terça-feira, 18 de julho de 2017

RESENHA DO LEITOR: CORTES DE ESPINHOS E ROSAS

SINOPSE: Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira - que ela só conhecia através de lendas -, a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... ou Tamlin e seu povo estarão condenados.


Em um mundo onde os feéricos e os humanos são inimigos mortais, Freyre tenta ficar longe da guerra e sustentar sua família. Acorrentada à promessa que fez a sua mãe antes dela morrer Freyre caça dia após dia enquanto tenta fracamente manter os luxos que sua família já teve no passado. Em uma dessas caçadas Freyre tira a vida de um grande lobo de olhos amarelos na floresta. No fundo de seu coração a garota sabia que aquele não era um lobo qualquer e matá-lo foi tanto um ato de desespero quando de rebelião. O que Freyre não sabia era que ao matar aquele animal ela estava infringindo uma das leis que sustentavam uma frágil aliança de seu povo com os feéricos. Ao matar o lobo ela desperta a ira de Tamlim, um poderoso feérico que impõe a Freyre a punição de viver para sempre em Prythian, terra para lá da muralha onde os feéricos habitam.


Desejei ter a capacidade de sentir remorso pela coisa morta. Mas aquilo era a floresta e era inverno.

Para poupar sua vida a garota aceita o trato e segue a besta feroz que invadiu sua casa ate a muralha que divide os dois mundos. Na corte primaveril, território de Tamlim, a besta que a sequestrou se transforma em um homem único, com o rosto coberto com uma elegante mascara de pássaro. Na corte, Freyre estava esperando ser uma escrava, mas a verdade é que os feéricos mascarados a tratam como uma espécie de princesa. Ela não entende o porquê de tanta gentileza, mas não desiste de sua ideia de fugir. Objetivo que parece ser impossível já que ela não faz ideia de onde está e o pacto que ela quebrou ao matar um feérico pesa sobre sua cabeça.


Eu queria estar na música, queria pegar carona naquela velocidade e me entremear nas notas. Eu conseguia sentir a música ao meu redor como uma coisa viva que respirava, cheia de maravilhas, alegria e beleza.

Aos poucos a animosidade entre Freyre e Tamlim diminui, eles aprendem mais um sobre o outro e Freyre começa a admirar o feérico e tudo o que ele faz para manter seu povo afastado de uma praga que acomete os feéricos e rouba cada vez mais vidas. Segundo Tamlim é devido a essa tal praga que ele e seu povo vêm ficando sem magia e também é devido a ela que eles não conseguem tirar as máscaras de animais presas em seus rostos. 


Agradeça por seu coração humano Freyre, tenha piedade daqueles que não sentem nada.

Quando a ameaça se torna perigosa demais Tamlim manda Freyre de volta para sua casa para mantê-la segura, enviando junto com ela dinheiro o suficiente para fazer com que sua família seja rica novamente. Por um tempo, Freyre se deixa enganar pela ilusão de que conquistou sua liberdade tão sonhada, mas ela sabe que não é bem assim. Ela está presa por seus sentimentos a Tamlim e se ele está correndo perigo é dever dela ajudá-lo. 


Eu sabia... eu sabia que seguia um caminho que provavelmente terminaria com meu coração mortal despedaçado, mesmo assim... Mesmo assim, não pude evitar.

Ao voltar para a corte primaveril, Freyre descobre que na verdade não havia praga nenhuma e sim uma mulher perigosa e cheia de ódio por Tamlim, um ódio fruto de uma rejeição. Durante uma discussão entre Tamlim e Amarantha ele disse que preferia uma mulher mortal a ela, então Amarantha colocou uma maldição sobre ele e seu povo. Dizendo que a única maneira de quebrar essa maldição era que Tamlim fizesse uma mulher humana com ódio por feéricos em seu coração, se apaixonar por ele. Esse era o papel de Freyre o tempo todo, mas como ela nunca havia dito que o amava o reino de Tamlim pereceu. Agora para ajudá-lo Freyre precisa entrar em uma competição que vale não só sua vida, mas também a de Tamlim e de todo seu povo.


— Amo você — declarei —Não importa o que ela diga a respeito disso, não importa se é apenas meu tolo coração humano. Mesmo quando queimarem meu corpo, vou amar você.
— Amo você — Ele sussurrou e beijou minha testa. — Com espinhos e tudo.

Sarah J. Mass já e consagrada no ramo da fantasia, com o super bem escrito o Trono de Vidro (para ver a resenha clique aqui!) e não desaponta nenhum pouco nesse novo romance. É lindo ver como Freyre cresce ao longo da historia, assim como Tamlim se desenvolve e fica mais humano. Os dois são um par improvável, mas um casal lindo. A história tem um final surpreendente, de tirar o fôlego que eu simplesmente amo.

VITAMINAS:



RESENHA ESCRITA POR: CAROLINA SIQUEIRA
Carol Siqueira, 20 anos, é estudante de Odontologia pela Universidade Positivo e quando não está deixado o sorriso das pessoas mais bonito, ela passa seu tempo lendo histórias sobre criaturas mágicas, que eventualmente se apaixonam, ou escrevendo algum resumo bobo na varanda de sua casa e não perde a oportunidade de adicionar mais um livro a sua coleção de preferidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: