sexta-feira, 5 de agosto de 2016

RESENHA: O MELHOR DE MIM

SINOPSE: Na primavera de 1984, os estudantes Amanda Collier e Dawson Cole se apaixonaram perdidamente. Embora vivessem em mundos muito diferentes, o amor que sentiam um pelo outro parecia forte o bastante para desafiar todas as convenções de Oriental, a pequena cidade em que moravam. Nascido em uma família de criminosos, o solitário Dawson acreditava que seu sentimento por Amanda lhe daria a força necessária para fugir do destino sombrio que parecia traçado para ele. Ela, uma garota bonita e de família tradicional, que sonhava entrar para uma universidade de renome, via no namorado um porto seguro para toda a sua paixão e seu espírito livre. Infelizmente, quando o verão do último ano de escola chegou ao fim, a realidade os separou de maneira cruel e implacável. Vinte e cinco anos depois, eles estão de volta a Oriental para o velório de Tuck Hostetler, o homem que um dia abrigou Dawson, acobertou o namoro do casal e acabou se tornando o melhor amigo dos dois.


Quando alguém resolve ler um livro do Nicholas Sparks, já o pega (ou deveria) ciente de algumas coisas que geralmente tem em todas as suas histórias. O livro teve um início bem lento para mim, pois além de ser narrado em terceira pessoa, inicialmente continha muitos flashbacks. A sensação de ouvir uma história ao invés de viver ela fez com que eu demorasse a me identificar com os personagens, principalmente porque eles são bem mais velhos do que eu. Após cerca de metade do livro, a situação já havia mudado e torcia para ver um final feliz, ao mesmo tempo em que temia o rumo que a trama tomaria, até porque estamos falando de Nicholas Sparks.

Dawson é um homem íntegro e apesar de ter uma família de criminosos e ter passado 4 anos na prisão, foi um dos personagens mais respeitadores que conheci. Cheio de fantasmas do passado, Dawson se torna obscuro, fechado, infeliz, contudo, íntegro e bom caráter, sem contar a decisão que toma no final do livro. Amanda, por sua vez, representa uma maioria ainda existente, das mulheres frágeis e submissas, seja em relação aos pais, ao namorado ou marido e filhos, que faz muitas escolhas erradas pela vida, com o relacionamento conturbado com a mãe, que tenta manipulá-la a todo momento. Em muitos, muitos momentos, Amanda questiona seu casamento que vai de mal a pior por conta da bebedeira de Frank, ele se tornou alcoólatra após a morte da filha e com isso o casamento de ambos está no limite. 


O amor dos dois permaneceu vivo em cada célula de seus corpos por mais de 25 anos, e quando falo isso, não é aquela paixão adolescente, não, é aquele sentimento que faz você tomar decisões contrárias a ele por ser o melhor para o outro. Sim, existe muita coisa clichê e momentos previsíveis, mas o reencontro dos dois foi perfeito, exatamente como Nicholas Sparks tem o dom de fazer. O amor entre eles é evidente! Eles foram destinados a ficar juntos, são almas gêmeas e a melhor coisa que poderia ter acontecido na vida um do outro, o que faz com o desfecho da história seja triste. Porém, uma ressalva que eu faço quanto aos personagens é que, juntos, (algumas vezes) eles agem como se ainda fossem adolescentes, principalmente Amanda. E um comportamento deste vindo de uma pessoa de 40 anos é meio forçado. 


Quem é um grande destaque no livro é Tuck, personagem que só aparece como memória, uma vez que ele já faleceu, mas que, ainda assim, nos faz admirá-lo. Ponto para o Sparks. A narrativa, aliás, é intercalada entre vários personagens, mas, principalmente entre Amanda e Dawson. Novamente o autor opta por conduzir a história em terceira pessoa. Apesar de já estar acostumada ao estilo do Nicholas, achei que a narração em terceira pessoa deixou a leitura arrastada, principalmente porque o autor sempre dá preferencia ao texto que aos diálogos em si. O Melhor de Mim ficou longe da minha lista de favoritos do Sparks, mas com certeza o livro leva o troféu de o mais reflexivo e o mais triste. Uma amiga até brincou que devia se chamar “O Pior de Mim” porque é só desgraça na vida do pobi do Dawson rs.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: