quinta-feira, 6 de outubro de 2016

ENTREVISTA COM EMERSON MACHADO, AUTOR DE O CONTO DAS LEMBRANÇAS PERDIDAS

SINOPSE: Sabrina acordou não se lembrando de nada o que tinha vivido até aquele momento. Aos poucos consegue recuperar algumas memórias, mas ela precisa encontrar o caminho de volta para casa. Perdida em um lugar estranho e cheio de mistérios, a menina faz dois amigos (um estadunidense e um africano) que estarão com ela em uma jornada repleta de perguntas, nem sempre acompanhadas de respostas.


Como surgiu a ideia de escrever "O Conto das Lembranças Perdidas"? Geralmente as histórias que eu escrevo surgem de pequenos detalhes observados do cotidiano. Como em muitas das minhas histórias, gosto de focar no drama pessoal de cada personagem, pois todos passamos por aqueles momentos que nos sentimos perdidos, querendo desistir ou sem vontade de nos dedicar 100% a algo que julgamos que pode não gerar frutos. Por isso, em um momento de fraqueza, em que me sentia perdido, Sabrina, personagem principal de "O Conto das Lembranças Perdidas", surgiu. Uma menina muito esperta, mas com um problema: perdida e sem muitas lembranças do que aconteceu nos últimos 10 anos, ela embarca em uma jornada para encontrar o caminho de volta, se colocar nos trilhos e se descobrir. É acima de tudo uma história de amor. Não somente o amor como o conhecemos, mas o próprio, o da amizade e pela vida.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Sou escritor "ligeiro", digamos assim. Depois que a ideia principal se desenvolve em minha mente, em um ou dois dias produzo um curto roteiro com as principais cenas da história, que me guiam a um final. Escrevo então o fim do livro, geralmente o último capítulo ou as duas últimas páginas, para então voltar e começar a preencher todas as lacunas e reescrever as cenas já esboçadas antes com os detalhes que julgo importantes. Como "O Conto das Lembranças Perdidas" não é um livro longo e a linguagem é fácil, o processo todo de escrita deve ter durado cerca de dois meses. Com revisão, mudanças, adaptações, etc., o trabalho de produzir o livro todo levou seis meses.

O que o leitor pode esperar de "O Conto das Lembranças Perdidas"? É uma história de descobertas. Sabrina não se lembra de quase nada o que viveu até o momento em que ela acorda perdida em uma floresta, onde faz dois amigos. Como ela, esses amigos não se lembram como foram parar naquele lugar estranho e cheio de mistérios. Portanto, se juntam em uma jornada em busca de respostas e também de volta para casa (mesmo que nenhum dos três tenha ideia do que realmente precisam procurar para terem suas vidas de volta). A aventura de Sabrina e dos amigos é baseada nessa busca por respostas e o aprendizado de que nem sempre conseguimos tudo o que queremos, mas devemos aproveitar o máximo para aprender com aquilo que temos e nunca perdermos a esperança. Afinal, no fim, o amor sempre vence qualquer mal e está acima de qualquer sombra de dúvidas.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Meus autores brasileiros favoritos são Machado de Assis e Monteiro Lobato. Dos novos autores brasileiros, que hoje em dia fazem sucesso, gosto muito do que a Luisa Geisler escreve (ela, inclusive, está morando aqui na Irlanda também e tem a minha idade e é uma grande inspiração). Mas por estar em um país de língua inglesa, já li vários autores locais, como Oscar Wilde (O Retrato de Dorian Grey) e James Joyce (Ulysses), mas o meu favorito até o momento por aqui é Stories from Ireland, escrito pela irlandesa Ita Daly, que me inspirou a escrever "OReino das Lágrimas", conto também disponível no Wattpad.

Se "O Conto das Lembranças Perdidas" pudesse ter uma trilha sonora, qual música você escolheria? Sou bastante eclético com relação à música, mas meus gêneros favoritos é indie rock e indie pop. E para este livro, em especial, eu escolheria a música "Sunset Lover" (da banda Petit Biscuit) para algumas cenas emocionantes. 
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Posso dizer que sou apenas escritor (publico livros desde os 16 anos, vide "O Investigador de Sótãos") e sou Jornalista por formação. Nos empregos que tive durante toda a minha vida, estava sempre escrevendo (matérias ou artigos para jornal) ou traduzindo materiais para as revistas em que trabalhei. No entanto, resolvi mudar de país para ter um maior contato com a língua inglesa antes de entrar no Mestrado em Estudos Culturais e Literários que pretendo fazer no próximo ano. Gosto muito de História, Arqueologia e idiomas - o que deve causar um impacto em todos os meus textos, pois gosto de trabalhar a estética das frases e parágrafos, portanto se fosse escolher outra profissão, ainda escolheria trabalhar com histórias (ficcionais ou não). 

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Costumo dizer que escrevo tudo o que escrevo com muito carinho. E essa é uma das premissas básicas antes de eu iniciar qualquer texto (mesmo quando escrevia para jornal ou revista). Procuro entender realmente o que quero transmitir e o motivo de querer passar aquela mensagem a quem lê meus textos. Não somente "O Conto das Lembranças Perdidas", mas outros contos disponíveis no Wattpad ou nos meus livros físicos que podem ser encontrados em livrarias, são escritos com apresso. Mas se não fossem os leitores, eu não seria quem sou hoje, pois além de escrever por ter um imenso prazer ao fazê-lo, sei que sem quem lesse minhas histórias elas não seriam as mesmas, elas são a forma com que interpreto o mundo e quem aqui habita. O Conto das Lembranças Perdidas tem capítulos postados no Wattpad todas às quartas-feiras e todo domingo. Os últimos cinco capítulos que compõem a história e finalizam o enredo serão postados de uma única vez no dia 26 de outubro. Não deixe de acompanhar!

Emerson Machado tem 25 anos e mora em Dublin - Irlanda.

PARA LER "O CONTO DAS LEMBRANÇAS PERDIDAS" CLIQUE AQUI!

*Foto do autor © Quezia Cruz


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: