sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

RESENHA DO LEITOR: QUANDO ME DESCOBRI NEGRA

SINOPSE: “Tenho 30 anos, mas sou negra há 10. Antes, era morena.” É com essa afirmação que Bianca Santana inicia uma série de relatos sobre experiências pessoais ou ouvidas no círculo de mulheres negras que organiza. Com uma escrita ágil e visceral, denuncia com lucidez – e sem as armadilhas do discurso do ódio – nosso racismo velado de cada dia, bem brasileiro, de alisamentos no cabelo, opressão policial e profissões subjugadas.


É um livro muito especial, não só pela minha identificação por ser negra, mas sim por termos hoje, a oportunidade de poder mostrar nossas vivências em depoimentos pra lá de verdadeiros. Embora, o preconceito esteja longe de acabar, infelizmente. Sendo uma forma de desabafo, misturado ao pedido de socorro, “parem”!!! Em “Quando Me Descobri Negra”, Fabiana Santana que é jornalista conta como foi sua infância, adolescência e até alcançar maturidade, narra como foi descobrir que a cor de sua pele era maravilhosa e que isso não a diferenciava de nenhuma pessoa, como aprendeu a amar seu cabelo e como isso a libertou. O caminho não foi nada fácil e a vida continuara não sendo fácil, mas aprendemos a passar pelas partes ruins e não desistir dos nossos sonhos. O livro em três partes: Do que Vivi, Do que Ouvi e Do que Pari. 


O livro tem ilustrações lindas, fortes e marcantes, retratando cada capitulo, com muito capricho. O livro não é grande e a leitura é muito simples, tem folhas pretas e a letra branca, mas como falei o livro é pequeno e a leitura não se torna cansativa. Narrando histórias verdadeiras de diferença, discriminação, preconceito, "Quando Me Descobri Negra", não é só para negros se identificarem e sim para todos verem e perceberem o que está ao nosso redor e fazer para mudar. Ué, mais quem é negro não é negro desde que nasce? Sim, é verdade, mas demoramos muito para nos enxergarmos na televisão, no teatro, na banca de revista.


Fabiana tem outras publicações referentes a alfabetização de jovens e adultos, chamados "Aprender Para Cantar" e é co-autora do livro "Recursos Educacionais Abertos" e o livro "Quando Me Descobri Negra" é sua obra literária inaugural. Mateu Velasco é responsável pelas ilustrações do livro, ele é Graduado em Desenho Industrial e tem próprio estilo de ilustração e grafite, que podem ser encontradas pelos muros e galerias do Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Paris, Lisboa e dos Estados Unidos, conforme sua descrição. 



E como diz no livro: "E, antes de me despedir... Você se lembra de quando foi racista com uma preta ou um preto? Não precisa contar pra ninguém. Só tente não repetir". Espero que vocês gostem dessa leitura e não é só para pessoas negras, viu gente? E para quem gosta de desenhos, as ilustrações são lindas.


MATÉRIA ESCRITA POR: GREISI SILVA
28 anos, administradora e artesã nas horas vagas, apaixonada por leitura e artes, não vivo sem música, poesia e cinema. Descobri que viajar é preciso e comer pipoca é fundamental para se ter boas ideias.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: