quinta-feira, 31 de maio de 2018

RESENHA DO LEITOR: O CHEIRO DO RALO

SINOPSE: O Cheiro do Ralo (2002), primeiro romance de Lourenço Mutarelli (que já era figura consagrada no mundo dos quadrinhos), chegou às livrarias revestido de lenda viva: ele o teria escrito em apenas cinco dias, durante um feriado de carnaval. Mito ou verdade, a linguagem do livro demonstra urgência incomum, correspondente ao seu curto período de composição. Apesar de ser uma narrativa introspectiva, a ação não cessa em nenhum momento dessa obra violentamente poética, que deu novo rumo à ficção brasileira contemporânea. O protagonista, proprietário de uma loja de quinquilharias, transforma o comércio em um sistema sádico para afligir seus clientes, tão desesperados quanto ele próprio. Obcecado pelo cheiro do ralo que vem dos fundos da loja e pela bunda da garçonete do bar onde almoça todos os dias, o narrador (um sósia do “moço que faz o comercial do Bombril”) naufraga aos poucos em seus delírios. Entre a bunda e o ralo, não lhe resta saída que não seja ir para o buraco.


O Cheiro do Ralo, primeiro romance do renomado escritor de quadrinhos Lourenço Mutarelli, é o tipo de livro “estranho”, em que você primeiro tem que se despir dos pré-conceitos, que geralmente temos, para depois poder ler. O livro, contado em primeira pessoa, tem como narrador um anti-herói, sem nome, vendedor de quinquilharias e que tem prazeres e obsessões bastante peculiares (peculiares meeeeeeeesmo), que com o desenvolver da história se torna até um pouco detestável.


Muitas coisas acontecem no meio dessa história, entre as compras e vendas, uma paixão aguda e incontrolável por uma bunda e um cheiro terrível que vem do ralo, com cheiro tão horrível que pode ser comparado ao próprio inferno, o narrador cria uma dúvida em si, afinal o cheiro que vêm do ralo não é dele mesmo?


Devo confessar que este humor me prendeu desde o começo e me fez devorar o livro todo rapidinho. Com a narrativa leve e engraçada, com um toque de palavrões e gírias, nos faz entrar na história e imaginar realmente os personagens em um cenário extremamente “povão”, o que rendeu a adaptação para um filme, que leva o mesmo título do livro e que fez jus a história original (recomendo). O estilo de escrita que o Mutarelli adotou nesta em O Cheiro do Ralo é ótima e combina muito com o enredo, faz parecer que estamos lendo uma HQ (apesar da falta de desenhos e balõezinhos). Simples, mas com tantos detalhes e sacadas que ao ler você pode ser sugado para dentro do livro, ou, quem sabe, “tragado por um ralo”.



VITAMINAS:

RESENHA ESCRITA POR: TAY RAMONE
18 anos, catarinense, estudante de medicina veterinária, apaixonada pela leitura. Tem um amor imenso por Stephen King, Ramones e animais.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

ENTREVISTA COM WELLINGTON BUDIM, AUTOR DE TEU PECADO

SINOPSE: Uma garota que foi assassinada de forma brutal é encontrada boiando no lago do parque do Ibirapuera. As investigações levam os oficiais de justiça a acreditarem que estão diante do crime perfeito, até que uma pequena prova é encontrada durante a autópsia. Um papel com uma letra e dois números: R67. A garota é Amanda Fortes, uma stripper do Babylon Night Club, e seu assassinato se torna uma incógnita nas mãos da polícia. Enquanto as investigações prosseguem, as pessoas que a conheciam tentam entender quais motivos alguém teria para fazer algo tão hediondo com a garota e, então, segredos de um passado não tão distante começam a vir à tona, fazendo com que mais mentiras sejam contadas. Ninguém é tão inocente quanto aparenta ser, e o assassino de Amanda sabe disso. Qual terá sido o seu pecado? Teu pecado é o livro de estreia de Wellington Budim e promete prender o leitor do começo ao fim neste suspense policial.


Como surgiu a ideia de escrever "Teu Pecado"? Sempre gostei de escrever, mas não sentia confiança para mostrar a alguém. Então um dia eu tomei coragem e disse: Está na hora de publicar o meu livro. E como as minhas histórias anteriores eram grandes demais, resolvi começar do nada. Um livro novo e com uma quantidade menor de páginas (o que não aconteceu no final rs). A ideia surgiu de repente. Eu estava indo para o trabalho e pensando sobre o que poderia escrever. Então pensei em algumas situações vividas, onde sempre tinha alguém apontando o defeito do outro sem antes olhar para o seu. Daí surgiu “Teu Pecado.” (O “Teu” no título foi proposital, para passar essa ideia de egoísmo, de apontamento). Foi uma sucessão de informações surgindo todas ao mesmo tempo. Em questão de minutos eu tinha em minha mente o título do livro, os personagens principais e todo o enredo; a história de um Serial Killer que condenava e cobrava o erro das pessoas sem ao menos levar em conta que ele também errava. E errava de uma forma até mais grave do que suas vítimas, eu diria.

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Entre o planejamento e a conclusão foram quatro anos. Porque eu tive alguns impasses no meio do caminho que me fizeram abandonar a escrita por certo tempo. Fiz o esboço, escrevi cerca de dez capítulos e parei. Escrevia um ou outro quando sobrava tempo e quando decidi que era a hora de terminar, demorei cerca de cinco meses para escrever os trinta e três capítulos restantes.

O que o leitor pode esperar de "Teu Pecado"? Um enredo forte. Com personagens marcantes e uma trama cercada por muitos segredos e reviravoltas, onde todos são vítimas e ao mesmo tempo todos são culpados. O suspense está presente do prólogo até o último capítulo, como também está presente muitos mistérios que farão com que o leitor fique com a chamada “pulga atrás da orelha.” O que me chama a atenção em “Teu Pecado” e acho que vai chamar a do leitor também é que os personagens são muito humanos. Riem, choram, amam, odeiam, cometem erros e pecados como todos nós. Até mesmo os vilões acabam tendo seus momentos de heroísmo. Afinal ninguém é vilão ou herói o tempo todo, não é mesmo? Costumo dizer que todas as pessoas possuem o seu lado 50% bom e 50% mau. Cabe a cada um escolher em qual deles quer se manter a maioria do tempo. Aqui, os personagens são pessoas que poderíamos encontrar no trabalho, no shopping ou até mesmo na esquina da nossa rua. A diferença é que a maioria deles escolheram caminhos errados no passado e um belo dia, são confrontados pelas consequências dessas escolhas.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Tenho bastantes autores ocupando um lugar em minha estante, mas há um em especial que eu lia ainda moleque, e que tive a oportunidade de ler e reler toda a sua obra; Sidney Sheldon. Certamente ele foi o incentivo que eu precisava para começar a construir minhas próprias histórias.

Se "Teu Pecado" pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria? Na verdade existem duas músicas que seriam indispensáveis na trilha sonora. Aliás, elas são citadas no decorrer da história. A primeira é o noturno em mi bemol menor op.9 nº2 de Chopin que é a música preferida do assassino.  E a segunda é My Sacrifice do Creed, citada pelos personagens da boate Babylon Night Club. Eu precisei ouvir muitas vezes enquanto criava as cenas.
Deixe uma mensagem para nossos leitores: Querido leitor, espero que a leitura seja a você tão prazerosa quanto foi para mim ao escrever esta história. E que devorar insaciavelmente este livro seja o seu único pecado.

terça-feira, 29 de maio de 2018

RESENHA DO LEITOR: O OCEANO NO FIM DO CAMINHO

SINOPSE: Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino. Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.


"Adultos seguem caminhos, crianças exploram."

Fantasia? Romance? Terror? Ainda não defini o gênero, mas sei que este é um livro fantástico. Publicado em 2013, pela Editora Intrínseca, a obra nos transporta à um mundo repleto de seres fantásticos e poderosos, onde tudo é possível e o inimaginável se torna corriqueiro. O livro é literalmente uma viagem ao passado, à infância do protagonista que, em viagem à sua cidade natal (Sussex, Inglaterra), se vê envolto em lembranças e incertezas. O protagonista, agora aos quarenta e poucos anos, mergulha nas lembranças de seus 7 anos, quando conheceu Lettie Hempstoch, que se tornaria sua melhor amiga e companheira de aventuras extraordinárias.


Lettie vivia na fazenda da família, com sua mãe e avó. Aos poucos a menina apresenta ao nosso herói seu mundo e uma nova visão da realidade. O suicídio de um minerador que alugava um quarto na casa de sua família, leva nosso herói ao início da aventura mais estranha e assustadora de sua vida. Um suicídio que desperta forças sobrenaturais que jamais deveriam ser perturbadas. Ao ser entregue, juntamente com sua irmã, aos cuidados de Úrsula Monkton, uma suposta babá, que na verdade é um ser maligno, o garoto e sua nova amiga, precisam enfrentá-la e derrotá-la e para isso contarão com a ajuda da mãe e avó de Lettie, que nos revelarão várias surpresas ao longo da trama.


“Nada nunca é igual. Seja um segundo mais tarde ou cem anos depois. Tudo está sempre se agitando e se revolvendo. E as pessoas mudam tanto quanto os oceanos.”

Na fazenda de Lettie havia um misterioso lago e lá, tudo parecia possível. Ela insistia em chamá-lo de "oceano" e só depois nosso protagonista entenderia o porquê. O final da obra é surpreendente, encantador e deixa margem a imaginação. Este é o primeiro livro de Neil Gaiman que leio, e confesso, estou encantada com sua escrita.


"O tempo é uma força da natureza que não podemos controlar e com o passar dos anos esquecemos sensações, lembranças, cheiros, vozes e muitas coisas que um dia foram essenciais em nossa vida, e talvez, no futuro um pequeno fragmento de memória possa nos trazer a mais sutil lembrança de uma vida à muito esquecida."

VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

terça-feira, 22 de maio de 2018

VEM AÍ A ANTOLOGIA DEUSES GREGOS E NÓRDICOS

SINOPSE: Deuses, criaturas, seres sobrenaturais e lendas pré-cristãs reunidas nessa Antologia que irá te surpreender! Histórias atuais inspiradas nessas lendas, novas versões dos clássicos e uma abordagem diferente dos heróis e vilões que conhecemos. Romance, suspense, terror, fantasia e muita aventura esperam por você. Abra a Caixa de Pandora e aproveite a leitura!


Se você gosta de escrever e de mitologia grega e nórdica essa é sua chance!!! A Darda Editora lançou a Antologia Deuses Gregos e Nórdicos, organizada por este autor que vos fala, Rodrigo Fonseca. Será um projeto muito bacana onde vamos explorar esses mitos clássicos. Os contos poderão ser nos seguintes gêneros: Romance, suspense, terror e fantasia. Você pode recriar uma lenda clássica ou uma nova versão no passado, presente ou futuro. O personagem da mitologia pode ser o vilão ou o mocinho da história, pode ser um coadjuvante também desde que tenha relevância no conto.


Algumas informações sobre a Antologia:
Cada participante poderá enviar quanto contos quiser.
O participante se compromete a pagar a taxa de R$ 60,00 – para fins de despesas de editoração, publicação e frete normal (registro econômico), – no caso de ser selecionado para esta edição, até a data especificada pela editora. 
Cada autor selecionado receberá 1 (um) exemplar do livro por conto/taxa.
Os contos deverão ser escritos no Microsoft Word, nas seguintes configurações: fonte Arial, tamanho 12, justificado, em espaçamento simples. Deverão ocupar o máximo de 4 (quatro) páginas, tamanho A4 com todas as margens 2 cm.
As inscrições serão validadas mediante envio da obra, juntamente com a ficha de inscrição solicitada por e-mail coletaneas@dardaeditora.com.br e rodrigofonseca.job@gmail.com e preenchida. O comprovante do pagamento da taxa também deverá ser enviado para o supracitado e-mail.
Prazo para enviar: 14/05/2018 até 15/06/2018


Sobre o organizador: Rodrigo Fonseca é autor dos livros Projeto 94 e Genes Letais. Participante das antologias: Ninguém vai sobreviver, Quando a escuridão bate à porta, Contos de A à Z, Bruxas – Da Sedução à Perdição, King Poe Lovecraft – Do terror ao horror, Eles estão entre nós, Enquanto eles se espalham, A Colônia Perdida de Roanoke e organizador da Antologia Quando a noite cai.


O Prefácio da Antologia Deuses Gregos e Nórdicos será escrito por Manu Saraiva, autora de A Maldição de Bastet.


Autora Convidada: Joyce Santana, autora de O Mais Profundo dos Oceanos.


Autora Convidada: Carolina Siqueira, autora de A Herdeira do Trono.


Autora Convidada: Karol Melo, autora de contos que compõem as Antologias Ninguém Vai Sobreviver e Creepy Pastas e criadora do Blog Verdades e Poesias.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

RESENHA DO LEITOR: A ESFINGE DOS GELOS

SINOPSE: Trata-se de uma homenagem de Verne ao escritor americano Edgar Allan Poe, na forma de uma continuação da história e geografia retratada nos eventos e descobrimentos do "livro inacabado" de Poe, chamado "A Narrativa de Arthur Gordon Pym". Relata as expedições em busca de um continente austral. A aventura inicia-se nas Ilhas Kerguelen e perpassa os grandes arquipélagos do Atlântico Sul, a bordo da escuna Halbrane. É narrado a partir das observações de Jeorling, um americano que tenta voltar para sua terra.


“O espírito aventureiro dos homens desvenda o segredo da insólita natureza dos gelos árticos”

Apesar de toda a beleza e mistério que envolvem as obras de Júlio Verne, e apesar desta, em particular, também envolver mistério, suspense e aventura, confesso que a leitura foi um tanto maçante. Com uma linguagem rebuscada e detalhista, o autor descreve  características geográficas e históricas das paisagens onde acontece toda a trama. As personagens são descritas física e psicologicamente, dando ao leitor uma visão pormenorizada das intenções dos diálogos e atitudes de cada uma. "A Esfinge dos Gelos" homenageia o escritor americano Edgar Alan Poe, dando segmento à sua obra inacabada "A Narrativa de Arthur Gordon Pym".


Repleta de viagens desbravadoras e contos fantásticos, temos uma narrativa em primeira pessoa. O pesquisador Jeorling é nosso protagonista. Este, parte numa aventura que o leva em busca de provas da existência das personagens da obra de Poe. Por ser um romance repleto de contos fantásticos, o livro escrito por Poe é considerado ficção. Ao conhecer o Capitão Len Guy, Jeorling não acredita serem críveis suas narrativas. Este, afirma não apenas conhecer todas as personagens do livro de Poe, mas também ser irmão de um deles. Tendo que viajar na embarcação do Capitão, já que esta é a única forma de deixar a ilha em que se encontra, Jeorling continua a duvidar das histórias deste, até que durante a viagem, estranhos acontecimentos e uma prova cabal da existência e veracidade dos fatos narrados por Poe e pelo Capitão, vem à tona.


A partir daí os tripulantes da "Halbrane" (embarcação em que se encontram), vão em busca da "Jane" (embarcação que transportava Arthur Pym e seus marinheiros, onze anos atrás). A leitura foi cansativa, mas valeu a pena. O livro está dividido em duas partes, sendo que a segunda nos trás muito mais ação e aventura. Enfim, recomendo este livro aos fãs de Poe e Verne. Aos demais "talvez" seja uma leitura cansativa, mas esta é apenas minha opinião. Espero que, ainda que por curiosidade, vocês leiam e tirem suas próprias conclusões.


VITAMINAS


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

OPORTUNIDADE: VEM AÍ A ANTOLOGIA QUANDO A NOITE CAI


SINOPSE: Quando o sol está em seu auge, brilhando e iluminando tudo, temos maior sensação de segurança, afinal tudo está às claras. As pessoas andam tranquilamente, resolvem seus problemas, vão para o trabalho... Mas já pararam para pensar por que a noite é diferente? Por que será que é tão vazia? Por que não encontramos pessoas de um lado para outro? A resposta é simples, eles temem a noite. Não só pelo fato da escuridão, mas pelo que se esconde nela. Diversas vezes ouvimos relatos de acontecimentos noturnos e histórias que causam arrepio. Pessoas desaparecem, ou muitas vezes, escapam por pouco de criaturas que causam o caos. A missão desta antologia é contar o que a noite nos reserva. É tirar o seu véu e revelar o que de terrível nas sombras. Explore todas as mitologias. Viaje pela penumbra e encontre seus maiores medos para nos contar o que acontece Quando a Noite Cai.



Não podemos negar que a noite tem um que de mistério, não é mesmo? A proposta dessa antologia é justamente explorar isso. Conversamos com Ariel Gomes, idealizador desse projeto trevoso que nos contou um pouco mais sobre como tudo começou e o que nos aguarda esse livro. Confiram!

Como surgiu a ideia de organizar a antologia com esse tema? Que histórias, filmes ou situações te inspiraram? Bom, a ideia surgiu do nada. Eu estava procurando alguma antologia com um tema parecido, mas não estava encontrando, então, por que não organizar uma? Sempre fui encantado pela noite, mas também, sempre tive medo. Filmes de terror me inspiraram já que sou viciado neles. As histórias de criaturas noturnas são fascinantes e precisava reuni-las em um só lugar.

Sobre os outros organizadores, como surgiu essa parceria? O Rodrigo é um parceiro que a mundo literário me enviou e sou muito grato por isso. O conheci através de outras antologias que estamos juntos e por causa do seu livro Projeto 94 que eu devorei e super recomendo.  Conheci a Débora através do trabalho, ela é uma capista incrível e a contratei algumas vezes, logo já estávamos próximos e depois que li Riso da Morte tive mais certeza de que tudo daria certo. Não demorei muito para perceber que esses dois seriam perfeitos para me ajudar na organização. A trindade das trevas, então nasceu.

O que os leitores podem esperar do prefácio e dos contos dos autores e convidados? O prefácio estará incrível. Marcus Barcelos topou fazê-lo e ficamos em êxtase quando recebemos seu aceite. Esse cara arrasa em tudo! Chamamos um baita time para compor nossa antologia, e só tem gente forte no gênero, então esperem contos de arrepiar. Dos selecionados, sei que serão incríveis. Tem muito autor bom escondido por ai e espero de coração que eles estejam em nosso projeto.


Quais são alguns benefícios de mandar um conto para essa antologia? O que ela oferecerá para os autores selecionados? Os contos serão todos ilustrados individualmente para trazer ainda mais originalidade para a história. Além de oferecermos, na cota dos autores selecionados, o livro da antologia em capa dura.

Confira o time de autores convidados:





A antologia receberá contos no estilo Fantasia, Dark Fantasy, Suspense, Terror e Aventura e poderão participar da antologia autores a partir de 16 (dezesseis) anos.

Todos os contos terão uma ilustração exclusiva.

Serão aceitos contos com no máximo 10 mil caracteres com espaço.

Serão pagos como direitos autorais pelos livros impressos e digitais: OPÇÃO A: 1 (um) livro CAPA DURA + 3 (três) livros COMUNS para cada autor e 10 (dez) marcadores de página com a arte da capa. OPÇÃO B: 5 (cinco) livros COMUNS para cada autor e 20 (vinte) marcadores de página com a arte da capa.

Para auxiliar os custos de impressão, divulgação e brindes, o autor que tiver seu conto selecionado compromete-se a pagar uma taxa no valor de R$250,00 (duzentos e cinquenta reais), podendo ser parcelado em até 3 vezes.

PARA LER O EDITAL COMPLETO CLIQUE AQUI!

terça-feira, 15 de maio de 2018

RESENHA DO LEITOR: A MALDIÇÃO DE BASTET

SINOPSE: Ísis é a filha mais velha de um casal de egiptólogos. Numa das viagens, ela encontra um estranho artefato, que traz consigo diversos acontecimentos estranhos. Ísis acredita que uma espécie de maldição está contida no objeto encontrada nas ruínas de Tell-Bast. Decidida a saber mais sobre o artefato, ela embarca numa aventura tendo a ajuda dos antigos deuses egípcios.


Ei gente! Como estão? Hoje vamos conversar sobre o conto A Maldição de Bastet da autora Manu Saraiva. O conto não é muito longo, a leitura é muito agradável e bem diagramada. Parabéns a todos envolvidos no projeto do livro. Agora vamos à história. Logo no prólogo conhecemos a família Lohman. Augusto e Sarah são egiptólogos, e estão no Egito (óbvio né?) para acompanhar um grupo de arqueólogos na cidade perdida de Thonis. O casal ama tanto, mas tanto a profissão, que seus três filhos carregavam esse amor em seus nomes: Ísis era mais velha (16 anos) e nossa protagonista, gêmeos caçulas, Amon e Anúbis.


Quando estão saindo de Tell Basta, Isis encontra uma espécie de barra que ela não sabe ao certo o que é, sendo assim, ela acredita ser um souvenir inédito. Seu irmão Anubis fala que a irmã deveria mostrar o “achado” para Parker – um amigo da família. Passado algum tempinho, Isis começa a ter sonhos com a deusa Bastet. Sem pensar duas vezes, a garota vai até Parker e contar sobre os sonhos e descobre que é uma guardiã. E que seu “souvenir inédito”, na verdade é uma importante chave. Assim ela se torna uma importante guardiã.


“Segundo as lendas, Apófis jurou se vingar de Bastet, e das trevas, ordenou que seus demônios esperassem a morte da deusa para impedi-la de ir ao Paraíso. Assim, ele poderia derrotá-la no inferno, sem que ela contasse com a ajuda de Rá. Quando ela foi mumificada e teve seu corpo depositado no sarcófago, os vassalos de Apófis roubaram a chave que o abria, e a partiram ao meio, jogando as metades no deserto.”

A partir desse ponto que a aventura começa de verdade. Só que eu vou parando por aqui.  Não me matem, por favor! Mas a história é tão legal, que qualquer coisa que eu falei daqui pra frente pode ser spoiler. Gostei muito de tudo que li e adorei conhecer um pouco sobre a mitologia egípcia. Vou me despedindo por aqui! Beijos, até a próxima!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: RENARA CABRAL PEREIRA PAVEZ
25 anos, capixaba e casada. Formada em pedagogia. Amo ler e dar aula. A leitura me faz viajar!