terça-feira, 23 de agosto de 2016

RESENHA: ÁGUA PARA ELEFANTES

SINOPSE: Desde que perdeu sua esposa, Jacob Jankowski vive numa casa de repouso, cercado por senhoras simpáticas, enfermeiras solícitas e fantasmas do passado. Por 70 anos Jacob guardou um segredo. Ele nunca falou a ninguém sobre os anos de sua juventude em que trabalhou no circo. Até agora. Aos 23 anos, Jacob era um estudante de veterinária. Mas sua sorte muda quando seus pais morrem num acidente de carro. Órfão, sem dinheiro e sem ter para onde ir, ele deixa a faculdade antes de prestar os exames finais e acaba pulando em um trem em movimento - o Esquadrão Voador do circo Irmãos Benzini, o Maior Espetáculo da Terra. Admitido para cuidar dos animais, Jacob sofrerá nas mãos do Tio Al, o empresário tirano do circo, e de August, o ora encantador, ora intratável chefe do setor dos animais. É também sob as lonas dos Irmãos Benzini que Jacob vai se apaixonar duas vezes: primeiro por Marlena, a bela estrela do número dos cavalos e esposa de August, e depois por Rosie, a elefanta aparentemente estúpida que deveria ser a salvação do circo. 

Senhoras e Senhores, chega por aqui o maior espetáculo da terra, o Circo dos Irmãos Benzini!!! Este é o primeiro romance da escritora canadense Sara Gruen publicado no Brasil. A história tem início quando Jacob Jankowski perde sua amada esposa, decide jamais falar sobre seu passado. Com 90 ou 93 anos de idade– nem ele mesmo se recorda –, o velho é deixado pelos filhos em uma casa de repouso. A história é narrada pelo próprio Jacob, que fala sobre sua monótona vida na casa de repouso, desde as comidas que serve ao seu dormitório. Mas, a chegada de um circo a cidade faz com que ele se recorde do passado e juventude em que viveu os melhores e piores momentos de sua vida.


Narrada entre passado e presente. É como se você sentisse dentro de um circo, mas o circo não pudesse te ver. O circo é a verdadeira casa do protagonista, foi lá que ele descobriu que todo o encanto do circo é uma ilusão aos olhos de quem vê, que nos bastidores das lonas existe muita crueldade, desde aos maus tratos a animais a inimizades. Mas foi lá que ele formou grandes amizades, onde pessoas se ajudam mutuamente e onde descobriu o grande amor da sua vida. Os bastidores dos circos norte-americanos da primeira metade do século XX contavam com grandes animais, trapezistas, palhaços e pessoas incomuns (mulher barbada, pessoas extremamente obesas, anões, etc). O circo era extremamente diferente na época: as pessoas era consideradas aberrações, trabalhadores eram tratados em regime análogo a escravidão, animais eram desrespeitados, etc. Hoje existem diversas leis que impedem tais tratamentos e a própria humanidade evoluiu de certa forma, repudiando certas atitudes.

Jacob é um cara muito bonzinho, extremamente do bem, com uma grande noção de moralidade. Ele é um estudante de veterinária de Cornell. Filho de imigrantes poloneses, segue a profissão do pai e pretende trabalhar com ele quando se formar. Com 20 e poucos anos, é um sujeito que só se preocupa com as coisas típicas da idade: perder a virgindade (considera-se o virgem mais velho do mundo) e estudar. Com relação a virgindade, não é nenhum desesperado. Não aceita a oferta dos amigos da faculdade, que pagaram para que uma mulher fizesse sexo com todos eles. Essa questão da virgindade é colocada como uma questão da idade, mas não é uma preocupação central na vida do protagonista. Ele é um estudante comum. Começa a demonstrar interesse por uma colega de classe, imagina um possível romance com ela. E parece que ela está até correspondendo, mas então a vida como Jacob conhece deixa de existir: seus pais morrem em um terrível acidente de carro. A partir desse momento, a vida de Jacob se quebra. Ele não consegue concluir as provas finais da faculdade.  Ele não tem dinheiro (o pai refinanciou sua casa para pagar a faculdade). Ele perdeu a casa e a clínica veterinária do pai para o banco. A crise financeira dos anos 30 afetou toda a classe média da época e o pai de Jacob não podia ver os animais sofrerem, então aceitava tratá-los de graça ou recebendo legumes como pagamento.

Jacob sai sem rumo por aí, anda até os pés machucarem. Quando entra em um trem que estava passando. Este trem é nada mais nada menos que o Esquadrão Voador do Circo Benzini, O Maior Espetáculo da Terra. Ele iria ser arremessado para fora do trem, logo que foi descoberto, mas Camel interveio a seu favor. E Jacob dá uma lição de amizade e gratidão, nunca esquecendo o que esse amigo fez por ele. Apesar de ser bonzinho, Jacob não é ingênuo. Ele se adapta logo ao circo, faz amizades e suas habilidades logo são observadas. Ele começa como trabalhador braçal. Depois, graças a sua boa aparência e porte físico, vai trabalhar com o público. Atua como guarda-costas de uma stripper, em um dos espetáculos do circo (um show em que Barbara, uma voluptuosa dançarina, fica seminua e faz uma dança erótica, recebendo depois alguns homens em seu camarim).

Os espetáculos circenses da primeira metade do século XX eram bem diferentes. Havia uma tenda principal, onde ocorriam as principais atrações. E também havia as tendas diversas, em que diversas atrações ocorriam pouco antes do espetáculo principal. Animais eram expostos em jaulas apertadas e as crianças davam doces para eles. Havia shows para homens (as strippers), barracas de doces e limonada, pessoas sendo exibidas como aberrações. Numa noite em que estava completamente bêbado, Jacob ficou caído quando Barbara e uma amiga tentam fazer sexo com ele. Tomado pela bebida e sem entender o que está acontecendo, Jacob não tem uma ereção e vomita na amiga de Barbara. Kinko, anão que depois vira amigo de Jacob, se junta às mulheres e depila as partes íntimas de Jacob, o veste com roupas de palhaço e o coloca em um baú. Jacob sente-se extremamente culpado e não lembra exatamente o que aconteceu. Na primeira oportunidade, quer procurar uma Igreja para se confessar. Ele sente que cometeu uma depravação. Ele realmente sente-se mal, apesar de ter ficado excitado com Barbara durante sua apresentação (quando atuou como guarda-costas). Essa é uma parte bem curiosa do livro.

Jacob depois é aceito para cuidar dos animais, onde é submetido a humilhações e sofrimentos constantes. Mas, apesar das humilhações, conhece Marlena, a principal estrela do circo, por quem se apaixona perdidamente. Vários circos fecharam as portas por causa da crise financeira de 1929 – ano em que se passa a história – então Tio Al, dono do circo, resolve adquirir uma elefanta para fazer parte da trupe e que deveria ser a última tentativa de salvação para o circo, mas ela parece ser um animal inútil, já que aparentemente não consegue fazer nenhum truque. Com isso, Jacob e Rosie – a elefanta – criam um grande laço de amor e amizade, onde ele está disposto a tudo para defendê-la.

Marlena é uma personagem muito forte.  August não a agride fisicamente (quando isso acontece, é a gota d’água pra ela) e faz algumas ameaças psicológicas, atribuídas a um problema de August (que a gente subentende que ele seja bipolar ou algo assim). Marlena tem um profundo amor pelos animais, então para ela ter um bom relacionamento com August significa manter tudo em harmonia, para que os animais fiquem bem. O que existe entre Marlena e Jacob fica mais forte com a chegada de Rosie. Inicialmente, Jacob não fica com Marlena porque isso vai contra os princípios morais de ambos. Mas o interesse mútuo é bem evidente, desde o início.

Depois de August colocar a vida de Marlena em risco por causa de seu desespero de colocar Rosie em um grande número, Grady que é polonês assim como Jacob descobre que a elefanta não é burra: apenas que ela só obedece a ordens em polonês. Jacob então salva o número artístico da elefanta, cai mais uma vez nas graças de August. O circo vive bons momentos com o sucesso do show de Rosie. Numa discussão entre August e Marlena, porque August acredita que ela e Jacob estão tendo um caso, Marlena é agredida e separa-se do marido e ela e Jacob finalmente se entregam à paixão.

No romance, dá para perceber que temos dois grupos bem definidos: o Bem e o Mal. No núcleo do bem temos principalmente Jacob, Marlena, Earl, Camel, Valter (ou Kinko), Barbara e Grady. E no núcleo do mal temos principalmente Tio Al, August e Blackie. Esse último é um trabalhador braçal, que age a mando dos dois primeiros. A principal função dele é jogar pessoas para fora do trem. As pessoas jogadas para fora do trem são trabalhadores braçais muito velhos e que não estão produzindo como antes, baderneiros ou qualquer outra pessoa que questione as atitudes de Tio Al.

O circo vai ficando cada vez mais pobre devido ao momento ruim da economia e Blackie tem jogado muitos trabalhadores para fora do trem. Tio Al pressiona Jacob para que convença Marlena a ficar com August. Jacob teme pelos seus amigos (Camel está muito doente, envenenado por bebida adulterada) e ao mesmo tempo quer vingar-se de August. Em uma noite, dois de seus amigos são jogados do trem. Jacob sabe que será o próximo, ouve conselhos de Earl para fugir na próxima parada, mas ele não quer sair sem Marlena. Alguns trabalhadores que foram jogados do trem acabaram sobrevivendo e decidem voltar para tocar o terror, soltando todos os animais da jaula. No meio dessa confusão, August acaba sendo morto por Rosie. Jacob vê tudo, mas nunca conta para Marlena porque quer que ela acredite que Rosie é uma boa elefanta. O casal também consegue salvar alguns animais do circo, incluindo Rosie. Eles entram para o circo rival, onde trabalham por alguns anos. Depois aposentam-se do circo para ter uma vida mais tranquila, em que Jacob passa a trabalhar como veterinário em um zoológico. 

Este é um livro pequeno e rápido de se ler. É o tipo de romance que chega aos extremos: uma história de amor delicada, sexy e entusiasmante, mas de repente dá uma virada se torna cruel e desumano com os personagens. Velhice e juventude, amor e ódio, piedade e crueldade, mas é esse equilíbrio que faz com que Água Para Elefantes seja tão bom e envolvente. A autora também tem muita sensibilidade ao tratar as questões da velhice, que é o presente do Jacob e fez uma grande pesquisa para construir esse livro, já que ele se passa em meio à crise de 1929 onde as pessoas se endividavam e chegavam a perder tudo o que tinham. Ela também se preocupou em estudar a história dos circos nos Estados Unidos e como era a vida dos elefantes neste ambiente há cerca de 70 anos atrás, e é isso que faz com que esse livro tenha uma riqueza tão grande de detalhes.

O livro foi adaptado para o cinema, estrelado pelos atores Reese Witherspoon e Robert Pattinson nos papéis principais, mas não é tão detalhado quanto o livro. Muitos elementos importantes do livro são retirados, principalmente a grandiosidade do circo descrito no livro, onde ele é enorme e imponente, mas no filme é retratado com grande simplicidade, sendo rebaixado a uma lona e uma pequena arquibancada. Uma curiosidade é que Reese Witherspoon disse que as cenas de beijo com o Robert Pattison foram uma experiência bem “asquerosa”. Segundo contou, durante as cenas de beijo entre eles, Pattinson estava resfriado, o que não deixou Witherspoon nada confortável para as filmagens. “Tudo que eu queria era não pegar resfriado, ele estava realmente doente, e isso não foi nada atraente. Rob provavelmente foi o pior ator com quem eu tive que filmar uma cena de sexo. Devo dizer que é um pouco decepcionante. Fiquei desapontada. Não era sexy. Ele estava literalmente bufando e bufando a cada segundo da cena e não era atraente. Era nojento, repugnante - Eu não estou brincando!”, disse a atriz, na coletiva de imprensa do filme “Água para Elefantes”, em Los Angeles. Pattinson, que estava ao seu lado durante a coletiva, riu durante a declaração de Witherspoon e concordou com tudo que ela disse, mas revelou que a atriz sempre pulverizava todo o set de filmagem com spray antibacteriano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: