quinta-feira, 31 de agosto de 2017

RESENHA DO LEITOR: QUALQUER OUTRO LUGAR

SINOPSE: Alyssa está tentando entrar novamente no País das Maravilhas. Os portais para o reino se fecharam, não sem antes levarem sua mãe. Jeb e Morfeu estão presos em Qualquer Outro Lugar, reino em que intraterrenos expulsos do País das Maravilhas estão vivendo. Para resgatá-los, ela precisa recorrer à ajuda de seu pai. Juntos, eles iniciam uma missão quase impossível para tentar resgatar entes queridos, restaurar o equilíbrio dos reinos e o lugar dela como Rainha. Alyssa precisa lutar não só com a Rainha Vermelha, um espírito malicioso que tem a intenção de refazer o País das Maravilhas à própria imagem, mas também reconstruir seu relacionamento com Jeb, o mortal que ela ama, e Morfeu, o ser fantástico que também reivindica seu coração. E, se todos tiverem sucesso e saírem vivos, eles poderão finalmente ter o felizes para sempre.


Para fechar a trilogia com chave de ouro, em Qualquer Outro Lugar a batalha final entre as rainhas se aproxima e logo quando achava que a guerra estava perdida, Alyssa encontra seus mais poderosos aliados. Depois de ver sua mãe ser arrastada de volta para o País das Maravilhas e ver Morfeu e Jeb irem para Qualquer Outro Lugar, Alyssa foi internada em um manicômio. Enquanto todos ao seu redor pensam que ela esta completamente maluca, Alyssa recupera suas forças e planeja uma maneira de salvar aqueles que ama. Como ela descobriu em Através do Espelho, seu pai foi sequestrado pelos habitantes do País das Maravilhas e usado por anos, antes de sua mãe resgatá-lo. O que Alyssa não sabe é que seu pai descende de uma linhagem de guardiões, que visa proteger todos contra os horrores de Qualquer Outro Lugar, que é uma prisão para intraterrenos. Assim, seu pai se torna um importante aliado quando ela precisa resgatar Morfeu e Jeb, mas antes disso ela precisa se armar. A guerra contra a Vermelha se aproxima e Alyssa sabe que seus poderes podem não ser o suficiente para ajudá-la a vencer.


"Eu achava que lembranças eram algo que seria melhor deixar para trás... bolsões no tempo congelados que você poderia rever por seu valor sentimental, mais uma indigência do que uma necessidade. Isso foi antes de perceber que lembranças eram a chave para recuperar a fé e o futuro".

Alyssa volta em um dos lugares do seu passado para resgatar as memórias de seu pai, na esperança de descobrir uma maneira de entrar em Qualquer Outro Lugar. Mas não é só isso, ela também recupera as lembranças de uma Vermelha mais jovem. Algo que sua inimiga tinha optado esquecer a muito tempo atrás. Algo que a deixava mais vulnerável e mais fraca. Justamente o que Alyssa precisava. Com sua arma secreta em mãos ela parte com seu pai para Qualquer Outro Lugar e lá se depara com Morfeu que usa uma magia que não deveria mais possuir e Jeb. Jeb que parece ser uma pessoa completamente diferente agora. Seu coração quebrado se refletiu em sua arte, uma arte que agora esbanja magia que ele compartilha tanto de Morfeu quanto da Vermelha.


"Um pulsar de luz violeta passa das cerdas úmidas do pincel para a orelha de Morfeu. Num passe de mágica, a ferida se fecha. Tenho que colocar a mão sobre a boca para abafar meu gemido de surpresa. Ainda de costas Jeb se endireita e aprecia seu trabalho".

Como nenhum intraterreno pode usar magia em Qualquer Outro Lugar, Morfeu passou a depender da magia de Jeb para sobreviver. Por outro lado é Morfeu que conhece as criaturas e as armadilhas de Qualquer Outro Lugar, o que também o tornou indispensável para sobrevivência de Jeb. Devido à necessidade e a ausência de Alyssa, que sempre foi o motivo de conflito entre eles, os dois se tornaram parceiros e aprenderam a trabalhar juntos. Alyssa não se sente confortável sobre essa relação, principalmente por causa de seus sentimentos confusos por Morfeu que a levaram a quebrar o coração de Jeb. Mas com coisas mais importantes em jogo, Alyssa se une a eles para que juntos consigam o antídoto para o seu pai que foi ferido e uma passagem segura para o País das Maravilhas. Nem que para isso ela tenha que confrontar outro membro de sua família que é ainda mais vil e letal. A Rainha de Copas foi confinada em Qualquer Outro Lugar por sua tendência a matar pessoas para colecionar seus corações e atualmente ela abriga o espírito da Vermelha em seu corpo. Para fazer com que Copas entregue o espírito da Vermelha, Alyssa terá que libertar seu lado sóbrio que ela faz tanta questão de esconder. Ela vai ter que se tornar mais intraterrena que humana. 


Minha garganta fica seca. É agora ou nunca. Bato as assas para me levantar acima da multidão.
– Eu desejo desafiar a rainha. 

Quando seu mundo custa tudo o que você tem, você o dá de livre e espontânea vontade, mesmo que isso despedace seu coração. Alyssa aprende isso da pior maneira possível. Através de grandes sacrifícios e a perda de vidas inteiras Alyssa consegue salvar todos os que ama, mas não sem antes perder a si mesma no processo. Cheio de loucuras, inseguranças, mistérios e manipulações Qualquer Outro Lugar me levou as lagrimas em mais de um momento. Entre a trilogia é o livro com mais ação, significado e romance criando um caos na medida certa. Apenas o suficiente para fazer um livro perfeito.

VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: CAROLINA SIQUEIRA
Carol Siqueira, 20 anos, é estudante de Odontologia pela Universidade Positivo e quando não está deixado o sorriso das pessoas mais bonito, ela passa seu tempo lendo histórias sobre criaturas mágicas, que eventualmente se apaixonam, ou escrevendo algum resumo bobo na varanda de sua casa e não perde a oportunidade de adicionar mais um livro a sua coleção de preferidos.

ENTREVISTA COM EMILLY AMITE, AUTORA DE DO OUTRO LADO DO ESPELHO

SINOPSE: Leona tem apenas dezessete anos e o mundo inteiro a espera. No último ano do ensino médio, a garota nem imagina que sua vida está prestes a virar de cabeça para baixo. Um portal se abre e a envia para o mundo de Amantia. Tudo em que sempre acreditou desmorona bem diante dos seus olhos e vai ser preciso mais do que coragem para sobreviver a essa jornada e voltar para casa. Acompanhada de um elfo negro, vai tentar chegar a Torre das Nuvens, mas não sem antes enfrentar as mais assustadoras criaturas mitológicas.


Como surgiu a ideia de escrever "Do Outro Lado Do Espelho”? A ideia do livro surgiu de uma brincadeira que eu fazia aos 7 anos de idade, tinha um espelho antigo no corredor da minha casa e eu ficava imaginando que do outro lado havia um reino e existia um outro eu lá. Aos 14, lembrei daquela brincadeira num dia que estava um pouco triste, sentada na cozinha de casa desenhando uns bonequinhos e dando nome a eles. Fiquei imaginando se outra pessoa entrasse por aquele espelho para viver nas histórias loucas que inventava. Daí decidi jogar “alguém” através daquele espelho, um dos bonecos palito ganhou vida em minha mente, aparência, personalidade... em seguida, eu a levei através do espelho.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Eu criei e recriei a história desde os quatorze, mas só no fim de 2011 eu decidi que aquela história ia ter que sair, acabei ficando sem escrever um tempo, até que criei coragem e ela ficou pronta em um ano depois de 17 revisões e modificações.

O que o leitor pode esperar de “Do Outro Lado Do Espelho”? De tudo, desde aventura, humor, drama e romance.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? J.K. Rowling, se não fosse por Harry Potter, eu jamais teria criado coragem pra começar a escrever um livro. Eu me inspirei na força que o livro me passou.

Se “Do Outro Lado Do Espelho” pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria? The Light – Disturbed. Só lendo e ouvindo pra saber o porquê!  (Risos).
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Tentando viver só do meio literário, além de escritora sou capista e diagramadora.

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Pode parecer clichê, mas nunca desistir dos seus sonhos, nunca deixar à vontade morrer! Existe um mundo de possibilidades que você só descobre se toda vez que cair, tiver coragem pra se levantar! Muito obrigada novamente pela oportunidade de falar um pouco de meu livro <3

Emilly Amite tem 26 anos e mora em Itaboraí - RJ.

PARA COMPRAR "DO OUTRO LADO DO ESPELHO" CLIQUE AQUI!

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

RESENHA DO LEITOR: DESEJO PROIBIDO

SINOPSE: Primeiro livro de uma trilogia, “Desejo proibido” é uma história de amor e redenção, de universos distantes que se aproximam e se fundem numa paixão avassaladora. Seu amor é proibido, mas não pode ser ignorado. Katherine Lane nasceu em berço de ouro. Filha e neta de senadores, a bela ruiva de olhos verdes e curvas perfeitas se formou em Literatura e surpreendeu a todos ao decidir dar aulas em uma penitenciária. Mas quando Carter, um detento inteligente e perigosamente sexy, desperta ao mesmo tempo a raiva e o desejo de Kat, ela é forçada a admitir para si mesma que a decisão de lhe dar aulas particulares pode ter sido motivada não pela generosidade, mas sim pela crescente atração entre os dois. Embora a família e os amigos de Kat temam que a paixão destrua sua carreira e sua vida, tudo o que ela quer é ficar com esse homem que a faz sentir-se completa. Porém Carter guarda um segredo que tanto pode unir seus destinos para sempre quanto afastá-los de uma vez por todas.


Ganhei Desejo Proibido no natal passado (palmas para os meu pais que me deram livros de presente kkkk).... Sim, demorei isso tudo para ler – não me julguem por isso! Sei que demorei muito para ler o livro e que ele não é nenhum lançamento, mas gostei demais da história e quero dividir como vocês minhas impressões sobre a história, o casal, enfim, sobre tudo! Borá lá? Em Desejo Proibido o leitor conhece Katherine Lane e Wesley lindo Carter. Kat ou Pêssegos (apelido mais fofo que Wes deu à Kat) é uma jovem professora de 25 anos. Ela decidiu ser professora após a morte de seu pai. Para continuar o legado do pai e ajudar as pessoas Kat foi trabalhar com detentos em Arthur Kill (prisão), indo assim, totalmente contra a vontade de sua mãe e amigos. Pêssegos, perdeu seu pai muito nova, aos 9 anos de idade... ela também teria morrido, porém um menino misterioso a salvou.


Tudo indo muito bem, obrigado! Até que um belo dia, Kat fica sabendo que terá um ALUNO NOVO. Isso mesmo!! Carter... bem, ele não é lá um doce de aluno. Carter é bem esquentadinho e isso é motivo para uma série de coisas. Carter está prestes a conseguir sua condicional, entretanto, para isso ele precisa de Kat e suas aulas. Mesmo que de primeira eles não tenham se dado tão bem, Kat encara o desafio de ajudar seu aluno gato lindo Carter. A grande questão é: Wesley Carter fica extremamente e estranhamente mexido pela bela professora. Mas, não é algo apenas carnal, uma atração física. É algo bem mais forte e “velho” que isso. Wes assim como Kat, possui um passado triste e várias escolhas erradas. Após muitas aulas e biscoitos Oreo com leite (comida predileta de Wes) Carter e Kat não conseguem mais resistir a força do amor, se entregando assim a um amor forte e avassalador! Agora só cabe ao casal fazer esse amor lindo dar certo!


– Me diga o que você quer – disse ele num tom rouco. – Continue olhando pra mim desse jeito e juro por Deus que lhe darei o que quiser.

Todo o foco da história do livro 1, é o casal – claro! Porém, a participação dos personagens secundários é de grande importância. Com uma narração em terceira pessoa, o livro me prendeu do começo ao fim. Mesmo sendo em 3ª pessoa, o leitor pode acompanhar a “visão” de cada personagem. Pois, os capítulos vão alternando entre Carter e Kat. Poder compartilhar o que o casal passou na infância e nos dias atuais só fez com que a leitura se tornasse mais forte e apaixonante. No geral amei tudo! Sou fácil assim kkkk – a leitura flui muito bem, as emoções dos personagens são bem descritas. O livro tem uma pegada hot, mas o amor entre eles é bem mais que as cenas de sexo... Já estou com o livro 2 na lista... e recentemente fiquei sabendo que existe um conto entre o livro 1 e o livro 2 (em breve resenha deles para vocês!). Bem, isso é tudo! Vou me despedindo por aqui! Beijos, Renara.


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: RENARA CABRAL PEREIRA PAVEZ
25 anos, capixaba e casada. Formada em pedagogia. Amo ler e dar aula. A leitura me faz viajar!

ENTREVISTA COM BIANCA RIBEIRO, AUTORA DE DOMINADORES - AS TRÊS DIVISAS

SINOPSE: Você conseguiria imaginar se todas as histórias de horror, monstros e guerras que sempre te contaram fossem verdade? Você consegue imaginar nascer humana e um dia acordar dominadora? Grace sempre acreditou que era humana, até o dia em que o primeiro monstro a encontrou. Todas as histórias que seu avô contava sobre os dominadores agora eram reais, e ela não estava mais segura ao seu lado. Agora ela deve partir para as três divisas, o lugar mais seguro para os jovens que se encontram em transição do mundo humano para o mundo caótico a que pertencem. Mas será que é tão seguro quanto dizem? Será que grace pode confiar naqueles ao seu redor?


Como surgiu a ideia de escrever “Dominadores – As Três Divisas”? A ideia de escrever "Dominadores" surgiu progressivamente, eu não sentei e pensei "Preciso escrever um livro", uma ideia inicial simplesmente surgiu e com ela foi desencadeando outras ideias, melhorias na estória, um enredo que encaixasse não só a estória de Grace, a personagem principal, mas também todos os personagens do livro. Eu me lembro que estava em casa quando a ideia de criar o mundo dos Dominadores surgiu, três espécies de descendentes dos Absques dividindo o mesmo espaço e enfrentando suas diferenças para sobreviver. Me lembro de ter essa espécie de "insight" e correr para o bloco de anotações mais próximo, onde escrevi essa ideia, e em seguida toda vez que voltava a pensar nela mais e mais ideias me surgiram, e quanto mais eu anotava, mais envolvida ficava com a estória. Um livro se formou através da minha imaginação.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Eu terminei o primeiro livro há cerca de 2 anos, na época, com as constantes ideias surgindo sem parar, ele foi finalizado em 2 meses, com algumas mudanças eventuais no enredo.

O que o leitor pode esperar de "Dominadores - As Três Divisas"? "Dominadores" é muito mais além de uma fantasia, ele traz à tona conceitos de família e o quão longe você iria e o que arriscaria para mantê-la segura, é sobre traição, amizade, mentiras, ambição pelo poder, coragem, preconceito, e vai te fazer questionar o que é certo ou errado para cada um de nós. No primeiro livro eu procurei expressar a confusão de Grace com todo o mundo Dominador, afinal ela acabou de descobrir que ele existe e que faz parte dele, é assustador para ela, mas o que mais a intimida não são as lutas que ela tem que enfrentar duramente, ou os domínios que tem que controlar, mas sim as verdades sobre sua vida e história que começam a vir à tona. A personagem principal está em uma constante mudança, desde o início do livro até o final ela evolui em seu pensar, agir e percebe que nem tudo é tão perfeito quanto ela sempre achou. Algumas feridas são abertas e os conflitos são inúmeros após isso. É uma estória progressiva, e a Grace tem muito a mostrar ao longo dela! Assim como os demais personagens que se tornam sua nova família, cada um deles vai te emocionar, eu garanto!

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Eu não tenho exatamente um autor favorito, admiro vários autores e procuro sempre me inspirar neles, seja em sua maneira de escrever ou a trajetória de vida. Mas dentre todos, as minhas favoritas são: J.K Rowling e a capacidade dela de criar um mundo tão incrível quanto o de Harry Potter, além da força e da perseverança que ela têm, que me serviu de exemplo para nunca desistir da minha obra. Veronica Roth também me inspira muito com "Divergente" porque eu tentei fazer com que a minha personagem fosse um modelo de coragem e força que a personagem "Tris" representa em "Divergente". Além delas, Gillian Flynn me encanta com a maneira que escreve e interliga todos os mínimos detalhes à conclusão dos casos dos seus livros mais conhecidos, como, por exemplo, "Objetos Cortantes" e "Garota Exemplar".

Se "Dominadores - As Três Divisas" pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria? Definitivamente "A Light That Never Comes" do Linkin Park, todas as cenas de luta, adrenalina e revolta foram escritas ao som dela. Além de que, acredito que ela revela em alguns versos a maneira como Grace se sente ao longo da trama.
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Eu sou estudante, faço faculdade de Psicologia.

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Não deixem de conferir "Dominadores", é uma obra que eu escrevi com muito carinho e dedicação. E para todos que gostam de viajar entre os diversos mundos dos livros: Sejam bem vindos ao mundo dos Dominadores, e que os Absques os protejam!

Bianca Ribeiro tem 18 anos e mora em Presidente Prudente - SP.

PARA COMPRAR "DOMINADORES - AS TRÊS DIVISAS" CLIQUE AQUI!

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: MASTER FREAK

SINOPSE: Após um acidente na fábrica onde trabalhava, Margot Küllon acaba sendo levada como escrava para um circo dos horrores moderno: um bordel de luxo onde todas as garotas têm alguma deformidade, e são forçadas a exibi-las no picadeiro para clientes que pagam fortunas para estar ali. Porém, algumas esquisitices são mais estranhas que outras: uma menina com múltiplos braços capaz de controlá-los e escondê-los dentro do corpo, super-força e habilidades físicas inimagináveis... E uma garota supostamente telecinética, cujo nome e origem dos poderes todos desconhecem: a chamada Master Freak. Forçada a ser parte do freakshow e sem entender como tudo isso é possível, Margot precisa encontrar uma maneira de desvendar estes mistérios e escapar do bordel antes que seja tarde. O que ela não sabe é que fugir do freakshow será apenas o começo de uma aventura que mudará sua vida para sempre.


Fala galera! Mais um Primeiras Impressões no ar e hoje vamos falar sobre os capítulos iniciais de Master Freak, da autora Iapsa e lançado pela Editora Sekhmet. Posso dizer que gostei MUITO desse livro e fiquei desesperado para saber a continuação dessa história que só tive acesso a 26 páginas!


No livro conhecemos Margot, uma jovem moradora de rua que possui uma deformidade: os ossos das suas costas são bem expostos, como se pudessem ser asas. Ela foi sequestrada pelos capangas de Elysia Corellan para Coney Island, um Circo dos Horrores moderno, onde ela e outras 10 jovens com outras deformidades vivem em cativeiro e são obrigadas se apresentarem no picadeiro do FreakShow.


As outras jovens que são consideradas aberrações possuem as mais diversas deformidades: três pernas, testosterona de dez homens, língua de cobra, tatuagem até nos olhos, duas pessoas dentro de uma (uma espécie de gêmeas siamesas), seis braços... Margot só quer sair dali e não quer ser usada como objeto de lucro para esse lugar. O problema é como fazer isso! Nossa heroína também não conheceu seus pais e essa é uma parte da sua história que a faz sofrer ainda mais.


Ela ainda precisa lidar com a acusação de ser uma assassina. Segundo os noticiários da TV, ela está sendo acusada de ser a responsável pelas 50 pessoas que morreram na fábrica onde Margot trabalhava que foi incendiada. Margot não se lembra de muita coisa desse dia, somente dos gritos de pânico, mas não faz ideia de como tudo começou, só lembra depois de acordar no hospital e ser capturada para se tornar a nova propriedade de Elysia.


Será que Margot conseguirá conviver com as demais e se preparar para sua apresentação no “Show de Aberrações”? Será que ela conseguirá fugir dali? Pode confiar em todas as garotas? Quem é Elysia e por que ela usa essas garotas? Essas e muitas outras perguntas que preciso de respostas só poderemos saber após ler o livro inteiro e preciso disso o mais rápido possível!!! A leitura do livro é envolvente, dinâmica e sem rodeios. A autora possui uma narrativa bem fluida e que nos deixa ávidos para saber as cenas dos próximos capítulos. Recomendo a leitura!


PARA COMPRAR "MATER FREAK" CLIQUE AQUI!

PARA VISITAR A FAN PAGE DO LIVRO CLIQUE AQUI!

PARA VISITAR A FAN PAGE DA AUTORA CLIQUE AQUI!

ENTREVISTA COM WESLEY ARRUDA, AUTOR DE CAÇADOR HERDEIRO: VENTO SUFOCANTE

SINOPSE: Pode haver coisas nas sombras que boa parte dos humanos desconhece. Seres sedentos, famintos, esperando a hora certa para atacar. Seres nojentos e demoníacos que usam suas vítimas como refeição; bebendo seu sangue, reaproveitando a carne, deixando apenas os ossos apodrecendo. Seres que estão por toda parte... Quem são eles? Como atacam? Qual o seu nível de perigo?! Zero comparado à força dos seus exterminadores, que se autointitulam "Caçadores". Heróis que demonstram força, inteligência, coragem. Heróis que estão entre nós - e mal sabe Diogo que é um deles. Após mudar-se de Belém para Honorário, não imaginava que sua vida mudaria drasticamente por conta de um destino desconhecido. O jovem garoto lida com pessoas estranhas à sua volta e pesadelos atormentadores envolvendo sombras de olhos vermelhos, mas essa não é a parte mais sinistra. O trabalho misterioso do pai aos poucos mostra-se perigoso para a família, e Diogo percebe que se contentar com os laços rompidos com os seus antigos amigos da outra cidade é o menor dos problemas que surgem com o tempo. Diretor assassino, motoqueiro misterioso, pessoas com olhos carmesim. Qual a conexão entre essas coisas? E qual a saída para esses problemas bizarros? Isso é algo que o garoto percebe que está só começando. Caçador Herdeiro - Livro 1: Vento Sufocante: a aventura que, além de ser emocionante, pode ser um tanto assustadora. Acompanhe, se aventura, e descubra junto com o jovem caçador os grandes mistérios que estão por vir. E Lembre-se: a sombra, na maioria das vezes, é onde o perigo permanece, abrigando coisas piores que a escuridão, escondendo o que há de pior no mundo, mostrando apenas na hora da morte.


Como surgiu a ideia de escrever “Caçador Herdeiro: Vento Sufocante”? Desde pequeno eu sempre gostei de ler e escrever, começando por uma fanfic que escrevi ao lado de um amigo, envolvendo inúmeros personagens de histórias diferentes, sejam elas desenhos animados ou animes. Nunca levei realmente a sério. Em 2010 comecei a escrever um livro de zumbis e nazistas (uma mistura doida) e, assistindo a alguns animes e tendo iniciado a leitura dos livros da saga Percy Jackson e os Olimpianos, veio a inspiração para criar Caçador Herdeiro (na época, sem um subtítulo). E desde então venho escrevendo. A minha vontade era que Caçador Herdeiro se transformasse em anime. Quem sabe, não é mesmo?

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Vento Sufocante, o primeiro livro da saga, ficou pronto quase dois anos depois do seu início, mas isso tem uma explicação: eu peguei o costume de escrever em um PC antigo que eu tinha, e ele deu pau. Fiquei meses sem escrever.

O que o leitor pode esperar de “Caçador Herdeiro: Vento Sufocante”? O leitor pode esperar aventuras malucas, exemplos de superação e amizade, emoção e, inevitavelmente, um pouco de clichê, especialmente nos capítulos iniciais.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma forma te inspiraram a escrever? Para ser sincero, eu não conheço tantos autores assim, mas um que me inspira bastante é o Rick Riordan. Eu sou apaixonado pelos livros dele, afinal, foi a primeira saga que eu devorei de verdade. Marcos Rey também é um autor que possui uma escrita e linguagem bem interessante também. Os dois me inspiraram.

Se “Caçador Herdeiro: Vento Sufocante” tivesse uma trilha sonora qual música você escolheria? Do Or Die, da banda 30 Seconds To Mars, provavelmente seria a trilha sonora. Se um dia a saga se tornasse mesmo um anime (uma coisa um tanto impossível), sem dúvidas, essa música seria uma das opening.
Você segue carreira apenas como escritor ou possui outra profissão? Eu pretendo ingressas na área da edição. Gostaria muito de trabalhar em editoras, seja como revisor, tradutor, seja como colunista ou algo do tipo. Seria bastante interessante. Afinal, eu sou apaixonado por literatura.

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Bom, meus queridos livreiros, embora nós, que escrevemos livros, sejamos escritores, também somos como vocês: leitores à procura de coisas boas para ler. A literatura é uma arte maravilhosa, na qual podemos viajar por mundos e terras diferentes, apenas viajando nossos olhos sobre as palavras. E continuem lendo. Sem leitor não existe livro. Vocês são a nossa motivação, porque escrevemos por amor, na intenção de que a nossa obra toque verdadeiramente o coração daqueles que a conhecem. Bom, eu não sou muito bom com palavras, mas é isso.

Wesley Arruda tem 21 anos e mora em São Paulo - SP.

PARA LER "CAÇADOR HERDEIRO: VENDO SUFOCANTE" GRATUITAMENTE NO WATTPAD CLIQUE AQUI!

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

RESENHA DO LEITOR: NÓS

SINOPSE: Certa noite, Douglas Petersen, um bioquímico de 54 anos apaixonado pela profissão, por organização e limpeza, é acordado por Connie, sua esposa há 25 anos, e ela lhe diz que quer o divórcio. O momento não poderia ser pior. Com o objetivo de estimular os talentos artísticos do filho, Albie, que acabou de entrar para a faculdade de fotografia, Connie planejou uma viagem de um mês pela Europa, uma chance de conhecerem em família as grandes obras de arte do continente. Ela imagina se não seria o caso de desistirem da viagem. Douglas, porém, está secretamente convencido de que as férias vão reacender o romance no casamento e, quem sabe, também fortalecer os laços entre ele e o filho. Com uma narrativa que intercala a odisseia da família pela Europa das ruas de Amsterdã aos famosos museus de Paris, dos cafés de Veneza às praias da Barcelona com flashbacks que revelam como Douglas e Connie se conheceram, se apaixonaram, superaram as dificuldades e, enfim, iniciaram a queda rumo ao fim do casamento, 'Nós' é, acima de tudo, uma irresistível reflexão sobre a meia-idade, a criação dos filhos e sobre como sanar os danos que o tempo provoca nos relacionamentos.


Nós é um romance muitooo bom de David Nicholls, aliás é o primeiro livro que leio desse autor e até aqui, só tenho elogios a fazer. Esse livro é um dos meus amores no momento. Nós é narrado por Douglas, um cientista muito inteligente, casado com Connie, uma artista. Connie se dedica a pintar quadros incríveis. Os dois se conhecem por intermédio da irmã de Douglas, a Karen. Sabe aquela coisa: Você precisa conhecer fulano de tal, pois é, e foi assim, que dois foram apresentados durante uma festa na casa de Karen. Logo Douglas está inserido em meio ao mundo dos artistas da qual ele nada tem em comum. E ainda acaba conhecendo o ex-namorado de Connie, Ângelo um sujeito bem bonito, porém Connie não merece o amor dele, um sujeito cheio de si e muito imaturo para ela. Douglas vai narrando toda sua vida por meio de pequenos capítulos, na verdade, cada narrativa, tem um pequeno título e essas narrativas se misturam em presente e passado, algumas coisas pra justificar acontecimentos recentes e até os tratamentos que ele recebe da esposa e do filho.


Douglas casa-se com Connie há 25 anos atrás, talvez por terem se apaixonados no primeiro encontro ou pela insistência de Douglas para que Connie gostasse dele. Com todo o seu jeito peculiar, seria mais difícil encantar alguém por muito tempo e hoje o casal está prestes a se separar, essa decisão partiu de Connie e o casal entra em acordo de fazer uma última viagem em família pela Europa, o “Gran Tour” junto ao filho, Albie. Aí começa uma grande aventura. Nosso protagonista é muito focado em sua profissão e como ele é um homem mais centrado, sem muitas emoções, costuma ser direto, parece não se importar muito com todo jeito emotivo da esposa, filho e de todos que estão a sua volta. Não é por maldade, é o seu jeito, lembre-se que ele é um cientista. O livro te levará realmente a um grande tour pelos principais museus da Europa. A família vive em Londres, então você pode sentir um pouco como é o funcionamento da cidade, metrôs, praças, museus. E isso se estende as cidades em que a família viaja, é quase uma aula de história sobre os museus e a arte expressa em que tem em cada um deles. E cada parte é dividida pelas cidades visitadas, na ilustração do mapa tem.


Douglas está tentando salvar seu casamento, mas ele tem aquele jeito diferente e não mudará. O filho Albie sempre foi apegado à mãe, desde pequeno, a mãe parece entender mais o rapaz e seus anseios em querer viver de arte. Douglas abomina essa ideia do filho ser um fotógrafo, queria que o filho fosse um inteligente engenheiro, algo assim, por isso, há muitas divergências de opinião entre os dois, afinal eles não são nada parecidos. Há muitos acontecimentos no Grand Tour, entre eles muitos desentendimentos, encontros e reencontros. Amei como tudo foi narrado com muito detalhe, sentimento, é uma viagem literalmente. O livro é uma doçura, de leitura agradável, divertida e muito leve. Douglas é um barato, me diverti muito com ele, fiquei imaginando as cenas e rindo muito, espero que vocês gostem também!!! E sabe quando você lê a ultima frase e fala ahhhh?! Foi muito bom! Leiam!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: GREISI SILVA
28 anos, administradora e artesã nas horas vagas, apaixonada por leitura e artes, não vivo sem música, poesia e cinema. Descobri que viajar é preciso e comer pipoca é fundamental para se ter boas ideias.

ENTREVISTA COM ALLISON RDS, AUTOR DE AOS OLHOS DE AYO

SINOPSE: Brasil – 1864. Um navio brasileiro é atacado no rio Paraguai e um importante membro da corte do império é sequestrado. Após invasões violentas e terríveis massacres em terras brasileiras, explode a Guerra do Paraguai. As vidas de Barbara, Miguel, Enzo e Yolanda viram de cabeça para baixo e se misturam à saga de Ayo, um escravo brasileiro que se vê em meio aos fatos mais violentos do conflito e descobre que além da proteção de seus orixás, precisará se misturar a guerra para salvar seu povo de um terrível destino. Aos olhos de Ayo é um livro de fantasia histórica que mescla fatos da maior guerra travada no Brasil, a fatos fantásticos. Onde deuses se misturam a homens comuns e os tornam gigantes na luta do bem contra o mal.


Como surgiu a ideia de escrever “Aos Olhos de Ayo”? Aos olhos de Ayo surgiu com a necessidade de ler um romance que tivesse como pano de fundo a guerra do Paraguai, sempre tive vontade de saber mais sobre a guerra, os fatos que culminaram no conflito e como terminou e por incrível que pareça encontrei apenas um livro o Maldita Guerra do Francisco Doratioto, que acabou se tornando uma das referências bibliográficas para a construção do meu livro. Acho que isso ainda falta muito na literatura nacional, os nossos leitores conhecem mais sobre a história da independência americana ou do império romano que a história do nosso país, o que formou o Brasil como é hoje e os fatos que formaram a nossa população. Acredito que os leitores sentem falta de histórias fantásticas que mostrem a realidade que conhecem a vida toda, pelo menos eu sempre senti falta disso... Então como escritor me comprometi a encarar esse desafio desde o meu primeiro trabalho, sempre ambiento minhas histórias no Brasil, mas além dos fatos históricos misturo fantasia e para contextualizar ainda mais os fatos em Aos olhos de Ayo eu trago além da guerra a mitologia da cultura Iorubá.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Estou começando a escrever o terceiro e último livro da saga. Não consegui colocar todos os acontecimentos em um único volume, pois além da história da guerra, do contexto social do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, também trago como protagonista um escravo (Ayo) que tem a proteção incondicional de seus orixás e se vê em meio ao conflito entre as nações. Já escrevo Aos olhos de Ayo há um ano e meio mais ou menos...

O que o leitor pode esperar de “Aos Olhos de Ayo”? O leitor vai conhecer os fatos da maior guerra travada na América do Sul pela visão de alguns personagens: Ayo, Bárbara, Miguel, Diego, Chico e Yolanda vão misturar suas histórias pessoais com a história social dos países envolvidos no conflito, Além da história os leitores podem esperar muitas cenas fantásticas, batalhas épicas, traições, superações, romance... Quero muito que as pessoas conheçam este livro e se encantem com o mundo real se fundindo com o mundo fantástico de Orum...

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Meu autor preferido é o Ken Follet. Também sou muito fã de Stephen King e André Vianco. Eles me inspiram sempre, Os Pilares da Terra foi o livro que despertou o desejo de me tornar escritor e a visão dos fatos históricos narrados por diversos personagens na trilogia O século sempre me inspiram.

Se “Aos Olhos de Ayo”  pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria? Nossa, essa é difícil... Eu vejo este livro como um filme complexo e cheio de reviravoltas, acredito que para cada personagem teríamos que ter uma trilha diferente... Mas com certeza escolheria The Scarecrow do Avantasia pra alguma cena fantástica, pra batalha do Riachuelo Territory do Sepultura... Como sempre escrevo ouvindo Metal estourando os meus ouvidos vai ser meio difícil não citar as bandas que gosto... (risos)
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Tenho outra profissão, sou enfermeiro de Centro Cirúrgico. Adoro o que faço em ambas as profissões.

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Muito obrigado pela oportunidade da entrevista, gostaria de pedir aos leitores que conheçam nossos escritores, conheçam nossas histórias. Temos muita gente boa nas editoras pequenas que precisam de leitores fiéis. Obrigado!!!!

Allison RDS tem 36 anos e mora em Ribeirão Preto - SP.

PARA COMPRAR "AOS OLHOS DE AYO" CLIQUE AQUI!

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: PORCELANA

SINOPSE: Centralia é uma cidadezinha sombria, onde os cidadãos são muito supersticiosos. Eles acreditam que o mal habita a floresta que os cerca, e de fato, eles não estão errados. Está chegando o famoso evento na cidade, o Rubrum Luna, também conhecido como a Lua de Sangue. É comemorada uma semana de festa, sendo que no último dia é quando acontece o eclipse. Nessa época qualquer feitiço tem mais chance de sucesso. Violet Demons, uma vampira cruel e poderosa está ansiosa para o festival, mas mal sabe ela que algo terrível está para acontecer. Sua maior ambição é entrar para a corte dos vampiros, mesmo que para isso tenha que pagar um alto preço. Com sua fiel escudeira, Sona Price, Violet não teme ninguém, mas poderia ela temer o seu passado? E se ele visse bater a sua porta assim como a morte lhe dá as boas-vindas?


Fala galera! Hoje é dia de Primeiras Impressões e vamos falar sobre o livro Porcelana: Rubrum Luna, da autora Géssica Marques. Géssica é a fundadora do Blog Cantinho Geek e ainda trabalha como capista e diagramadora. Você pode conferir a entrevista que a autora deu para o Blog falando sobre seu livro clicando aqui! O livro se passa em Centrália, pequena cidade mística localizada na Pensilvânia. A história tem um breve prólogo em 1790 e depois avança para o ano de 1881. Na história conhecemos Violet Demons, uma vampira sexy, sedutora, mas muito cruel que se alimenta do sangue de crianças, que se transformam em bonecas e bonecos de porcelana após isso. Violet vive na floresta da cidade, um lugar onde os moradores temem adentrar.


Os moradores de Centrália além de supersticiosos, tem um toque de recolher e não vagam pelas ruas após as 22h temendo o “mal”. As pessoas de Centralia acreditam que dentro da floresta vagam criaturas maléficas como demônios, bruxas, lobisomens e até mesmo vampiros. Apesar disso, a Cidade Sombria recebe muitos turistas, que vira e mexe acabam desaparecendo. O evento mais esperado da cidade e que atrai muitas pessoas é o Festival Rubrum Luna ou Lua de Sangue. O festival dura uma semana e tem esse nome devido a um eclipse que acontecia a cada 50 anos, onde a lua se tornava rubra como se estivesse sangrando. Quem mais aproveita o Rubrum Luna são os turistas e os outros seres que habitam aquela região.


Nos capítulos iniciais que tivemos acesso ainda descobrimos que Violet que fazer parte da Coorte de Vampiros, mas é rejeitada por ser mulher. Lá ela encanta um jovem e obtém seu apoio e de seu primo, Pietro. Como o festival está chegando, Violet convida Pietro para ficar em sua mansão, o que faz seu primo ficar revoltado por não ter sido chamado também, já que ele não tira a vampira da cabeça desde que a viu e a deseja como nunca desejou alguém antes. A história é muito bem escrita e consegue prender o leitor logo do começo, quando dei por mim já tinha terminado os capítulos enviados pela autora e já estava ansioso para saber o que aconteceria. O livro tem uma leitura fluida e uma diagramação muito bela. E ainda possui partes bem picantes para aqueles que gostam de um romance BEM HOT será um prato cheio. Adicione a essa mistura, uma fantasia dark, mistério, suspense e pronto! Porcelana é um livro que tem tudo para agradar! Recomendo a leitura!


PARA COMPRAR "PORCELANA" CLIQUE AQUI!

ENTREVISTA COM CARLOS HENRIQUE ABBUD E FLÁVIA GONÇALVES, AUTORES DE A VIDA É UMA TARDE DE CHUVA

SINOPSE: Saiba que há um monstro escondido em Desídia. E ele se alimenta de vida interior. Glenn está sozinha no mundo. Vive na estrada, entre pontos de partida e destinos igualmente irrelevantes. Imersa em seu nada, pega carona com um estranho escultor. Os dois sofrem um acidente, causado por um homem prestes a tirar a própria vida. Ferida, ela é carregada para Desídia, um vilarejo misterioso e esquecido pelo tempo. Quando descobre que, ali, os sonhos, os laços e o amor cobram um preço alto demais, como sempre faz, decide fugir das pessoas, dos problemas, de tudo. Mas sua vida pode mudar para sempre em uma tarde de chuva.


Como surgiu a ideia de escrever "A Vida é uma Tarde de Chuva"? A ideia para o livro veio realmente em uma tarde de chuva (risos). Conversávamos sobre a impossibilidade de irmos a um lugar desejado porque o tempo havia virado. Presos em casa, chegamos a esse pensamento: "A vida não é mesmo nada além de uma longa tarde de chuva. Você pode ficar olhando para fora, praguejando por não poder ir aonde quer, ou aproveitar o tempo da melhor maneira". Mais tarde, surgiu Glenn, a protagonista, e usamos esse tema para contar sua história.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? O primeiro tratamento levou exatamente um mês, porque o escrevemos durante o NaNoWriMo de 2015 (O NaNoWriMo é um evento que ocorre todo ano em novembro, durante o qual escritores do mundo inteiro aceitam o desafio de escrever uma história de 50.000 palavras em 30 dias). Logicamente, essa primeira versão passou por uma série de ajustes, enquanto estávamos envolvidos com vários outros projetos, até sua forma final, em janeiro deste ano. Então, A Vida é uma Tarde de chuva levou um ano e dois meses para ficar pronto.

O que o leitor pode esperar de "A Vida é uma Tarde de Chuva"? O enredo de "A Vida é uma Tarde de Chuva" é sobre aprender a encontrar felicidade em um mundo repleto de dificuldades e limitadas escolhas. É sobre tirar proveito de experiências simples, que podem significar muito. “Nada sobrevive ao abandono”. Esse é o mote da história, que se passa inteiramente em Desídia, um vilarejo peculiar cujo passado glorioso deu lugar a um presente decadente, graças à inércia de seus habitantes. Ao mesmo tempo, mergulhamos fundo no universo interior dos personagens, suas visões de mundo e memórias da infância, o quanto as coisas vividas podem refletir no jeito como as pessoas são e encaram o mundo. Aos poucos, a protagonista aprende a olhar para fora, para os outros, e isso culmina com a descoberta do amor e de um propósito para a própria existência. Além disso, a história tem elementos fantásticos que servem como metáfora para extrapolar situações e indivíduos facilmente identificáveis nas vidas de todos nós. Como inovação, o livro introduz o conceito de artomancia – um sofisticado tipo de arte que funciona como uma sutil magia – e também apresenta os infestos, criaturas que, infiltradas entre os homens, alimentam-se exclusivamente de sonhos, expressões criativas e emoções.

Qual autor ou autora são seus preferidos? 
Eles de alguma maneira os inspiraram a escrever?
Carlos: No início da adolescência, não fugi do kit básico de todo nerd: Tolkien e Robert E. Howard. Cada um, a seu modo, deu forma a mundos e personagens inesquecíveis para mim. Devo dizer que o que me atraía em suas obras era mesmo a aventura e a magia. Mais tarde, vieram Stephen King e sua escrita competente, espontânea e envolvente; Isaac Asimov, Douglas Adams, Milan Kundera... São muitos favoritos para mencionar aqui. Porém, meu livro preferido de todos os tempos é "A Revolta de Atlas", de Ayn Rand. Admiro o jeito claro e metódico com que ela escrevia, o cuidado com cada palavra escrita. Ayn Rand conciliava uma extensa aventura cheia de reviravoltas e profundos conceitos filosóficos de maneira única.
Flávia: Desde a adolescência, conheci muitos autores diferentes e certamente cada um me inspirou um pouquinho para começar a escrever. Dentre esses autores, alguns me marcaram mais: Lygia Bojunga (A Bolsa Amarela), José Mauro de Vasconcelos (O Meu Pé de Laranja Lima), Maurice Druon (O Menino do Dedo Verde), Coleção Vaga-Lume, José de Alencar (Senhora), Robin Cook (Coma, Medo Mortal, Cérebro, etc), Ken Follet (Um Lugar Chamado Liberdade), Umberto Eco (O Nome da Rosa), Agatha Christie (Assassinato na Casa do Pastor) e por aí vai... No caso de "A Vida é uma Tarde de Chuva", podemos dizer que o tom da narrativa encontra paralelos com o trabalho de Neil Gaiman, ao mesmo tempo em que o lado da fantasia é bem no estilo que Stephen King emprega em trabalhos como "O Talismã", por exemplo.

Se "A Vida é uma Tarde de Chuva" pudesse ter uma trilha sonora qual música vocês escolheriam? Excelente pergunta! Durante o trabalho, elegemos para a história uma "música tema", que é a Rainmaker, do Iron Maiden. Há, inclusive, um trecho dela, abrindo o livro: “Você me diz que podemos começar a chuva. Você me diz que todos nós podemos mudar. Você me diz que nós podemos encontrar algo para lavar as lágrimas." Toda a música casa perfeitamente com a aventura vivida por Glenn.  
Vocês seguem carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Além de escrever, somos professores, designers, músicos e produtores culturais.

Deixem uma mensagem para nossos leitores: Antes de tudo, agradecemos muito pela oportunidade! Foi um prazer responder as perguntas para o Blog Vitamina Livros! "A Vida é uma Tarde de Chuva" é o nosso segundo romance em parceria e será lançado durante a Bienal 2017, pela Editora PenDragon. Estamos muito felizes por todo o feedback positivo que temos recebido dos leitores, parceiros e colegas, desde que o anunciamos. Vocês, que já se dizem fãs de nosso trabalho desde o lançamento de Alice Black, não fazem ideia do que isso significa para nós. Aos novos leitores, sejam muito bem-vindos! Esperamos, sinceramente, que gostem dos mundos que criamos! E fiquem todos à vontade para entrar em contato conosco! Beijos e abraços!

Carlos Henrique Abbud e Flávia Gonçalves tem 39 e 38 anos, respectivamente e moram em Nova Friburgo - RJ.

PARA VISITAR O SITE DOS AUTORES CLIQUE AQUI!

PARA VISITAR A FAN PAGE DO LIVRO CLIQUE AQUI!

PARA COMPRAR "A VIDA É UMA TARDE DE CHUVA" CLIQUE AQUI!