quinta-feira, 25 de agosto de 2016

RESENHA: ENDERS

SINOPSE: Depois que a Prime Destinations foi demolida, Callie pensou que teria paz para viver ao lado do irmão, Tyler, e do amigo, Michael. O banco de corpos foi destruído para sempre, e Callie nunca mais terá de alugar-se para os abomináveis Enders. No entanto, ela e Michael têm o chip implantado no cérebro e podem ser controlados. Além disso, o Velho ainda se comunica com Callie. O pesadelo não terminou. Agora, Callie procura uma maneira de remover o chip – isso pode custar sua vida, mas vai silenciar a voz que fala em sua mente. Se continuar sob o domínio dos Enders, Callie estará constantemente sujeita a fazer o que não quer, inclusive contra as pessoas que mais ama. Callie tem pouco tempo. Obstinada por descobrir quem é de fato o Velho e desejando, mais que tudo, uma vida normal para si e para o irmão, ela vai lutar pela verdade. Custe o que custar.


Ao final do Livro 1 a autora deixou um gancho gigantesco para o Livro 2, sinalizando que a protagonista Callie não estava lá tão segura quanto ela imaginava e que a destruição do prédio da Prime Destinations – empresa que alugava secretamente os corpos de Starters para Enders – não significava o encerramento das atividades realizadas lá, nem muito menos a derrota de seu presidente, o Velho. Aterrorizada pela constante voz em sua cabeça, Callie precisa fazer algo para se certificar de que o Velho não volte a controla-la ou fazer mal a outros Starters. Além das ameaças e provocações do Velho em sua cabeça, Callie também ouvia a voz de seu falecido pai, o que não deveria ser possível, deixando-a ainda mais perturbada. Após a explosão que matou uma Starter dentro de um shopping, quase na sua frente, Callie sabia que se continuasse ignorando o Velho em sua cabeça coisas piores poderiam acontecer, e o pior, os próximos alvos poderiam ser Michael e até mesmo Tyler, seu irmãozinho. Então pressentindo a ameaça à flor da pele, Callie concordou em se encontrar com o Velho, desconfiando de que seu objetivo obviamente fosse fazer uso do chip em sua cabeça, o único chip alterado capaz de matar. Ao invés do Velho, quem lhe encontrou primeiro foi Hyden, um Starter desconhecido que praticamente sequestra Callie com o objetivo de salvá-la do Velho. De início esse personagem inusitado causa muita desconfiança, mas aos poucos vai ganhando a confiança da Callie ao passo que revela coisas sobre si mesmo e sobre a Prime Destinations. E é aí que a aventura começa! Callie desvenda muitos outros mistérios sobre o projeto dos chips, o controle dos Starters e os verdadeiros planos do Velho, em uma correria frenética para fugir e tentar salvar outros Starters que possuem chips – chamados de “Metais” – do controle do Velho. Starters foi muito bem recebido pela crítica e é um bom livro, apesar de ter muitas coisas que não tiveram explicações ou que ficaram muito vagas me fez criar altas expectativas para ler a continuação  já que eu precisava ter minhas respostas. Enders é a continuação tão esperada de Starters, mas não trouxe todas as respostas e me decepcionou em alguns aspectos.



A narrativa - assim como em Starters - está em primeira pessoa e a autora conduz a obra magistralmente, fazendo com que o leitor nem perceba que já se foram: dez, vinte, trinta páginas, mas os defeitos do livro chamam mais atenção do que as qualidades. Logo no princípio de Enders, vemos uma narrativa arrastada, vagarosa, lenta e isso só vem a modificar quando o personagem Hyden aparece, ele é uma verdadeira revelação nesse livro e aparentemente todas as pontas soltas vão de encontro com este personagem. Lissa Price fez de Hyden um coringa – ponto positivo –, mas tal ato fez com que a mocinha Callie se tornasse extremamente insignificante e até mesmo tola e cheia de conflitos sentimentais que não deveriam existir dadas as situações extremas a qual estava envolvida. Michael aparece nesse segundo livro quase como uma participação especial e age como uma criança imatura, coisa que não aconteceu no primeiro livro. O irmão de Callie, Tyler, também aparece no livro, mas simplesmente para ser jogado de lado por sua irmã, que ironicamente diz amá-lo mais que a tudo, mas simplesmente acaba sempre o colocando aos cuidados de terceiros.


Um novo romance nasce em Enders. Não é algo ruim, mas é totalmente desnecessário. Se nem tivesse a possibilidade de um romance aqui, teria sido mais crível do que o romance instantâneo que surge entre Callie e Hyden. Não dá nem para ver se está rolando alguma tensão e interesse entre eles, e de repente eles já estão se beijando. E também me pareceu que enquanto a trama era escrita, a autora simplesmente se esqueceu de alguns personagens, lembrando-se deles no final e colocando-os ali só para não dizer que eles desapareceram misteriosamente.  Não acho que a autora conseguiu trabalhar Callie muito bem nesse livro. Talvez não gostei de Hyden porque ele ocupou o lugar de Blake, mas ele era legal. Michael praticamente não existia, não deram muito destaque a ele, deixando-o um pouco de lado, o que pareceu que o personagem estava ali só para enfeitar. 


A escrita de Lissa Price é fantástica, flui super fácil, mas ouve uma visível diferença entre o primeiro e o segundo livro, e não no bom sentido, já que ela eliminou quase todos os personagens principais do primeiro livro, focando apenas em Hyden ,Callie e o Velho, que se mostrou bastante ativos em Enders, mas de uma forma destorcida e forçada, fantasioso demais, até mesmo para uma distopia. Infelizmente o enredo não me convenceu, o fim foi inesperado e isso foi bem legal após uma leitura tão monótona. O vilão foi desmascarado rapidamente e o modo como tudo terminou foi totalmente decepcionante, o que salvou foi o último parágrafo do livro. Deu a impressão de que a autora quis terminar o livro o mais rápido possível, fazendo uma trama até mesmo fraca comparada com a do livro anterior. Ela tentou facilitar muito as coisas para os personagens, o que não me deixou acreditar na história. Pareceu fim de novela que o autor deixar tudo pra acontecer de ultima hora e acaba esquecendo de explicar/descrever algumas ou varias partes! Mas devo admitir que teve umas revelações muito bombásticas principalmente no que diz respeito a Hyden e o Velho e que gostei de algumas partes do livro. Enders foi decepcionante porque a autora perdeu o potencial da história. Mas leia, é um bom livro para quem gosta do gênero. Só não vá com tanta expectativa.


PS: Não gostei dessa capa, aquele cara ficou tão esquisito. Tentaram seguir o padrão da capa anterior, mas enquanto a mocinha em Starters ficou bem legal, esse cara estranho em Enders ficou bem zoado. 

2 comentários:

  1. Olá!
    Compartilho da mesma opinião quanto à questão que Lissa deixou a desejar neste último livro. Quando li "Starters" pensei: nossa, que livro fantástico, uma história incrível e uma escrita igualmente maravilhosa!, mas achei o "Enders" bem decepcionante comparado ao primeiro livro.

    Amei a resenha, achei bem construída e coerente, por isso estou seguindo o blog. Se puder contribuir, segue o meu de volta. Mas só se gostar.

    Um abraço.
    EU SOU UM POUCO DE CADA LIVRO QUE LI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por nos seguir e por ter gostado da resenha, achei que só eu não tinha curtido Enders rs. A maioria das críticas que li foram elogiando o livro e dizendo que era melhor do que Starters. Gostei do seu blog também, parabéns!!! Seguindo!!!

      Excluir

Comente com o Facebook: