quinta-feira, 6 de outubro de 2016

RESENHA: A ASCENSÃO DOS NOVE

SINOPSE: Antes de encontrar John Smith, o Número Quatro, Número Seis estava sozinha, lutando e se escondendo para continuar viva. Juntos, eles eram bastante poderosos. Mas precisaram se separar para localizar os demais lorienos sobreviventes. Seis foi até a Espanha em busca da Número Sete e encontrou mais do que esperava: um décimo membro da Garde, que conseguiu escapar de Lorien. Ella é mais jovem que os outros, mas igualmente corajosa. Juntas, elas partem em uma jornada pela Índia, movidas por boatos que talvez as levem a outro Garde. Ao mesmo tempo, Quatro e Nove ainda se recuperam da fuga da caverna dos mogadorianos, em West Virginia, e travam uma briga particular: John se culpa por ter abandonado seu melhor amigo, o humano Sam Goode e Nove menospreza a lealdade de John e o acusa de não se dedicar ao que deveria ser o principal propósito deles: destruir Setrákus Ra e vencer a guerra contra os mogs.

No final de O poder dos seis aconteceu de tudo. A número Seis e o número Quatro tem de se separar. John vai junto com Sam e Bernie Kosar para uma base Morgadoriana atrás de sua arca, já Seis vai para Espanha em busca da número Sete (Marina). Durante a missão de John, ele acaba perdendo Sam para as mãos dos Mogs e achando o número Nove, que estava preso em uma cela assim como Seis, mas conseguiu fugir. Jonh quer muito resgatar Sam dos Morgadorianos, mas ainda não sabe como fazer isso, para completar a desgraça, ele acha que Sarah o está traindo. E o pior, o líder dos mogadorianos, Setrákus Ra, acaba de chegar a Terra e entra no esconderijo onde Sam está preso. Seis conseguiu o que queria, além de encontrar Sete (Marina), achou ainda um décimo membro da Garde, a número 10 (Ella), que apesar de pequena, é tão corajosa quanto os outros. Marina, Seis, Ella e seu cêpan, Crayton, vão para Índia atrás do número Oito. Seis sabe que Setrákus Rá está na Terra, por isso, fará de tudo para unir todos os membros da Garde, pois essa é a única chance deles: lutarem juntos. 


A reunião das três meninas foi uma das partes mais legais do último livro, especialmente com a narração de Marina e nesse livro elas estão mais unidas e sendo responsáveis por ótimos momentos da história. Só que, claro, nada é fácil na vida dessa galera e Seis, Sete e Dez ralam bastante até descobrirem o número Oito, no meio de uma zona de encrencas, em um lugar bem distante do ponto onde deveriam encontrar com Quatro. Apos vários testes, aplicados por Oito, em que as três meninas passam, eles o conhecem, um garoto que tem entre vários legados, o de se transformar em quem ele quiser, humanos ou animais e tem também o legado de se teletransportar. Marina, a numero Sete, logo sente uma atração pelo Oito. Ele diz a eles que está tendo visões com Setrakus e que numa dessas visões ele viu John. Então eles decidem procurar John e voltar ao Estados Unidos.

Por outro lado, Nove e Quatro estão “dando um tempo” para que John consiga se recuperar e acabam descobrindo algumas coisas interessantes pelo caminho, dentro e fora de suas arcas. Só que os dois gastam mais tempo com bobagens e briguinhas idiotas do que realmente fazendo algo bacana… Quer dizer, até descobrirem quem são os novos aliados dos Mogs. Aí a coisa fica boa. John e Nove são cercados por pessoas do exercito que estão trabalhando junto com os mogadorianos. Uma das agentes fala para John que não foi Sarah que os ajudou a prende-lo e John tem suas esperanças de ficar com Sarah renovadas (e eu também porque shippo demais esses dois!)

Juntando-se a John/Número Quatro e Marina/Número Sete, que eram os narradores de O Poder dos Seis, desta vez também contamos com o ponto de vista da Número Seis. E mesmo que a narrativa seja em primeira pessoa, cada personagem tem personalidades tão distintas que suas vozes se tornam inconfundíveis. Toda a mitologia dos lorienos e seus legados são melhor explorados. Conhecemos novos personagens, os números Nove que é grosseiro e ao mesmo tempo bem engraçado, e Oito que é mais sensato e espiritualizado, gostei muito dos dois. Morri de saudade do Sam, e por fim espero que a Sarah esteja bem melhor no próximo livro. Agora só falta conhecer o número Cinco, pois todos os outros são apresentados nesse livro.


Descobrimos também para que serve vários objetos das arcas e aprendemos mais sobre os legados de cada um. A Ascensão dos Nove pode ser considerada um ponto de virada da série, porque começamos a nos afastar de histórias e eventos isolados referentes a cada lorieno enviado a Terra, para vermos a saga como um todo. E isto não seria possível sem a entrada de novos personagens, que trouxeram um novo fôlego a série. Além da ação crescente, as reviravoltas e a narrativa ágil e dinâmica fazem com que seja difícil interromper a leitura. Os acontecimentos desse livro são emoção do começo ao fim. Quando você pensa que vai respirar, lá vem mais um monte de adrenalina. O final é supereletrizante e de arrancar os cabelos, porque fica mais que evidente o que vem por aí… E vem coisa boa!







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: