sexta-feira, 7 de outubro de 2016

RESENHA DO LEITOR: A GAROTA NO TREM

SINOPSE: Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor. Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota no trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.


A Garota no Trem é um daqueles livros que você irá devorar de tão envolvente e impactante. Narrando a dramática história de Rachel e todos os seus percalços para manter a sanidade depois de ter seu casamento desfeito, é um período em que Rachel acaba se tornando uma pessoa praticamente sozinha. De modo metódico, Rachel pega o mesmo trem, na mesma estação, no mesmo horário, mais precisamente às 08h07, de Ashbury em direção a Londres, repetindo esse trajeto todos os dias da sua vida nada movimentada. Recém-separada, sem amigos, imersa em sua melancólica rotina, encontra distração e certo fascínio ao imaginar como é vida intima de um jovem casal através da janela do trem, todos os dias, ela aguarda  o momento em que poderá fazer a sua observação.


Além da paisagem, o casal começa a fazer parte da restrita rotina de Rachel, com a imaginação aguçada, ela dá nome a este casal, chamando os assim de Jess e Jason, atribuindo até sentimento a esses personagens, como um parece demonstrar mais afeto, em como Jason trata a esposa, em como ele tem sorte de ter uma bela esposa bela como Jess, imaginando uma vida perfeita aos residentes da casa de número 15, porque não serem perfeitos, se eles combinam em tudo, até nos nomes. Não é uma trama formada por muitos personagens, nem muitos cenários, os locais se encaixam e dão praticidade a leitura, a facilidade de se acostumar com essa historia e perceber como tudo está desenrolando. Rachel, quase sem querer passa a se envolver cada vez mais com a vida desse casal e participa ativamente ao tentar ajudar a polícia a desvendar um grande mistério: o desaparecimento da mulher que ele observava todos os dias.


Neste momento sabendo a verdadeira identidade daquele personagem fictício em sua mente, Rachel se sente na obrigação de ajudar a encontrar Jess, que na verdade se chama Megan. Narrativa intensa, mas de fácil entendimento, a autora faz com que você mergulhe na trama e fique antecipando a cena das próximas páginas, tentando desvendar os segredos que estão sendo revelados, pouco a pouco, através do olhar de cada personagem envolvido.  A adaptação para as telas com um trailer de muito jogo de câmera e de grande expressividade dos atores tem previsão de lançamento no Brasil em meados de outubro e estrelado por Emily Blunt (O Morro dos Ventos Uivantes, O Caçador e a Rainha do Gelo). Vamos conferir a história se tornando ainda mais real a milhares de leitores apaixonados por esse suspense. 
RESENHA ESCRITA POR: GREISI SILVA
28 anos, administradora e artesã nas horas vagas, apaixonada por leitura e artes, não vivo sem música, poesia e cinema. Descobri que viajar é preciso e comer pipoca é fundamental para se ter boas ideias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: