios daqueles que mal conhece, apenas para manter sua reputação. Mas tudo isso parece apenas servir para cobrir a ponta do iceberg da dor que carrega. Seu quase primeiro casamento com a mulher de sua vida lhe trouxe traumas para o resto de sua vida. Suicídio.


Em um dia que poderia ser como outro qualquer, Nicholas acorda de um pesadelo terrível que o assombra desde pequeno e a partir daí as coisas começam a se desconstruir para ele, sendo a primeira noticia que sua única filha de seu único casamento estava grávida e por conta disso resolve ter com a ex-mulher para lidar com a situação. Nessa conversa ele houve mais do que pode lidar sobre ele mesmo. Mais tarde numa festa que era para ser surpresa, o protagonista tem uma grande briga com seu melhor amigo e em seguida é deixado por seu administrador devido a não querer dar atenção ao que estava acontecendo com suas finanças. Desolado, Nicholas segue da casa de sua tia - a qual tem profunda admiração - para outra cidade e sofre um acidente. A partir daí ele se descobre no passado. Uma semana antes de o amor de sua vida perder sua vida por um erro que ele havia cometido. Seria agora uma chance de concertar ou estragar tudo de vez? O que ele poderá aprender com tudo isso? Conseguirá salvar sua donzela e casar-se com ela? Como será seu presente/futuro? 


Bom, como Primeiras Impressões achei o começo um pouco confuso, mas que aos poucos se auto explica. A trama parece ser bem interessante, mas ao mesmo tempo tem um pouco do seu clichê romântico que para quem não curte muito talvez sinta um pouco incomodado. Mas estou curiosa para saber o seu desfecho, pois como já tive experiências outras vezes com as Primeiras Impressões, é que o inicio tem muito pouco do livro em si. Além das viagens no tempo, das quais estou curiosa de como o autor irá desenvolvê-las ao decorrer da história, que creio que irão acontecer mais de uma vez. Recomendo para quem gosta de romances transcendentais.


PARA COMPRAR "O RELICÁRIO" CLIQUE AQUI!

RESENHA ESCRITA POR: KAROLINA V. S. MELO (Karol Melo)
22 anos, mora atualmente no interior do Paraná. Depois que descobriu o mundo da ficção se tornou uma leitora compulsiva. Ama músicas que a inspirem, e séries de suspense policial, mas não nega um romance clichê. É escritora no blog Verdades e Poesias e sonha em publicar um livro para chamar de seu.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

RESENHA DO LEITOR: CINCO MINUTOS E A VIUVINHA

SINOPSE: Cinco Minutos e A Viuvinha são clássicos do romance urbano de José de Alencar, essenciais para se compreender o Romantismo no Brasil e o cotidiano no Segundo Império. Ambientados no Rio de Janeiro do século XIX, as histórias são particulares e, ao mesmo tempo, unem-se no final, celebrando a vitória do amor. Descubra nessas duas histórias de amor como um curto período de tempo é capaz de mudar o futuro e quem foi a famosa viúva que dá nome ao romance.



Impressões: Ele era filho do senador José Martiniano de Alencar, ex-padre e vulto de projeção na política liberal. Cearense e cursou Direito em São Paulo, de 1845 até 1850. Após se formar, começou a trabalhar como advogado no Rio de Janeiro, mas sua grande paixão era a literatura. Escreveu poemas e romances, como O Guarani, Iracema, Lucíola, Senhora, O Sertanejo e tantas outras obras da literatura clássica brasileira. Leitores, eu estou falando de José Martiniano de Alencar, mas conhecido como José de Alencar. Hoje, trago um pouquinho das minhas impressões de "Cinco Minutos e "A Viuvinha". Essas são duas novelas distintas de José de Alencar. Que com uma escrita simples e envolvente nos conduz em duas histórias fascinantes. Ambas pertencem ao período romântico brasileiro (onde os aspectos estéticos e os históricos ligaram-se de modo especialmente estreito e original: entre nós, o Romantismo deu expressão à consolidação da Independência, à afirmação de uma nova nação e à busca das raízes históricas míticas de nossa cultura).


Deixando esse detalhe de lado em Cinco Minutos, temos a história de amor entre um personagem fictício, que não tem o seu nome identificado, narrando a sua história de amor por meio de uma carta a sua prima D... Onde ele começa dizendo "sabe que sou o homem menos pontual que há neste mundo; entre os meus imensos defeitos e as minhas poucas qualidades, não conto a pontualidade, essa virtude dos reis e esse mau costume dos ingleses." E por um atrasado de cinco minutos ele perde o seu ônibus tendo que esperar durante uma hora a próxima condução. Ao pegar o próximo ônibus, ao seu lado está uma mulher, com a cabeça coberta por um véu, que o corteja levemente, mas de modo recato. Por quem ele se apaixona mesmo não sabendo se é moça, velha, solteira ou casada. Ao deixar o ônibus ele a perde de vista e não a encontra por dias, mesmo indo ao Andaraí no ônibus das sete horas, indagando todos os passageiros se conheciam a tal moça misteriosa, mas em vão. Como ele diz em sua carta "estava a braços com a paixão, minha prima, e com uma paixão de primeira força e de alta pressão, capaz de fazer vinte milhas por horas. Atrás dessa sombra impalpável, que eu procurava havia quinze longos dias, isto é, um século para um pensamento de um amante." Será que esse personagem tão apaixonado encontrou o amor da vida? Se sim, que empecilhos separavam esses dois amantes? Seria uma narrativa de amor impossível?


Na novela A Viuvinha, a história de amor entre Jorge e Carolina. Um casal jovem, apaixonado que encanta os leitores. Jorge era rico, mas seu pai falece deixando-lhe uma grande fortuna, que poderá ser assumida ao chegar a maioridade, e como tutor o Sr. Almeida. Jorge age de forma imatura, esbanjando e ostentando sua fortuna, contraindo dívidas e esquecendo-se de pagar uma dívida de seu pai. Seu falecido pai poderia perder a honra e seria marcado pejorativamente na sociedade carioca. Na véspera de seu casório, Jorge descobre que está falido e com o sério risco de sujar o nome de seu. Desesperado e sem nenhuma esperança ele decide se casar, mas escondendo da sua futura esposa a sua real condição financeira. E arquitetando junto com o Sr. Almeida um plano para se livrar da angústia de ter enganado sua noiva e ter sujado o nome do seu pai. Um plano que mudará a vida dos personagens, mas principalmente a de Carolina. Deixo vocês descobrirem que plano foi esse e o final dessa narrativa. As duas histórias são distintas, mas respeitam a ordem cronológica dos fatos e é o tempo que define as consequências desses romances. Indico porque são histórias curtas, podendo ser possível lê-las em um dia, com personagens muito bem construídos e profundos e por José de Alencar, nesse romance, ter uma escrita mais leve mesmo mostrando que o amor pode vencer quaisquer obstáculos até mesmo o mais longo tempo. 


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: Felipe Maranhão
22 anos. Graduando do 6° período de Letras, da Universidade Federal do Tocantins. Pesquisador em Iniciação Científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com ênfase em bilinguismo Krahô. E amante da literatura universal.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: DE REPENTE... CASADOS

SINOPSE: Na caminhada da vida sempre há muitos desafios, surpresas, tristezas e alegrias. Às vezes, nos deparamos com situações que nos afligem, nos fazem sentir e até mesmo chorar, e é isso o que acontece na vida de Ema Thompson; os altos e baixos. Benjamin Hart é um deus grego, digno de todos os olhares femininos, devido seu porte físico e olhar de gavião fatal. A atração entre ambos é inevitável e por obra do destino, estão casados. O que esperar de um casamento onde apenas ele sabe que existe, e que ela passa a saber de sua existência de repente? Como isso aconteceu? Ela não imagina, mas está pronta para descobrir, mesmo que se apaixone pela pessoa mais inapropriada. Quando Camões disse em seu poema: "amor é fogo que arde sem se ver", não poderia imaginar que, dependendo do fogo, ele poderia sim, além de se ver, queimar, intensificar a chama e explodir em ondas de desejo e sedução.


Olá meus amores! Hoje farei as Primeiras Impressões do livro: De repente... Casados. Ema é uma bela jovem de 21 aninhos, estudante de Psicologia. Atualmente Ema mora sozinha e é a única responsável por manter seus custos, como aluguel e a mensalidade da faculdade. E no momento trabalha como garçonete em uma boate bem animada! Não é o melhor emprego do mundo, ela não gosta e não se sente muito entusiasmada com a atividade, no entanto, garante um bom salário para as suas despesas. Desse modo, ela se esforça para manter no trabalho. Seu pai a expulsou de casa quando ela tinha apenas 17 anos e isso foi feito pois seu pai queria a proteger das maldades de sua tia, irmã gêmea de sua mãe. Teve até uma época em que a tia morou com os dois fingindo ser a irmã. 


No caminho de Ema aparece Ben, Benjamin Hart. Bem diferente da garota o rapaz já possui uma vida muito confortável, herdeiro da empresa da família, as indústrias Hart. Trabalha na empresa com os pais, onde procuram ter o mesmo nível de exigência do que com demais funcionários. Ben, com 29 anos, tem sofrido com a pressão deles para que possa casar e formar uma família. O que seus pais não sabem é que Ben fora traído pela sua ex-noiva o que fez querer aproveitar ao máximo seus relacionamentos com as mulheres, mas de uma forma bem racional e sem nenhum romantismo.


Com essa “desilusão” amorosa Ben quer se envolver com várias mulheres ao mesmo tempo sem se apegar, apenas para se satisfizer sexualmente, sem se apaixonar por ninguém (eu — Greisi — odeio esse tipo de desculpa), mas parece que ao cruzar o caminho de Ema a tendência desse desapego desaparecer. Ema atendeu Ben no bar em que trabalha e a atração dos dois já ficou evidente, embora naquele dia Ben tivesse tido um encontro sexual, mesmo com tantas garotas a sua volta, o rapaz foi para casa pensando na bela garota do bar.


Como trata-se de um livro hot, a linguagem é bastante direta (adulta), então se você não está acostumado ou não gosta desse tipo de história, melhor não ser sua opção de leitura (se podemos evitar problematizações, né!). Me pareceu seguir a linha dos 50 Tons de Cinza, que na verdade, só conheço o filme. Inicialmente uma atração sexual que se transforma em amor? Pode ser! Ótima leitura, até a próxima!


PARA BAIXAR "DE REPENTE... CASADOS" NA AMAZON CLIQUE AQUI!

RESENHA ESCRITA POR: GREISI SILVA

28 anos, administradora e artesã nas horas vagas, apaixonada por leitura e artes, não vivo sem música, poesia e cinema. Descobri que viajar é preciso e comer pipoca é fundamental para se ter boas ideias.

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

RESENHA DO LEITOR: CRÔNICA DA CASA ASSASSINADA

SINOPSE: Em 1959, um romance abalava o meio literário brasileiro, inovando tanto na sua estrutura narrativa quanto no aprofundamento ideológico e estilístico. Seu autor, Lúcio Cardoso, um mineiro radicado no Rio de Janeiro, ganhou fama de maldito. O livro, Crônica da casa assassinada, tornou-se um clássico da literatura nacional e agora, 40 anos após o seu lançamento, recebe uma edição comemorativa, resgatando o texto original e com apresentação do crítico literário André Seffrin. Este livro é a história de uma família em franca derrocada social e moral. Uma história que somente é conhecida pelo relato de seus próprios personagens, por meio de cartas, diários, memórias, confissões, depoimentos, e cujos temas centrais são o adultério e o incesto, a loucura e a decadência. Numa linguagem altamente metafórica, monta-se um esquema estruturalmente complexo, no qual verdade e mentira chegam aos limites do paroxismo. Em 1971, Crônica da casa assassinada foi adaptado para o cinema por Paulo César Saraceni, que também filmou Porto das Caixas (1961), baseado em outra história de Lúcio e no romance inacabado O viajante (1998).


"Que é o para sempre senão o existir contínuo e líquido de tudo aquilo que é liberto da contingência, que se transforma, evolui e deságua sem cessar em praias de sensações também mutáveis." 

Ainda em choque com esse livro! Emocionante e surpreendente, repleto de drama, tragédias e revelações inimagináveis. Lançada pela Editora Nova Fronteira, a obra foi escolhida para iniciar a publicação de todos os livros de Lúcio Cardoso, escritor mineiro. O romance foi publicado originalmente em 1973 e acompanha a derrocada da família Meneses, a qual faz parte da aristocracia mineira, cuja reputação, antes inabalável, agora padece de tristes e dramáticos episódios, cada vez mais frequentes, além da falência financeira. Na chácara dos Meneses, onde tudo acontece, cada paisagem, jardim, paredes, tem a alma de seus habitantes e em seus habitantes vive cada pedaço de terra e cimento daquele lugar. Um drama psicológico, onde cada personagem guarda em si segredos e emoções perigosas, que ferem a moral e os costumes da época, assim como deixam perplexo o leitor com a possibilidade de um romance incestuoso. É através de cartas, confissões e diários das personagens que conhecemos a história dos Meneses e de Nina (a protagonista).



Os irmãos Meneses (Demétrio, Timóteo e Valdo), Nina, André, Betty, Ana, Alberto, assim como o farmacêutico, o médico e o Pároco da cidade, formam o elenco de uma trama repleta de questões morais, preconceitos sociais, relacionamentos problemáticos e inusitados, inveja e paixões secretas. Cada capítulo traz a narrativa de uma personagem, seu ponto de vista, aspirações e sentimentos acerca de acontecimentos e pessoas da família. Nina, que vive no Rio de Janeiro, casa-se com Valdo e com ele vai morar na chácara dos Meneses, no sul de Minas. De espírito livre e costumes peculiares, Nina não acostuma-se a quietude e monotonia do lugar. Além disso, não é aceita por Demétrio, irmão mais velho e guardião da reputação e moral dos Meneses. Com Timóteo, ao contrário, Nina trava uma bela amizade, haja vista que este, também de espírito livre e declaradamente homossexual, encontra nela uma aliada, capaz de compreendê-lo e ajudá-lo a levar uma vida menos angustiante, já que vive preso em seu quarto.


Nina, talvez por tédio, talvez por amor, inicia um romance com o jardineiro Alberto, e a partir daí, uma sequência de acontecimentos provoca na família separações, tentativas de suicídio e outras tragédias. Mas calma, antes de rotularmos Nina como "traidora" e "vilã", é necessário que se leve em consideração as ações de Ana, esposa de Demétrio, figura intrigante, movida pela inveja e despeito por Nina, capaz das atitudes mais vis. Ana, assim como Nina, apaixona-se por Alberto, mas não sendo correspondida mergulha num estado depressivo, capaz de transformá-la profundamente, a ponto de torná-la irreconhecível. Após descobrir-se grávida, Nina decide partir para o Rio de Janeiro, deixando para trás marido e amante, o que provoca terríveis consequências. Ana, apesar de satisfeita com a partida de Nina, decide ir atrás desta, afim de trazer consigo a criança que Nina espera, herdeira dos Meneses, para que seja criada pela família. Após meses, retorna com o filho de Nina, ao qual dão o nome de André. Anos depois, Nina decide retornar à chácara e encontra pela primeira vez seu filho André, agora rapaz formado. No mais, tudo parece igual, a casa, os jardins e principalmente os habitantes do lugar. A partir desse encontro há uma transformação nas relações e a família nunca mais será a mesma.


O livro inicia-se pelo capítulo final do diário de André. Somente a partir dos capítulos seguintes é que se começa realmente a entender a trama e todos os seus enlaces, dramas e tragédias. Esta é uma obra forte, impactante, um soco no estômago dos leitores mais sensíveis. A escrita é um detalhe à parte, repleta de poesia, sentimento e calor. Até o último capítulo e principalmente nele, temos revelações chocantes, capazes de mudar nossa opinião sobre certas personagens e mudar também o rumo da história da família. Um ambiente sufocante, angustiante e perturbador. A chácara dos Meneses é quase uma entidade viva, impregnada dos sentimentos e energias irradiados por seus moradores. Por favor, leiam!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.