quinta-feira, 13 de abril de 2017

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: LUZ E SOMBRA

SINOPSE: Virgílio é um engenheiro carioca, entediado, taciturno, que nunca amou ninguém e tem na restauração das antigas fazendas de café a sua única paixão. Em uma visita à Inocência, ele se encanta por Olympia, filha de um barão, representada ao lado da irmã gêmea em um quadro do século 19. O olhar azulado da moça o atrai de uma maneira obsessiva e aos poucos ele se envolve em trama cada vez mais absurda com joias misteriosas e uma inusitada carta. Ao tentar descobrir o que as linhas amareladas escondem, Virgílio se encontra em um emaranhado de artimanhas e chantagens, amor e ódio, onde o ontem e o amanhã se confundem durante um cruzeiro pelo Atlântico no ano de 1873 e o poder da luz sobre as sombras surge nos lugares, nas pessoas e nas atitudes mais improváveis.


Título: Luz e Sombra
Autora: Anaté Merger
Público: Jovem / Adulto
Categoria: Romance histórico
Páginas: 413
Formato: e-book e impresso

Oi gente! Vamos de Primeiras Impressões, sobre o romance histórico: Luz e Sombras, livro da autora Anaté Merger. Eu amei seu nome Anaté, muito chique, só preciso saber se minha mente está pronunciando corretamente! (risos) Confira a entrevista com a autora clicando aqui!


Li os primeiros cinco capítulos da história vivida por Virgílio. Como diz no início do livro: Será que um amor pode ultrapassar as barreiras da morte e do tempo? Queria saber! Virgílio é um rapaz muito inteligente e com menos de 30 anos, mesmo sem objetivo, já se tornou um importante empresário, pois teve que assumir os negócios do pai, no ramo de construção. Seu pai sofreu um AVC, e na época foi um pouco difícil, ele ainda era um estudante de Engenharia, mas hoje, o negócio encontra-se muito bem obrigada!


Virgílio atualmente namora Clara, uma moça bem diferente dele. Clara é atriz, um pouco deslumbrada, dá mais atenção ao celular do que as pessoas a sua volta. Parecendo aquelas pessoas que só pensam no seu próprio umbigo, e seu namorado não é assim. Além de seu temperamento “forte”, Clara já fez Virgílio passar uma situação bem embaraçosa com seu irmão, praticamente dando indícios de que queria ficar com ele, fazendo Virgílio pensar em seus defeitos e não em suas qualidades. Apesar da atração inicial dos dois inicialmente ser apenas sexual. 


Afim de expandir os negócios da família, Virgílio  tem intenções de comprar uma fazenda que é praticamente um patrimônio histórico, embora Clara ache tudo velho, com cheiro de passado e não faz questão de esconder isso, nem da proprietária da fazenda Marie, uma senhora idosa, com sotaque francês carregado.


Aqueles olhos o perseguem. Aqueles olhos azuis, penetrantes, inesquecíveis, na verdade ele não sabe muito bem como ficou fascinado por eles, por ela, por sua postura, mas sabe que esse sentimento já está o abalando emocionalmente. Ele poderia ter sonhos eróticos com qualquer outra mulher, ou sua mente poderia se apaixonar por qualquer mulher, de sua cidade, mas Olympia, retratada em um quadro com sua irmã é que chama atenção e amor do moço neste momento. 


A história se passa no Rio de Janeiro (Ah, Rio de Janeiro!), os morros de Santa Tereza, o calor da cidade, tudo é descrito com muita delicadeza. Ainda mais sabendo que houve um casal que inspirou a história, fiquei com ainda mais vontade de ler e desvendar o mistério de Olympia, sua irmã e a sua família. Como será que Virgílio irá se portar diante desse sentimento tão grande: estar apaixonado por outra mulher e, principalmente, uma mulher que parece existir praticamente em sua imaginação?



ESCRITO POR: GREISI SILVA
28 anos, administradora e artesã nas horas vagas, apaixonada por leitura e artes, não vivo sem música, poesia e cinema. Descobri que viajar é preciso e comer pipoca é fundamental para se ter boas ideias.

2 comentários:

Comente com o Facebook: