sexta-feira, 26 de agosto de 2016

ENTREVISTA COM JULIANNA RIODERGUZ, AUTORA DE NÃO FOI SUICÍDIO

SINOPSE: Belina vê sua vida virar do avesso ao presenciar um suicídio. Frio, rápido e sem explicação. Uma jovem se joga do topo de um prédio, tendo seu corpo perfurado pelos cacos de vidro da calçada. Ninguém entende como uma jovem no auge de sua vida era capaz de cometer o ato. Mas o que aparentava ser um mero suicídio, se revelou maior do que isso. Belina se vê diante de um assassino de força sobre-humana, capaz de levar a mente de suas jovens vítimas à loucura, torturando-as profundamente em sua psique. Agora, ela deverá correr contra o tempo para descobrir como parar o temeroso assassino e seu cão maldito, antes que seja tarde.


Como surgiu a ideia de escrever “Não foi Suicídio”? Veio de um sonho muito inusitado que tive, lá em 2013. No sonho, uma garota se jogava da janela de um prédio e caía em cima dos cacos de vidro. Quando isso aconteceu, apareceu um jornal atrás de mim, anunciando a manchete sobre o suicídio, com a data do dia seguinte. Foi uma loucura! HAHAHA. Fiquei perturbada com aquela imagem na cabeça e resolvi escrever um conto sobre aquela cena. Meses depois, peguei aquele conto e o transformei em livro.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Uns nove meses, se não me engano. Era um conto de duas páginas e quando eu resolvi ressuscitar a ideia (quase dois anos depois), pretendia fazer apenas um conto um pouco maior. Mas as ideias foram surgindo e quando me dei conta, tinha um livro em mãos.

O que o leitor pode esperar de “Não foi Suicídio”? Pode esperar um livro cujo prato principal é o mistério, com um bom acompanhamento de segredos, suicídios e um tempero de fantasia. O livro se passa totalmente no Brasil, em uma região metropolitana inventada, onde os personagens irão de Solitude, até uma cidade chamada Santo Ceifeiro (pasmem), para desvendarem os misteriosos suicídios que estão acontecendo. É um livro onde cada final de capítulo o deixará mais curioso para o próximo, onde os mistérios se intensificam até te fazer perder o fôlego (meus leitores disseram, então podem confiar! HAHA).

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Tenho um gosto literário bem variado, e cada autor me influencia de alguma maneira. Atualmente, tenho lido bastante as obras do Marcus Polidori (que também se encontra no Wattpad), Florbela Espanca, Lispector, e alguns autores do gênero policial/ terror. A cada momento, eu mudo meus queridinhos, pois eu mesma estou em constante mudança comigo mesma. Cada livro acrescenta muito em mim e me inspiram de formas inimagináveis.

Se “Não foi Suicídio” pudesse ter uma trilha sonora, qual música você escolheria? A música tema do filme Psicose! HAHAHA. É a melhor pedida para os momentos de tensão do livro. 
Você segue carreira apenas como escritora ou tem outra profissão? Tenho sim. Apesar da escrita ser minha maior paixão, ainda não vivo profissionalmente de meus livros. Sou formada em Administração de Empresas e sigo a carreira nessa área. 

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Nunca desista daquilo que faz você feliz. Se tem um sonho, batalhe por ele, para que o mesmo deixe de ser apenas um sonho, e comece a ser a sua realidade. Gostaria também de agradecer a oportunidade e a atenção de cada um de vocês. Espero que tenham se interessado pelo livro – ainda está disponibilizado no Wattpad, então corre lá e comece a ler agora mesmo.

Julianna Rioderguz tem 19 anos e é de Sumaré - SP.

PARA LER "NÃO FOI SUICÍDIO" CLIQUE AQUI!


  

Um comentário:

  1. Oii, Rodrigo! Eu tinha lido e divulgado, mas hoje fazendo a limpa no meu email, resolvi vir aqui novamente, e vi que não tinha comentado ainda.
    Que coisa feia, rs.

    Muito obrigada, novamente, pelo apoio! Adorei fazer essa entrevista para você, e vou divulgar novamente, pois hoje é um novo dia, hehe.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook: