quinta-feira, 20 de outubro de 2016

ENTREVISTA COM BARBARA SENA, AUTORA DE A FOGUEIRA DA BRUXA

SINOPSE: O fim da Idade Média na Europa foi marcado pelo extermínio das maiores inimigas da fé católica. Milhões de mulheres foram caçadas e queimadas, condenadas por bruxaria. No entanto, milhares delas eram inocentes. Allegra Bellini, uma questionadora jovem do interior da Itália, viu a Santa Inquisição chegar à sua vila em 1492 e as escolhas que fez a seguir a levariam a um caminho sem volta e sem paz. 


Como surgiu a ideia de escrever “A Fogueira da Bruxa”? Bom, eu sempre gostei muito de assuntos relacionados à História e Bruxaria, um dia enquanto estava vendo um documentário sobre a Inquisição com foco na caça às bruxas, pensei em quantas mulheres inocentes morreram por fanatismo religioso de alguns homens poderosos. Então puxando da memória notei que havia muitos filmes e livros sobre esse tópico, mas sempre contando a versão dos homens, dos caçadores de bruxas, da Igreja Católica. Me veio à mente a frase do George Orwell “A história é escrita pelos vencedores”. E assim brotou a ideia e a vontade de escrever sobre esse episódio terrível da humanidade, segundo a visão de uma mulher inocente que foi acusada, como tantas o foram.

Quanto tempo para a história ficar pronta? Não tenho um prazo definido. No começo do meu projeto, escrevia dois capítulos por semana, hoje só tenho tempo de escrever um a cada duas semanas! Acredito que conforme novas ideias vão surgindo o tempo para a história ficar pronta vai se alongando. Por enquanto eu diria que ainda faltam alguns meses.

O que o leitor pode esperar de “A Fogueira da Bruxa”? Os leitores podem esperar muito girl power, pois esse é um foco muito forte que eu proponho. A maioria esmagadora da literatura apresenta protagonistas masculinos, então resolvi criar uma protagonista feminina que não está em busca do amor da vida dela ou algum lugar comum desse tipo. Allegra está em busca da verdade e mais à frente no livro, está em busca da justiça e isso pode ser visto desde o primeiro capítulo nos questionamentos dela à cerca da igreja e suas hipocrisias.

Qual autor ou autora é seu preferido? Meus autores favoritos são Bernard Cornwell e Ariano Suassuna, cada um por um motivos totalmente diferentes. Ariano é meu ídolo pela inteligência com que compõe suas histórias, que enquanto aparentam ser simples comédias sobre o povo brasileiro, apresentam discretamente, críticas à sociedade. Já Bernard é um escritor britânico de ficção histórica e além de a leitura de suas obras serem muito agradáveis, elas apresentam também grande quantidade de fatos reais muito profundos e quase esquecidos da história britânica, assim se você gosta de história, vai aprender muito enquanto se diverte.

Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Sim, principalmente Bernard Cornwell. Em um dos livros dele, o primeiro das Crônicas do Rei Arthur, chamado o Rei do Inverno, há uma cena impressionante em que os britânicos estão batalhando contra os saxões e estão perdendo, a narrativa leva o leitor ao desespero junto ao protagonista Derfel, mas então Arthur entra triunfante e majestosamente no campo de batalha. É de arrepiar essa cena, é possível ter um sentimento crescendo dentro de si quando Arthur surge. Eu tive o sonho de escrever quando ainda era uma criança, mas a partir dessa cena eu decidi que queria criar coisas grandiosas assim e que criassem esse efeito sublime nos leitores.

Se “A Fogueira da Bruxa” pudesse ter uma trilha sonora, qual música você escolheria? Olha eu geralmente escrevo ouvindo música clássica em geral para me concentrar e durante a criação de cenas de ação ouço músicas típicas de Irlanda por exemplo, pois são bem intensas. Mas uma que retrata bem a história inteira eu diria Lago dos Cisnes de Tchaikovsky.
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Não, por enquanto eu escrevo por paixão apenas. Mas é um sonho meu poder viver de escrita. Hoje eu trabalho em um escritório de contabilidade, bem distante do mundo da literatura, mas precisamos fazer alguma coisa até chegar ao sonho de todo escritor, não é mesmo? 

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Oi gente!! Primeiramente gostaria de agradecer por vocês estarem lendo essa entrevista e espero que tenham gostado! Se você gosta de ficção histórica, dê uma olhada no meu livro A Fogueira da Bruxa no Wattpad, está em processo de criação ainda e eu levo em conta todos os comentários dos meus leitores, às vezes eles até me dão ideias! A história é sobre a visão de uma mulher inocente acusada de bruxaria, então se você gosta do assunto e quer ver outro ponto de vista, além do de caçadores de bruxa, tenho certeza que vai apreciar a leitura! Ah e um recadinho para quem é um leitor apaixonado e tem uma pontinha de vontade de escrever. Escreva! Se você tem uma ideia na cabeça, pegue um papel ou o bloco de notas do seu celular e simplesmente escreva, dar o primeiro passo é o mais importante pois nunca se sabe aonde uma pequena ideia pode nos levar!

Barbara Sena tem 23 anos e mora em São Paulo - SP.

PARA LER "A FOGUEIRA DA BRUXA" CLIQUE AQUI!


2 comentários:

  1. Algo me diz que um dia (não muito longe), terei esse livro na minha estante...
    Boa sorte e sucesso!!!!

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook: