quinta-feira, 10 de novembro de 2016

RESENHA: FEIOS

SINOPSE: Tally está prestes a completar 16 anos, e mal pode esperar. Não para dar uma grande festa, mas sim para se tornar perfeita. No mundo de Tally, fazer 16 anos significa passar por uma operação que o transformará de "feia" em um ser incrivelmente belo e perfeito, e lhe dará passe livre para uma vida de glamour, festas e diversão, onde seu único trabalho é aproveitar muito. Mas Shay, uma das amigas de Tally, não está tão ansiosa assim: prefere se arriscar fora dos limites da cidade. Quanto Shay desaparece, Tally vai conhecer um lado totalmente diferente desse mundo perfeito - e, acredite, não é nada bonito.


Em Feios, conhecemos Tally Youngblood, que é uma feia. Não, isso não significa que ela seja alguma aberração da natureza. Não. Ela simplesmente ainda não completou 16 anos. Em Vila Feia, os adolescentes ficam presos em alojamentos até os 16 anos, quando recebem um grande presente do governo: uma operação plástica como nunca vista antes na história da humanidade. Suas feições são corrigidas à perfeição; a pele é trocada por outra, sem imperfeições ou — nem pense nisso — espinhas; seus ossos são substituídos por uma liga artificial, mais leve e resistente; os olhos se tornam grandes; e os lábios, cheios e volumosos. Em suma, aos 16 anos todos ficam perfeitos. Tally mal poderia esperar por seu aniversário de 16 anos. Depois da operação, vai finalmente deixar Vila Feia e se mudar para Nova Perfeição, onde os perfeitos vivem, bebem, pulam de paraquedas, voam a bordo de suas pranchas magnéticas e se divertem — o tempo todo. Mas, enquanto espera que as poucas semanas até completar 16 anos passem, Tally precisa se distrair — e isso não acaba gerando bons resultados. 


Uma noite, ela conhece Shay, uma feia que não está nem um pouco ansiosa para completar 16 anos. Pelo contrário: Shay pretende fugir dos limites da cidade e se juntar à Fumaça, um grupo fora da lei que sobrevive retirando o sustento da natureza. Para Tally, isso é uma maluquice. Quem iria querer ficar feio para sempre ou se arriscaria a voltar para a natureza e queimar árvores para se aquecer, em vez de viver com conforto em Nova Perfeição e se divertir à beça? Mas, quando sua amiga desaparece, os Especiais — autoridade máxima desse novo mundo — propõem um acordo a Tally: se unir a eles contra os enfumaçados ou ficar feia para sempre. A escolha de Tally vai mudar o mundo ao seu redor, mas principalmente ela mesma.


Eu sempre quis ler Feios! Procurava esse livro desde que ouvi falar sobre ele numa revista que falava sobre distopias e sagas, mas nunca achava, só tinha por encomenda e acabava comprando outro que tinha no local. Até que um dia a sorte sorriu para mim e encontrei! E ainda com a nova versão de capa que, agora sim, está à altura do gênero. O mais engraçado disso é que os livros juntos montam uma única e belíssima imagem (conforme mostra a figura abaixo), daí a importância de comprar todos com a capa nova.


As capas antigas não pareciam livros de uma distopia (veja e compare)!


O fato de ter sido escrito em terceira pessoa acrescentou muito dinamismo ao livro, aliado a uma boa construção de fatos e um excelente desenvolvimento das ideias propostas pelo autor. O livro possui um narrativa despretensiosa e detalhada, onde o autor leva-nos a conhecer um mundo diferente e de extrema perfeição, onde ser normal é feio, um mundo muito parecido com o nosso. O próprio título já deixa um tanto claro o objetivo do autor: trabalhar com a questão do "belo" e o "feio". O livro é cheio de reviravoltas e revelações, aos poucos você vai conhecendo cada vez mais a história desse novo mundo e de como o mundo era antigamente. Vai vendo que nem tudo é esse mar de rosas que parece ser. Quando cheguei na metade do livro, não consegui mais parar até acabar, ele vai ficando cada vez melhor e cheio de ação. O livro é dividido em três partes, mas é a parte 3 que mexe mesmo com a sua cabeça... Eu gostei muito do romance do livro, pois ele não é aquela coisa melosa e que toma grande parte da história, está mais de plano de fundo mesmo.


Sobre as personagens, eu gostei muito da Tally, apesar dela ser um pouco indecisa, mas é muito corajosa. O que mais gostei nela é o quanto ela soa humanamente verdadeira e como isso acaba aproximando-a mais do leitor. Shay é a personagem que está sempre querendo provar algo para alguém. No inicio Tally não contesta nada, aceita tudo e espera que o governo decida por ela, condicionada ao que eles dizem, enquanto você vê Shay como a aventureira, mas também influenciada por outras pessoas e não o governo. No final, as duas crescem. Peris não disse muito a que veio, mas é o amigo de infância que espera o dia em que poderá ficar com sua amiga Tally, perfeita, em Nova Perfeição. David é o mocinho perfeito (mas "feio") e um dos homens que mais entende sobre a Fumaça e é quem leva os novos Enfumaçados até lá, é selvagem, vive no mato, trabalha duro, mas é a delicadeza em pessoa, além de ser super inteligente, sendo um dos responsáveis por mostrar a Tally o mundo como realmente é e também acaba se envolvendo em um triângulo amoroso.

O final é daquele tipo que te deixa louco para ter a continuação em mãos. Se eu fosse você não perderia tempo para ler Feios, está claro nas páginas a critica que Scott faz a beleza que todos nós somos impostos pelas revistas e vários outros meios de comunicação. A história vai te fazer refletir sobre como seu jeito é único e que você não tem que mudar para agradar ninguém. Detalhe: o livro não termina como você imagina. A Twentieth Century Fox já adquiriu os direitos e em breve Feios poderá virar também uma série cinematográfica — mais um motivo pra ler. Super recomendado!


VITAMINAS:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: