segunda-feira, 1 de agosto de 2016

RESENHA: BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR

SINOPSE: Uma nova visão de tirar o fôlego de um conto lendário. Branca de Neve é a única pessoa na terra mais justa do que a Rainha má que pretende destruí-la. Mas o que a perversa Rainha nunca imaginou é que a jovem que ameaça seu reinado vem treinando na arte da guerra com um caçador que foi enviado para matá-la.


Há dez anos, a vingativa Rainha Ravenna assassinou o rei na mesma noite em que se casara com ele. No entanto, dominar o reino tornou-se um sofrimento para a Rainha. Para salvar seus poderes, ela deve devorar um coração puro, e Branca de Neve é a única pessoa com esse coração. A fim de capturá-la, Ravenna recorre ao Caçador, o único homem que já se aventurou pela Floresta Sombria e sobreviveu. Branca de Neve será morta pelo Caçador? Ou será treinada por ele e se tornará a melhor guerreira que o reino já conheceu? Depois de dez anos trancada em uma torre, vendo moças serem levadas para a rainha e nunca mais regressarem, Branca de Neve encontra o melhor presente de aniversário: uma brecha para a liberdade. Seu ódio por Ravenna é correspondido em todo o reino desde a noite em que seu pai foi morto e descoroado, fazendo o exército da nova rainha, feito de estilhaços negros, espalhar sangue e terror pelos vilarejos, sem contar a morte de quase todo o ser vivo. Depois de conseguir fugir para a tão temida Floresta Sombria, Branca "convence" o caçador Eric a ajudá-la. Ambos então começam uma jornada que exigirá muita força de vontade e lealdade enquanto fogem dos soldados e tentam sair sem cair nos truques da Floresta ou na influência que a rainha exerce em todos os lugares. O objetivo de Branca é chegar ao reino de seu amigo de infância, William, enquanto o Caçador apenas tenta esquecer a dor de perder a falecida esposa, Rose.


Esse é mais um caso que o filme saiu primeiro que o livro. Mesmo sendo baseado no filme, o livro apresenta muitas cenas extras. A narrativa se atenta aos detalhes, fazendo imaginar com clareza os mais diversos cenários. 


Branca de Neve possui bravura e seguia em frente sem pensar duas vezes. O Caçador (Eric no livro, cujo nome não é citado no filme) tem uma personalidade muito bem definida. Depois de ter perdido a esposa para a rainha, Eric não sentia mais vontade de viver e tentava diminuir a dor mergulhando-se em bebidas. Ele teve um bom coração e superou a tentação do suposto "prêmio" que a rainha lhe ofereceu, caso capturasse Branca de Neve. William, o amigo de infância, não fez praticamente nada e Finn, irmão de Ravenna, apenas levava moças para rainha absorver toda sua juventude. Agora a vilã foi bem construída: Ravenna. Desde a infância turbulenta, Ravenna nunca mais foi a mesma. Focada em sempre ser a mais bela e jovem de todas, conseguiu dominar o reino provando não ser só vaidade, mas também inteligência. Os anões não têm a mesma graça e sutileza que percebi no filme, aqui os sentimos como meros coadjuvantes.


A história muda apenas alguns detalhes do filme, mas isso ajuda o leitor a não se perder e não fez nenhuma diferença do desenrolar da trama.  As falas foram mantidas, as cenas são as mesmas, o cenário foi bem descrito e o romance está um pouco - mas só um pouco - mais evidente. O livro também conseguiu tapar alguns buracos que o filme deixou, principalmente a relação entre a rainha Ravenna e seu irmão e protetor. Eles tem uma ligação forte e muito importante. E isso é explicado no livro. Algumas poucas coisas ganham um acréscimo aqui e ali no livro, mas nada que mereça um grande destaque. O final fica mais claro do que no filme. O levantamento mais forte do livro é a questão de que: Uma pessoa nasce mau ou ela se torna cruel com a vida? Um livro que você lê sem pensar muito, apenas para passar o tempo, com mais uma versão moderna do clássico conto.
O filme recebeu 2 indicações ao Oscar, de Melhores Efeitos Visuais e Melhor Figurino, e arrecadou bons US$ 400 milhões mundialmenteVisando uma potencial franquia, o estúdio decidiu demitir o diretor Rupert Sanders e a atriz Kristen Stewart, que trouxeram marketing negativo ao serem flagrados traindo seus respectivos parceiros durante os bastidores da produção. 


Considerando que o Caçador e a Branca de Neve eram os protagonistas e a garota, ainda por cima, deveria ser a nova comandante do reino onde se passa a aventura, fica claro que os roteiristas teriam um problema: Como fazer uma continuação, sem mostrar alguém tão importante? Pois é, essa é uma pergunta que a continuação: O Caçador e Rainha do Gelo não conseguiu responder. O filme cita Branca de Neve, a mostra de costas, em cenas do primeiro filme, dá desculpas esfarrapadas, muda a trama para o norte gelado e, mesmo assim, a ausência da protagonista do primeiro fica estranha. Na trama, o caçador Eric (Chris Hemsworth) tem sua origem contada, e ao mesmo tempo precisa impedir, anos depois da derrota de Ravenna (Charlize Theron), que o espelho mágico caia em mãos erradas. Mas avaliando os filmes, os dois estão no mesmo nível, embora o segundo tenha arrancado mais risadas dos espectadores na sala de cinema e tenha mais ação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: