segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

RESENHA DO LEITOR: MEIO REI

SINOPSE: “Jurei vingar a morte do meu pai. Posso até ser meio homem, mas sou capaz de fazer um juramento por inteiro. Filho caçula do rei Uthrik, Yarvi nasceu com a mão deformada e sempre foi considerado fraco pela família. Num mundo em que as leis são ditadas por pessoas de braço forte e coração frio, ser incapaz de brandir uma espada ou portar um escudo é o pior defeito de um homem. Mas o que falta a Yarvi em força física lhe sobra em inteligência. Por isso ele estuda para ser ministro e, pelo resto da vida, curar e aconselhar. Ou pelo menos era o que ele pensava. Certa noite, o jovem recebe a notícia de que o pai e o irmão mais velho foram assassinados e não lhe resta escolha a não ser assumir o trono. De uma hora para outra, ele precisa endurecer para vingar as duas mortes. E logo sua jornada o lança numa saga de crueldade e amargura, traição e cinismo, em que as decisões de Yarvi determinarão o destino do reino e de todo o povo. Joe Abercrombie nos apresenta um protagonista surpreendente, numa história de percalços e amadurecimento que abre a trilogia Mar Despedaçado”.


Longos dias e belas noites pessoal! Hoje vamos falar do livro Meio Rei escrito por Joe Abercrombie e lançado aqui no Brasil pela Arqueiro em 2016. Confesso que ainda não havia lido nenhum livro escrito por esse autor e o comprei na loucura da Black Friday da Amazon, sem nem mesmo ler a sinopse (quem nunca?). E fico feliz que tenha feito pois gostei bastante deste livro. O livro tem uma leitura rápida, leve e divertida que agradou bastante.


Outro ponto positivo do livro é o protagonista. Num mundo onde temos grande parte dos livros com personagens super poderosos, incrivelmente inteligentes e que são capazes de resolver quase tudo sozinhos, Yarvi é diferente. Fraco, inexperiente e com uma deficiência na mão esquerda ele se vê tendo que achar formas de superar os desafios apenas com sua astúcia e os conhecimentos que recebeu em sua infância para se tornar ministro, um cargo que une conselheiro, curandeiro, e diplomata real. Yarvi me lembrou Jorg de Ancrath da trilogia dos espinhos devido a sua perspicácia, porém sem a loucura inconsequente de Jorg.


Ao longo da trama Yarvi se une a um grupo tão improvável e aparentemente incapaz quanto ele, porém mesmo assim os desafios são superados. O livro mostra personagens fracos, que continuam fracos, e isso é algo diferente na costumeira jornada do herói. O livro possui alguns clichês básicos, uma traição previsível e outra nem tanto, uma surpresa sobre um personagem obscuro, um romance juvenil. Mas no todo o livro me agradou bastante e estou curioso para as continuações.

VITAMINAS:



RESENHA ESCRITA POR: EDUARDO REIS
Carioca, 27 anos, Analista de TI, Bibliófilo desde criança, fã de carteirinha de Cornwell e King.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: