terça-feira, 10 de julho de 2018

RESENHA DO LEITOR: MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS


SINOPSE: Em Memórias de um sargento de milícias, tem se como protagonista não o típico herói romântico, mas o primeiro grande malandro da novelística brasileira. Esse romance narra as peripécias de Leonardo, filho de Leonardo-Pataca e Maria-da-Hortaliça, e por meio delas retrata com cinismo e comicidade a sociedade carioca da primeira metade do século XIX. Abandonado pela mãe – que trai o esposo e foge com outro homem – e pelo pai, Leonardo é adotado pelo padrinho e torna-se um menino cada vez mais briguento e travesso. O leitor irá acompanhar as aventuras e desventuras sociais desse personagem.


Impressões Pessoais: Olá, leitores! Novamente trago para vocês um clássico da literatura brasileira. Uma obra publicada em forma de folhetim entre 1852 e 1853, assinado por “Um Brasileiro”. Já que a autoria de Manuel Antônio de Almeida só foi revelada em 1863. Confesso que posterguei a leitura desse livro achando que a leitura seria complexa e com uma escrita muito rebuscada. Ainda bem que eu estava enganado, porque graças a experiência do autor como revisor e redator, o estilo jornalístico e direto faz-se presente em toda a obra. Além disso, percebe-se no texto a fuga dos padrões românticos comuns à época a partir do uso da linguagem das ruas, das classes média e baixa. Já que a história se passa no começo do século XIX, período em que a família real portuguesa estava refugiada no Brasil. 


Nesse romance de costumes, vocês encontrarão personagens que tem como principal objetivo retratar estereótipos, costumes e problemas ligados ao Brasil. Por isso, ele trata de problemas, como: intolerância religiosa, corrupção, omissão de fatos, abuso de poder, fofocas, chantagem, malandragem brasileira, dentre outros. O próprio Leonardo – personagem principal que foi abandonado pela mãe adúltera e pelo pai desnaturado sendo criado pelo padrinho – não é visto como “homem ideal” do romantismo, mas um personagem que sempre faz de tudo para se dar bem às custas dos outros, que é um costume herdado de seu pai e seu padrinho. Motivado por ambição seu tutor (padrinho) ficou rico de forma ilegítima e ambicionava transformar seu afilhado em um homem e influente socialmente.


Na história de Leonardo – que gosta mais de se divertir do que trabalhar – o autor faz uma irresistível e bem humorada história sobre o cotidiano do Rio de Janeiro do século XIX. Uma verdadeira comédia nacional, porque o malandro Leonardo irá se meter em divertidas aventuras enquanto luta para conquistar o amor da jovem Luisinha, personagem que contribuirá para Leonardo mudar de caráter. Com uma escrita tranquila, fluida, direta e de fácil compreensão essa obra considerada como precursor do Realismo Brasileiro. Usando a ironia, o autor deixa clara sua intenção de divertir o leitor com os problemas sociais de sua época. O livro deixa de lado a fantasia de amores perfeitos do Romantismo, a linguagem metafórica, a idealização da mulher, mas reconstruiu hábitos, relações sociais e personagens típicos. Com uma visão crítica e menos idealizada essa obra é uma verdadeira obra-prima da literatura brasileira. Incentivo vocês a conhecerem essa história tão interessante e que nos ajuda a compreender melhor as origens de muitos costumes e problemas brasileiros.


SOBRE O AUTOR: Manuel Antônio de Almeida nasceu em 17 de dezembro de 1831, embora tenha ficado órfão de pai aos 11 anos de idade e tenha tido uma infância muito o pobre, ele conseguiu ingressar na Faculdade de Medicina e concluir o curso. No entanto, devido a dificuldades financeiras, não chegou a exercer a profissão, dedicando-se ao jornalismo e às letras. Ocupou a direção da Tipografia Nacional e foi oficial da Secretaria do Ministério da Fazenda. Interessado em ingressar na vida política, o patrono da cadeira 28 da Academia Brasileira de Letras candidatou-se a deputado e, durante a campanha, em uma viagem para a cidade de Campos, faleceu no naufrágio do vapor Hermes, em 1861.

VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: Felipe Maranhão

22 anos. Graduando do 6° período de Letras, da Universidade Federal do Tocantins. Pesquisador em Iniciação Científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com ênfase em bilinguismo Krahô. E amante da literatura universal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: