sábado, 22 de outubro de 2016

RESENHA ESPECIAL: UM AMIGO ESCURO

SINOPSE: Luciana tem treze anos e está entediada. Um blecaute deixou a cidade em que mora sem luz durante horas. Chateada com os pais, que vivem brigando, ela se tranca no quarto e decide tentar a sorte num jogo de roleta-russa ao telefone. Ao discar números aleatoriamente, Miguel atende à sua ligação. E uma amizade improvável, entre pessoas diferentes, nasce a partir de uma conversa despretensiosa. Miguel tem 28 anos, quase o dobro da idade de Luciana, e mais vivência do que a garota que está entrando na adolescência. A troca de confidências entre eles acaba revelando as inseguranças e os desejos dos personagens que enfrentam momentos de transformação. E algumas revelações importantes vão surpreender quem está do outro lado da linha. 


Encantado. Essa é a palavra que define que como fiquei após ler “Um Amigo n Escuro”. Li esse livro em uma hora! É uma daquelas histórias curtas e bonitinhas, mas que chegam a te surpreender. Apesar de ser uma história infanto-juvenil, o livro pode muito bem ser lido por todas as idades, sem distinção nenhuma. A história já começa muito interessante e você quer saber mais e mais sobre a Luciana, Miguel, seus segredos e tudo o que está acontecendo entre eles. A autora fez um trabalho excelente, em pouco mais de 80 páginas ela conseguiu colocar emoção, sentimentos, realidade e tudo o que um livro ótimo poderia ter.


A história em forma de diálogo e escrita de maneira a ser facilmente compreendida, deixa o livro mais interessante e rápido, tornando uma leitura fluída, uma narrativa gostosa de ler e que consegue prender do início ao fim. A história se passa numa época que não tinha WhatsApp, SMS, celulares e coisas do tipo. Se passa na época do velho e lento telefone fixo. Luciana é uma adolescente de 13 anos, tagarela, que adora ver filmes de terror e vê escondida da sua mãe que não aprova e agora divide o quarto com sua irmã caçula. Entediada em seu quarto durante um blecaute e a única coisa que funciona é seu telefone, ela disca um número aleatório em seu telefone (uma brincadeira chamada roleta-russa, mas inofensiva) para poder conversar com alguém. E ela encontra Miguel (ou Miguilim, como prefere ser chamado), um cara de 28 anos, formado em Letras pela USP, que é apaixonado por Álvares de Azevedo e que tem um grande segredo.


Quando ele atende, a primeira coisa que Luciana pergunta é “Você quer ser meu amigo?” e ela e Miguilim começam a conversar bastante, ficam realmente bem próximos de uma amizade. Miguilim começa a perguntar sobre Luciana e como ela é, no começo ela se estranha com as perguntas, mas ele se desculpa e ela ignora o que aconteceu. Miguilim é um homem inteligente, que adora livros, poemas, música clássica. Eles ficam trocando ideias, opiniões e o principal, que deixa a história tão emocionante e deixa o leitor preso em sua trama, seus segredos que eles tinham medo ou vergonha de compartilhar com a família ou qualquer outra pessoa. A história é simples, mas impactante. Luciana revela seus segredos mais profundos facilmente, já Miguel hesita bastante em revelar o seu segredo principal, mas, se prestar bastante atenção, você consegue saber antes que ele revele.


A autora define perfeitamente os ciúmes, os nossos medos, fala sobre aceitação e deficiência de uma maneira leve e tocante. Por ser curto, o livro te dá uma oportunidade de ler de uma vez só, você se senta em um sofá e começa a ler e em menos de uma hora você já terminou de lê-lo e "está chorando em posição fetal" abraçado com o livro. A história simples e que fala de uma amizade pura, tem outro ponto positivo: saímos um pouco daquele eixo de livros complexos e adentramos numa história gostosa e divertida, viajamos por uma mente pré-adolescente e acabamos nos colocando no lugar de Miguilim, rindo das coisas que Luciana acaba dizendo e se preocupando com outras mais graves. É um livro que precisa ser lido e devia ser daqueles precursores das crianças pelo mundo dos livros.


Sobre a autora: Marcia Kupstas nasceu na cidade de São Paulo em 1957. Seu fascínio pela leitura é resultado das histórias que ouvia dos pais e dos avós na infância. Em 1982, formou-se professora de Língua Portuguesa e Literatura pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Inscreveu inúmeros contos em concursos e publicou textos em antologias. Em 1986, publicou seu primeiro livro, Crescer é perigoso, pelo qual recebeu o prêmio de revelação do Concurso Mercedes-Benz de Literatura Juvenil. Outros prêmios vieram desde então, dentre eles um Jabuti, com Eles não são anjos como eu, que ficou em segundo lugar na categoria literatura juvenil em 2005 Hoje, Marcia tem mais de cem obras publicadas.

Sobre o ilustrador: Diego Sanches é ilustrador e designer. Nasceu e vive na cidade de São Paulo. Trabalhou na Editora Abril, como ilustrador, infografista e designer para as revista Quatro Rodas, Mundo Estranho e Super Interessante.

Sobre a Editora Ática: Ao longo de quase meio século de existência, a Editora Ática foi protagonista de inúmeras inovações na área editorial de produtos educacionais. Entre outras iniciativas, foi responsável pelo desenvolvimento de livros e coleções com orientações pedagógicas, como o Estudo Dirigido de Português, um dos livros didáticos mais vendidos no país, e o Manual do Professor, formato que se tornou universal na organização de livros escolares. Além disso, sua marca é reconhecida por séries como Vaga-lume, Para Gostar de Ler e Bom Livro, que acompanharam muitas gerações de leitores. Por três anos consecutivos, recebeu o prêmio Top Educação e é reconhecida em todo Brasil pela excelência de seu corpo de autores e equipes editoriais, que já foram agraciados com diversos prêmios Jabutis, entre outros. Junto com as Editoras Scipione e Saraiva, integra o portfólio de editoras da SOMOS Educação.


Ficha Técnica
Título: Um amigo no escuro
Autora: Marcia Kupstas
Ilustrador: Diego Sanches
Segmento: Literatura juvenil
Editora: Ática
Páginas: 88
Preço: R$ 43
Indicação: 8º e 9º anos





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: