quinta-feira, 15 de setembro de 2016

RESENHA: A QUINTA ONDA

SINOPSE: Depois da primeira onda, só restou a escuridão. Depois da segunda onda, somente os que tiveram sorte sobreviveram. Depois da terceira onda, somente os que não tiveram sorte sobreviveram. Depois da quarta onda, só há uma regra: não confie em ninguém. Agora inicia-se A QUINTA ONDA. No alvorecer da quinta onda, em um trecho isolado da rodovia, Cassie foge deles. Os seres que parecem humanos, que andam pelo campo matando qualquer um. Que dispersaram os últimos sobreviventes da Terra. Cassie acredita que, estar sozinho é estar vivo, até que conhece Evan Walker. Sedutor e misterioso, Evan Walker pode ser a única esperança de Cassie para resgatar seu irmão — ou até a si mesma. Mas Cassie deve escolher entre a esperança e o desespero, entre a rebeldia e a entrega, entre a vida e a morte. Entre desistir ou contra atacar.

Admito que só comprei esse livro para ler por causa do lançamento do filme. Tinha visto o trailer e história pareceu muito legal. Queria terminar de ler antes de estrear o filme e faltava exatamente um mês para isso acontecer. Como estava lendo outros livros, acabei deixando de lado e não cumprindo essa minha meta e vi o filme primeiro. Por fim resolvi começar a ler o livro e alguém me explica, por favor, porque demorei uma vida pra ler A 5ª Onda? Inicialmente, é um livro um pouco difícil de ler, ele é contado na terceira pessoa e quando muda a visão do personagem, você não sabe quem está contando e quando descobre, precisa reler para entender. Ao menos foi assim comigo. Só que valeu a pena. No começo fiquei um pouco entediado (talvez por ter visto o filme), mas depois o livro me prendeu (também pelas diferenças com relação ao filme).


Tudo começou de forma calma e sutil, despertando o interesse e a curiosidade de todos: grandes naves surgiram sobre a Terra, permanecendo ali, sem se saber o porquê. Mas uma das coisas que o livro começa ensinando, é que devemos esquecer tudo que achamos que sabemos sobre alienígenas. O mundo foi tomado pelo ”os outros” (que é como Cassie chama os alienígenas), em uma série de ondas. Na primeira onda, um pulso eletromagnético tira a eletricidade do planeta, já causando um grande estrago. Na segunda onda, ocorreram desastres como tsunamis, deslizamentos e etc. Na terceira onda, um vírus devastador toma conta, já dizimando mais da metade da população. A quarta onda foi a mais perigosa, pois seu objetivo era destruir a humanidade por dentro. Já não havia mais confiança entre os sobreviventes, quem era humano e quem não era? Os próprios humanos estavam se matando, porque tudo chegou ao ponto de, ou se mata, ou morre.


Cassie, não Cassie, de Cassandra, mas Cassie, de Cassiopeia, tem 16 anos e tem um único objetivo: resgatar seu irmão Sam, de 5 anos, que foi levado por um grupo do exército para uma base militar que se propõe a cuidar das crianças que sobreviveram às quatro primeiras ondas. Sozinha no mundo, Cassie não confia em ninguém, não dorme sem sua arma e sem Urso, o urso de pelúcia que seu irmão lhe deu para que ela não tivesse medo, e não pode confiar em ninguém.


O livro não é narrado só pela Cassie, o que deixa a coisa mais interessante, pois com isso, temos várias perspectivas das visões de outros personagens, mais cenários e isso ajuda o leitor a ficar com aquela dúvida sobre o que realmente está acontecendo e em quem confiar. De um lado da história, temos Cassie com o seu objetivo principal, que é encontrar seu irmão e durante essa jornada, não perder a humanidade dentro de si. Do outro lado temos Zumbi, ou como Cassie o chamava, Ben Parrish, seu eterno crush. O galã do ensino médio, por quem Cassie era completamente apaixonada, mas que no máximo, trocaram duas frases por anos. Algo bem explícito, é o amadurecimento dos personagens, em base de alguns flashbacks no início do livro, principalmente do Zumbi, que se tornou o melhor personagem da história, na minha opinião (sorry Cassie).


Ben, assim como Cassie perdeu toda sua família. E carrega o trauma de ter fugido correndo, quando devia ter ficado para ajudar sua irmã. Após a fuga, Ben é abrigado em um acampamento. Mas contraí a peste vermelha, doença que destrói o ser humano de dentro para fora, fazendo com que literalmente se chore lágrimas de sangue. Mas ao ser resgatado por um dos soldados do exército, consegue a milagrosa cura. Mas demora a voltar a parecer com um ser humano saudável, por sua aparência adoentada, recebe o apelido de Zumbi. Ele é mais um dos meninos, que são treinados para se tornarem soldados do batalhão do exército, para destruir os outros. E seu batalhão é composto por muitas crianças que assim como ele, não tem idade suficiente para lutarem. Mas o menor deles, não consegue nem ao menos segurar a pesada arma, muito menos atirar. Ele só tem cinco anos, e por ser muito pequeno e ainda dependente, ele o faz de seu protegido. O pequenino, se torna sua salvação e obrigação. E é também, o motivo por Cassie estar lutando para viver. Nugget é o irmão capturado de Cassie.


Ao longo do livro, alguns personagens aparecem deixando a historia cada vez mais intrigante e misteriosa. Eu gostei da protagonista e o melhor em Cassie foram suas imperfeições, ela não era muito boa com uma arma, não era a mais inteligente ou corajosa, era só uma garota normal fazendo o possível. E em alguns momentos tive de me perguntar se ela não era divergente, porque com certeza, o medo não assusta essa menina hahaha. Ele a move! A melhor parte do livro é quando a Cassie vai salvar seu irmão. Entrar no complexo, se disfarçar, encontrar Ben seu amor platônico de escola, encontrar seu irmão e ter que sair do complexo militar, toda a sequência é muito legal! Armas, bombas, reencontros, revelações... Tudo o que eu esperava do livro, encontrei no final dele. Sim, o início foi meio morto, mas é sempre assim, o início de uma história. Se eu já estou implorando pelo segundo? Demais.


Com relação ao filme, temos alguma diferenças: No filme, Cassie perde o ônibus que a levaria para Wright-Patterson, mas no livro Cassie é proibida de entrar no mesmo e acompanhar seu irmão. O tempo que a Cassie passou na casa do Evan é muito maior do que no livro, eles já haviam desenvolvido um romance e o personagem foi tratado com mais mistério no livro. Zumbi já estava na base há muito tempo antes de Nugget/Sam chegar, em vez de chegar junto com o mesmo de acordo com o filme. O programa País das Maravilhas, onde se podia descobrir tudo o que se passava na cabeça da pessoa foi apenas citado no filme. E o que eu acho mais importante, Evan Walker atirou sim na Cassie, mas se arrependeu por causa de seu lado humano e a salvou e no livro isso não é mudado. No livro, o temível Resnik, é um homem. No filme, é uma mulher. E não tem o mesmo papel de treinador dos meninos do batalhão. Ela apenas mostra a Zumbi quem "são" os outros. Outra coisa que muda são os personagens secundários, que no filme quase não falam, mas no livro, todos tem um papel muito importante. Bem como, suas histórias detalhadamente explicadas. Mas no geral, também gostei do filme.

2 comentários:

  1. Eu adorei o livro, apesar de o romance da história ser algo que achei desnecessário.
    Mas o filme, achei péssimo, faltou muitos detalhes no filme, o roteiro ficou muito fraco, vomitado, uma pena.

    Agora falta eu continuar lendo a série eheh

    Ótima resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, os efeitos especiais do filme também deixaram a desejar e como sempre nas sagas tem esse foco no romance, mas estou animados para os próximos livros também!!!

      Excluir

Comente com o Facebook: