quinta-feira, 13 de outubro de 2016

ENTREVISTA COM SARAH IBRAHIM, AUTORA DE O PROSCRITO E A RAINHA

SINOPSE: Apresentando uma das histórias de amor mais antigas do mundo, este livro conta o amor de Inanna e Dumuzi, dois deuses da antiga mitologia babilônica, bem como as histórias dos demais que faziam parte do mesmo panteão. Num mundo ainda recente, ambos têm suas paixões e desejos, seus defeitos e qualidades, testados de várias formas. Neste primeiro volume, Dumuzi é um rebelde, o qual tem a chance de se redimir de seus antigos erros ao viver uma vida tranquila ao lado da esposa que escolheu. Será ele capaz?


Como surgiu a ideia de escrever "O Proscrito e a Rainha"? Sempre gostei de pesquisar as mais diversas mitologias. Quando me deparei com o mito de Inanna e sua descida ao submundo, resolvi ler mais sobre os demais deuses desse panteão, bem como a história dela com Dumuzi e descobri que era um dos mitos mais difundidos da antiguidade. Daí pra escrever o livro foi apenas questão de tempo.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Cerca de seis meses. Ainda há o segundo volume, em processo de escrita.
O que o leitor pode esperar de "O Proscrito e a Rainha"? Não somente uma história de romance, como certamente o é a história de Inanna e Dumuzi, mas também encontrar uma visão diferente sobre a criação do homem, do dilúvio (o qual está presente em diversas outras civilizações como a grega), uma reflexão sobre a vida e a morte e qual o valor que damos a elas.
Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Meus autores preferidos são Michael Ende, autor de "A História sem Fim", livro que já reli mais de dez vezes. É um livro muito simbólico e não uma alegoria para crianças. Há uma mensagem oculta muito forte e poderosa nesse livro. Posso também citar J.R.R. Tolkien, o qual certamente me influenciou muito. Muitos já me disseram que Dumuzi tem enormes semelhanças com o Melkor de Tolkien, e tem mesmo. Gilgamesh se assemelha muito a Ar Pharazôn e até mesmo o casal Sarpanit e Marduk se parecem muito com Lúthien e Beren. Não são totalmente correspondentes, mas Tolkien me influenciou muito, certamente.
Se "O proscrito e a rainha" pudesse ter uma trilha sonora, qual música você escolheria? Todo o álbum "Wishmaster" da banda finlandesa Nightwish. Sempre imagino os personagens ao som das músicas desse álbum.
Você segue carreira apenas como escritora ou tem outra profissão? Sou professora de formação e exerci por oito anos, mas atualmente trabalho com vendas.

Deixe uma mensagem para nossos leitores: A leitura é sempre conhecer o que se passa pela mente de outra pessoa. Espero que "O Proscrito e a Rainha" lhes dê um vislumbre não só de uma mitologia de uma civilização já não existente, mas também de como vejo essa mesma mitologia e como a "configurei" neste livro que voz apresento. 

Sarah Ibrahim tem 30 anos e mora em Santos - SP.

PARA COMPRAR "O PROSCRITO E A RAINHA" CLIQUE AQUI!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: