quarta-feira, 16 de novembro de 2016

RESENHA DO LEITOR: O MARTELO DE THOR - MAGNUS CHASE E OS DEUSES DE ASGARD 2

SINOPSE: Morador de rua, sua vida muda completamente quando Magnus Chase é morto por um gigante do fogo. Por sorte, na mitologia nórdica os heróis mortos vão parar em Valhala, o paraíso pós-vida dos guerreiros vikings. Lá, Magnus descobre que é filho de Frey, o deus do verão, da fertilidade e da medicina. Desde então, seis semanas se passaram, e nesse meio-tempo o garoto começou a se acostumar ao dia a dia no Hotel Valhala. Quer dizer, pelo menos o máximo que um ex-morador de rua e ex-mortal poderia se acostumar. Magnus não é tão popular quanto os filhos dos deuses da guerra, como Thor e Tyr, mas fez bons amigos e está treinando para o dia do Juízo Final com os soldados de Odin — tudo segue na mais completa paz sanguinolenta do mundo viking. Mas Magnus deveria imaginar que não seria assim por muito tempo. O martelo de Thor ainda está desaparecido. E os inimigos do deus do trovão farão de tudo para aproveitar esse momento de fraqueza e invadir o mundo humano.


Olá pessoas! Bom, depois da pausa (resenha do Conto O Agente) na semana passada voltamos a Magnus Chase. E eu ganhei (na verdade foi David, meu esposo que ganhou) esse segundo livro do incrível Rick Riordan “Magnus Chase e os Deuses de Asgard: O Martelo de Thor" no sorteio que teve no evento de lançamento do mesmo aqui no Espirito Santo. Devorei o primeiro livro em dias. Primeiro: a história é realmente boa. Segundo: queria ler logo o livro dois. Você pode conferir a resenha do livro #1 clicando aqui!


Seis semanas! Esse é o tempo que separa a primeira da segunda missão de Magnus Chase e seus amigos. Magnus é um einherjar, um guerreiro que lutará no Ragnarok, o fim do mundo na mitologia nórdica. Depois de saber que seu pai é Frey, um deus nórdico pacífico, e que de quebra impediu o início do Ragnarok. Magnus só desejava um pouco de tranquilidade (como se isso fosse possível em Valhala). Iludido! Logo ele aprende que quando tudo fica calmo é sinal de grande complicação! Mas, voltando a segunda missão. Como você pode ter percebido no título do livro, o martelo de Thor está desaparecido. Então agora parece que a coisa está um pouquinho mais complicada.


Tudo que Magnus mais deseja era não sair em busca do bendito martelo. Se você leu a resenha do primeiro livro, deve lembra que contei que Thor é um bundão. Se você não leu, ficou sabendo agora! Daí você deve estar pensado: “Thor é um deus! Qual o motivo de Magnus ter que recuperar seu martelo?” Vou falar novamente, esqueça a imagem do Thor da Marvel! Sério, esqueça e logo!  Thor é um deus que só quer usar suas armas mágicas para colocar em dia suas séries de TV. Entretanto, o que mantêm os Gigantes longe de Midgard, o Mundo dos Humanos é o bendito do martelo sumido. E adivinhe só quem está com o martelo? Um gigante!


“O problema dos deuses é que não dá para simplesmente estapeá-los quando eles agem como idiotas. Eles só vão revidar com outro tapa e matar você.”

Esse segundo livro conhecemos melhor o motivo do tio de Magnus está ajudando Loki (ele é o vilão mais cômico) nas loucuras dele. Ainda, fomos apresentados a mais um/uma personagem – ALEX FIERRO. Vamos falar um pouco de Alex. Assim com Samirah, Alex é filha de Loki. Porém a diferença entre elas é que Alex não é grilada com esse negócio de mudar de aparência com sua irmã. Mas o que elas têm de igual é a raiva que sente por Loki. No começo não estava entendendo ao certo se Alex era menino ou menina. Em alguns momentos achei que Alex fosse uma pessoa transexual. Tio Rick explica mais à frente no livro que Alex na verdade é um “argr” (pessoa com o gênero fluído). Em alguns momentos, Alex se identifica com um gênero, em outros, com outro. Ela/ele não se limita a apenas um. Alex é um personagem no meu ver muito importante para os acontecimentos futuros tanto desse livro como para o que virá. Alex é leve, forte e sarcástica e bem resolvida (uso mais o feminino para Alex, pois imagino Alex mais como uma menina).


Uma coisa que gostei muito nessa série é o fato de Rick Riordan abordar temas como: intolerância religiosa e sexual. Com Alex vemos o tema “intolerância sexual”, mesmo seus amigos aceitando seu gênero fluido, muitos outros personagens tratam Alex com uma certa diferença por ela ser um “argr”. Já com sua irmã Samirah vejo o ponto sobre as religiões. Sam é um jovem árabe que acredita nos deuses, mas a força superior que ela crê é Alá. Não é porque deuses existem (para uns) que isso significa que não existe uma força maior, como falei para Sam é Alá, para mim é Deus, mas tudo isso só muda o nome. São forças superiores, e, mesmo que não concordemos ou entendemos, seja na religião, na identidade ou opção sexual, ou em qualquer outra coisa, a única coisa que devemos fazer é aceitar e principalmente RESPEITAR.

“- Alex Fierro incomoda você? — perguntei. — Quer dizer... o fato de ela ser transgênero? Por você ser religiosa e tal?

- Sendo “religiosa e tal”, muitas coisas me incomodam neste lugar. — Ela indicou nossos arredores. — Tive que fazer uma reflexão de alma quando me dei conta de que meu pai era... você sabe, Loki. Ainda não aceito a ideia de que os deuses nórdicos são deuses. Eles são apenas seres poderosos. Alguns são parente irritantes meus. Mas não passam de criações de Alá, o único deus, assim como você e eu somos.

- Você lembra que sou ateu, né?”



Mas voltando a história... Loki junto com alguns gigantes estão tramando uma coisa muito ruim. E cabe aos nossos heróis impedirem isso. E para piorar a situação, o maluco do Loki quer que Sam se case com um rei gigante feioso e o mal! Ou seja, Magnus e Cia precisam recuperar o martelo de Thor o deus bundão do trovão e ainda impedir que esse casamento absurdo aconteça. E de brinde impedir os planos de Loki. Tá bom ou quer mais? Pessoalmente gostei mais desse segundo livro. A Espada do Verão é mais cômico. Porém esse livro abordou assuntos mais relevantes e ainda me levou a compreender fatos que ficaram “em aberto” no primeiro. Devo dizer que Annabeth Chase mesmo aparecendo apenas no final tem um papel importante para o próximo livro. E digo logo que grandes surpresar estarão vindo! Se estou ansiosa para o livro #3? Não imagina... Só estou roendo todas as unhas kkkk! Até aproxima pessoal e se possível deixem sua opinião ;)



Assim como o livro #1, Magnus Chase - O Martelo de Thor merece 5 VITAMINAS!


RESENHA ESCRITA POR: RENARA CABRAL PEREIRA PAVEZ

24 anos, capixaba e casada. Formada em pedagogia. Amo ler e dar aula. A leitura me faz viajar!

Um comentário:

  1. Cara eu li esse livro, é muito daora e queria dizer que ele não poderia ter uma resenha melhor, parabéns. Outra coisa, você sabe onde eu posso encontrar algumas teorias de como será a sequência do livro?

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook: