quinta-feira, 8 de setembro de 2016

ENTREVISTA COM RAFAEL SALES, AUTOR DE SILHUETAS NA PENUMBRA - RITOS DA CRIAÇÃO

SINOPSE: Uma guerra sobrenatural acontece há milênios e os peões dessa disputa secreta são os humanos, entretanto uma garota amaldiçoada no momento do seu nascimento poderá dar a fim a esse duelo. Elisa Adágio terá apenas duas escolhas: se entregar aos demônios e deixar que a prole profana de Anhaú tome seu corpo e acabe com a guerra ou permitir que os Celestes ceifem a sua vida. As criaturas do Reino da Ordem e do Reino do Caos não medirão esforços para encontrar a humana amaldiçoada colocando em risco todo o equilíbrio e o sigilo sobre suas existências. Elisa encontrará refugio em um grupo que não pertence a nenhum dos dois lados da balança.  O primeiro capítulo da Série "Silhuetas na Penumbra - Ritos da Criação" contará as histórias que antecedem os eventos na vida de Elisa,  como surgiu o Mundo Vivo, as dimensões e o inicio da guerra entre Celestes e demônios. "Agora de fato sei que meus sonhos nunca foram somente sonhos. Estou no meio de uma guerra milenar e sem fim apenas esperando para ver quais dos dois lados conseguem me destruir primeiro, enquanto temo qualquer silhueta na penumbra, mesmo que sejam somente devaneios de uma mente já cansada de fugir” - Elisa Adágio.


Como surgiu a ideia de escrever “Silhuetas na Penumbra – Ritos da Criação”? Desde muito pequeno procurei por maneiras de expressar meus pensamentos e ocupar meu tempo para fugir de problemas que uma criança não poderia resolver, tentei fazer algumas HQs e até conseguia desenvolver boa parte dos roteiros, mas sempre desistia na hora de desenhar os quadrinhos. Após conhecer livros com temáticas fantásticas escritos por brasileiros percebi que seria possível transformar essas histórias em livro. Rascunhei as primeiras ideias e gostei do exercício da escrita e da criação e nunca mais parei, mesmo disponibilizando o material somente agora tenho uma pasta com dezenas de premissas e trecos de roteiros rascunhados ao longo desses anos. O “Ritos da Criação” é consequência de um projeto idealizado há seis anos, na época o livro possuía outro nome e surgiu a partir de um sonho que tive, um pesadelo na real, acabei desenvolvendo o roteiro tendo isso como ponto de partida. Após vários acontecimentos, deixei o livro na gaveta e me foquei em outras coisas, agora decidi separar e preparar todo o material que havia pesquisado e criado e publicar online, dessa forma surgiu a série e o primeiro volume, “Ritos da Criação” que apresenta textos que explicam a criação de todas as coisas e criaturas presentes na série “Silhuetas na Penumbra”.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Lá em 2010, quando finalizei a primeira versão do livro, lembro de ter criado todo o enredo em apenas três meses, mas as lapidações levaram quase um ano, porém posso afirmar que toda a série já leva seis anos e ainda não está totalmente pronta, possui textos, contos e o primeiro volume da série parcialmente finalizado, mas quero trabalhar mais elementos na série e mais volumes, tudo depende da recepção do público.

O que o leitor pode esperar de “Silhuetas na Penumbra – Ritos da Criação”? Em “Ritos da Criação” o leitor encontrará uma visão diferente sobre a criação do mundo, uma concepção nova de anjos, chamados na série de Celestes, e também da mitologia Tupi e do Folclore Brasileiro. Tentei misturar da melhor forma esses dois universos e trazer para o leitor os nossos mitos e nossas raízes indígenas, lembrando sempre que é um roteiro de fantasia e alguns fatos podem ou não serem baseados na realidade.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? O primeiro livro que tive contato de Literatura Fantástica Nacional foi do autor André Vianco, “Sementes no Gelo”, desde então acompanho o trabalho dele e tenho grande admiração pelas obras, principalmente por “O Senhor da Chuva“ e pela sua jornada para se tornar o autor que é hoje. Sem dúvidas o Vianco me inspirou a escrever assim como os livros do Eduardo Spohr, pois a temática da minha série é bastante próxima aos livros escritos pelo Spohr.

Se “Silhuetas na Penumbra – Ritos da Criação” pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria? Sou grande fã da banda Epica e não deixaria de colocá-los na suposta trilha sonora: Unchain Utopia – Epica.
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Atualmente estou no último ano da graduação em Publicidade e atuo como Auxiliar Administrativo em uma Organização Social chamada Centro Comunitário Jardim Autódromo na Zona Sul de São Paulo, local que me faz crescer pessoalmente e profissionalmente e que contribui na prática da minha criatividade com os educandos da organização. 

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Independente do que aconteça em seus caminhos, nunca desistam dos seus sonhos e daquilo que realmente acreditam. Para qualquer coisa que vocês fizerem, encontrarão obstáculos, críticas nem sempre construtivas e muitos motivos para abandonar seus projetos ou planos, mas se apoie nas pequenas coisas, nas grandes demonstrações de carinho ao seu redor e vibre com as pequenas conquistas, pois a gratidão manterá o sonho vivo e a vontade de transpor as dificuldades nunca desaparecerá. Por fim agradeço pela oportunidade de divulgar meu trabalho e de me apresentar a vocês. Espero que gostem e acompanhem a série no Wattpad. Abraços!

Rafael Sales é paulista e tem 26 anos, possui contos e poemas publicados em algumas antologias. 

PARA LER "SILHUETAS NA PENUMBRA - RITOS DA CRIAÇÃO" CLIQUE AQUI!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: