terça-feira, 29 de maio de 2018

RESENHA DO LEITOR: O OCEANO NO FIM DO CAMINHO

SINOPSE: Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino. Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.


"Adultos seguem caminhos, crianças exploram."

Fantasia? Romance? Terror? Ainda não defini o gênero, mas sei que este é um livro fantástico. Publicado em 2013, pela Editora Intrínseca, a obra nos transporta à um mundo repleto de seres fantásticos e poderosos, onde tudo é possível e o inimaginável se torna corriqueiro. O livro é literalmente uma viagem ao passado, à infância do protagonista que, em viagem à sua cidade natal (Sussex, Inglaterra), se vê envolto em lembranças e incertezas. O protagonista, agora aos quarenta e poucos anos, mergulha nas lembranças de seus 7 anos, quando conheceu Lettie Hempstoch, que se tornaria sua melhor amiga e companheira de aventuras extraordinárias.


Lettie vivia na fazenda da família, com sua mãe e avó. Aos poucos a menina apresenta ao nosso herói seu mundo e uma nova visão da realidade. O suicídio de um minerador que alugava um quarto na casa de sua família, leva nosso herói ao início da aventura mais estranha e assustadora de sua vida. Um suicídio que desperta forças sobrenaturais que jamais deveriam ser perturbadas. Ao ser entregue, juntamente com sua irmã, aos cuidados de Úrsula Monkton, uma suposta babá, que na verdade é um ser maligno, o garoto e sua nova amiga, precisam enfrentá-la e derrotá-la e para isso contarão com a ajuda da mãe e avó de Lettie, que nos revelarão várias surpresas ao longo da trama.


“Nada nunca é igual. Seja um segundo mais tarde ou cem anos depois. Tudo está sempre se agitando e se revolvendo. E as pessoas mudam tanto quanto os oceanos.”

Na fazenda de Lettie havia um misterioso lago e lá, tudo parecia possível. Ela insistia em chamá-lo de "oceano" e só depois nosso protagonista entenderia o porquê. O final da obra é surpreendente, encantador e deixa margem a imaginação. Este é o primeiro livro de Neil Gaiman que leio, e confesso, estou encantada com sua escrita.


"O tempo é uma força da natureza que não podemos controlar e com o passar dos anos esquecemos sensações, lembranças, cheiros, vozes e muitas coisas que um dia foram essenciais em nossa vida, e talvez, no futuro um pequeno fragmento de memória possa nos trazer a mais sutil lembrança de uma vida à muito esquecida."

VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: